quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Compartilhe

32 por 32 - L32

Calma. Respire. Leia.

Pense na Free Agency como uma oferta de canetas custando o triplo do que valem e acompanhadas de algum defeito de fabricação. Sem querer tirar a empolgação do torcedor com o mercado de transferências da NFL, é mais ou menos por aí a minha ideia geral desse período insano que segue por toda a temporada, mas que tem seu ápice nos três primeiros dias desde a abertura do mercado.

Vamos então explicar a comparação. Por que “canetas”? Bom, normalmente os jogadores que chegam à Free Agency, salvo exceções, não são nada especiais ou diferenciados. Muitas vezes são os chamados comuns, pois é difícil ver uma estrela chegar até o mercado para ser disputada por times com milhões no cap, sedentos para contratar por não fazerem um bom Draft há muito tempo (daí os milhões no cap). Canetas são fáceis de achar e substituíveis com tranquilidade, assim como a esmagadora maioria dos Free Agents. Pior do que isso é quando os times – e isso acontece com frequência – dão o famoso “overpaid” em algum nome, pagando muito mais do que aquele cara vai render mesmo que jogasse por 10 anos por aquele mesmo valor.

A questão de serem “acompanhadas de algum defeito de fabricação” é pesada, mas explico. Existem três motivos para que um jogador não renove com seu atual time e chegue ao mercado:

  • A idade. Já passou dos 30 anos e deve cair de rendimento ou até já está em queda livre.
  • Lesões. Sabe aquela caneta que vive com defeito? Pois é. Na Free Agency ela é valorizada e recebe milhões garantidos. Não comemore uma contratação dessas antes de ver se o novo “reforço” vai conseguir jogar pelo seu time realmente ou ficará em eterno tratamento de lesões.
  • Pediu muito mais que vale. Sabe aquele ditado que diz “está se achando a última bolacha do pacote”? Se aplica perfeitamente nesse caso. Essa hipótese é onde se encontram os Free Agents que não renovaram com o atual time por pedirem muito dinheiro garantido, certamente um valor muito acima do que a direção e técnicos que convivem com ele por temporadas acham que vale. Você leu Brock Osweiler?

Não vamos pintar o mercado de transferências da NFL como algo necessariamente ruim, pois o Denver Broncos foi campeão do Super Bowl 50 com alguns nomes importantes vindos da Free Agency, mas cumulado com várias escolhas eficientes da franquia nos Drafts, que deve ser a base de qualquer time sério e que busca vencer com consistência ano a ano. Um outro ponto é que, dependendo do montante investido em contratações, quando chegar a hora de renovar seus talentos que foram selecionados no Draft, haverá uma série de cortes e desmonte da equipe. O próprio Broncos serve novamente de exemplo após perder jogadores importantes que foram buscar alguém que pagasse mais do que valem.

Se o seu time está “fraco” no mercado e não vem contratando um jogador atrás do outro, na maioria das vezes isso é um ótimo sinal. Mostra que estão confiantes no elenco, no Draft que está por vir e/ou não enxergam valor em nenhum nome forte da atual Free Agency, o que devo dizer que estarão corretos boa parte das vezes.

O caminho mais eficaz na montagem de grandes times é o Draft, onde é possível selecionar ótimos talentos, a baixo custo e com expectativa de bom retorno por muitos e muitos anos. Não há comparação da importância do Draft e Free Agency para as franquias da NFL e isso deve ficar claro na cabeça do torcedor. O Green Bay Packers, por exemplo, raramente irá contratar alguém no mercado, pois é uma filosofia deles focar nos novos talentos vindos da universidade.

O ideal é que as equipes sejam construídas através das escolhas no Draft e que uma ou outra peça para compor o elenco ou até ajudar no time titular, mas sem protagonismo, venha do mercado. Os General Managers mais elogiados após a Free Agency são aqueles que esperam o insano primeiro dia de abertura das transferências passar, talvez o segundo, e começam a agir no terceiro em diante com um ou dois nomes úteis (não playmakers) que não receberão um caminhão de dinheiro.

Dessa forma, antes de reclamar que seu time não contrata, de dar murro no sofá e se perguntar como o General Manager é tão incompetente, talvez seja bom ler esse outro lado da moeda que trouxemos aqui.

Compartilhe

Comments are closed.