terça-feira, 13 de novembro de 2018

Compartilhe

Chegamos ao fim da semana 10 da NFL com muitas equipes e jogadores encantando os fãs do esporte com suas performances memoráveis e caminhando rumo aos playoffs. Por outro lado, não faltam decepções nessa temporada até aqui. Grandes expectativas seguidas de apresentações que estiveram longe corresponde-las. Hoje irei destacar as equipes e jogadores que, na minha opinião, mais desapontaram em 2018. São eles:

Philadelphia Eagles

Resultado de imagem para eagles

Após uma temporada dos sonhos em 2017, onde a equipe foi simplesmente fantástica superando todos os percalços que se apresentaram na caminhada até o título no Super Bowl, o Eagles não consegue repetir o desempenho de um ano atrás e está seriamente ameaçado de ficar de fora dos playoffs em 2018.

Leia Mais: Os problemas defensivos podem deixar o Bengals fora dos playoffs

Leia Também: Power Ranking – A consistência de Mariota e o atropelo do Steelers

A grande dúvida, antes da temporada, era se o QB Carson Wentz voltaria da séria lesão no joelho jogando em alto nível. Isso aconteceu da melhor maneira possível mas, em compensação, as lesões que vem se acumulando neste ano tem se provado um obstáculo muito grande para os atuais campeões. O jogo corrido se tornou inexistente após a perda dos running backs Jay Ajayi e Darren Sproles. Já a defesa, o ponto mais forte do time no ano passado, não tem sido a mesma sem Rodney McLeod, Tim Jernigan e Derek Barnett. Pra piorar, o cornerback Ronald Darby machucou o joelho na última partida e está fora do restante da temporada, enfraquecendo ainda mais uma secundária que não tem se mostrado competitiva. Todos esses fatores têm resultado numa campanha bem decepcionante dos atuais campeões, que no momento possuem uma campanha 4-5.

Jacksonville Jaguars

Resultado de imagem para jalen ramsey

A equipe da Flórida foi surpreendente em 2017, mostrando uma defesa super agressiva e dominante, e um ataque que sabia jogar da maneira necessária para alcançar as vitórias. A fórmula resultou numa boa participação nos playoffs, quase surpreendendo o favorito New England Patriots no jogo que valia o título da AFC e uma passagem para o Super Bowl. Apesar da derrota, Jacksonville tinha se estabelecido como uma das principais jovens equipes da NFL.

2018 chegou e, inexplicavelmente, o Jaguars tem sido uma grande decepção na atual temporada. O time se encontra na lanterna da AFC Sul, com 3 vitórias e 6 derrotas. O ataque tem sofrido com as lesões do running back Leonard Fournette e as fracas atuações de seu quarterback, Blake Bortles. Já a defesa, apesar de ainda estar ranqueada entre as melhores da liga, claramente não tem sido a unidade capaz de dominar jogos nesta temporada. “Sacksonville”, como ficou conhecida após registrar 55 sacks em 2017 e liderar a liga no quesito, não tem conseguido repetir a produtividade neste ano. A equipe é apenas a vigésima na NFL no momento, com 22 sacks. Com as dificuldades no ataque, o Jaguars precisa da sua defesa carregando o time, isso não tem acontecido até aqui.

New York Giants

Resultado de imagem para eli manning

Antes do início da temporada, confesso que tinha uma expectativa muito boa quanto ao New York Giants. A chegada de reforços na linha ofensiva e, principalmente, do sensacional running back novato Saquon Barkley, me faziam acreditar numa possível boa temporada de Eli Manning, Odell Beckham Jr. e companhia Liderados pelo novo head coach Pat Shurmur, uma interessante mente ofensiva, eu acreditava num ataque acima da média que seria complementado por uma defesa que possuía interessantes peças em Landon Collins, Olivier Vernon, Damon Harrison, Janoris Jenkins e o recém chegado Alec Ogletree.

Não aconteceu. A linha ofensiva começou a sofrer com lesões e Eli Manning, mais uma vez, deu mostras de estar próximo do fim de suas vitoriosa carreira. Mesmo com Barkley e OBJ produzindo, na medida do possível, o ataque tem sido fraco e a defesa pior ainda. Damon Harrison já foi trocado, assim como Eli Apple, cornerback escolha de primeira rodada em 2016. Com uma campanha 2-7, o foco do Giants já é 2019.

Jameis Winston

Resultado de imagem para jameis winston

O QB, primeira escolha geral do draft de 2015, não poderia ter sido mais decepcionante nesta temporada. Após ser acusado de assediar uma motorista de Uber, ele foi suspenso pela liga e perdeu os quatro primeiros jogos da temporada. Voltou como reserva mas logo recuperou o posto de titular da equipe de Tampa, o problema é que isso não durou muito tempo. Em suas quatro aparições, Winston lançou 6 TDs e 10 INTs, com um QB rating de 74.7, nada bom para um suposto franchise quarterback. O técnico Dirk Koetter rapidamente voltou a colocar Ryan Fitzpatrick como titular, fazendo com que o futuro de Winston na franquia da Flórida fique bem incerto.

Jon Gruden

Resultado de imagem para gruden

Quando o Oakland Raiders anunciou a volta de Jon Gruden como head coach da franquia, com um contrato de dez anos, ares de otimismo tomaram conta de uma das torcidas mais fanáticas da NFL. Na teoria ele chegava para comandar um promissor e talentoso elenco que, a duas temporadas atrás, parecia destinado a brigar pela AFC temporada após temporada. Acontece que Gruden não via a situação dessa maneira.

A troca do sensacional pass rusher Khalil Mack foi o primeiro passo de uma reconstrução do elenco por parte do treinador. O talentoso wide receiver Amari Cooper também deixou a equipe e, quem tem visto o Raiders em campo, percebe que trata-se de um time que joga de maneira totalmente desmotivada e sem propósito, algo inimaginável quando a volta de Gruden foi anunciada.

Com uma campanha 1-8 e todas essas trocas, a franquia já pensa em 2019 faz tempo. O fato de possuir três escolhas de primeira rodada faz com que haja esperança no futuro mas, em 2018, Gruden decepcionou muito.

Defesa do Minnesota Vikings

Resultado de imagem para anthony barr

Após garantir os serviços do QB Kirk Cousins na free agency, tudo indicava que o Vikings viria ainda mais forte para brigar pelo Super Bowl em 2018. Um ataque com ótimas peças finalmente teria um QB no mesmo nível. O investimento valeu a pena, Cousins, juntamente com Adam Thielen e Stefon Diggs, tem causado terror nas secundárias adversárias.

O que ninguém esperava era a regressão da melhor defesa da liga em 2017. A unidade esteve irreconhecível nas primeiras semanas da temporada, sendo a principal responsável pelo inconsistente da equipe, que hoje possui uma campanha 5-3-1. Erros de comunicação numa defesa que joga, na maioria do tempo, cobrindo em zona, mostraram-se decisivos no mal desempenho do grupo que liderou a NFL em jardas cedidas na temporada passada.

A boa notícia para a torcida do Vikings é que esse grupo parece ter reencontrado o caminho do sucesso. No último jogo, contra o Lions, a atuação já relembrou seus melhores dias e, após essa bye week na semana 10, a equipe terá um duelo decisivo contra o rival de divisão Chicago Bears. Esta será uma ótima oportunidade para a defesa do Vikings mostrar que está de volta. Até aqui, de maneira geral, tem decepcionado.

Quarterbacks novatos

Resultado de imagem para sam darnold

Muito se falava da classe de quarterbacks de 2018. Baker Mayfield, Sam Darnold, Josh Allen, Josh Rosen e Lamar Jackson formavam uma classe com quantidade e talento poucas vezes vista na história da liga. Os cinco QBs foram selecionados na primeira rodada mas, até aqui, nenhum ainda se tornou uma grande sensação na NFL.

Obviamente que é normal um período de adaptação para os QBs novatos na liga. É ainda mais natural a necessidade desse período para esses jovens QBs entrando na situação em que se encontram, em equipes que estão longe de oferecer condições adequadas ao seus redores neste momento. Jackson pode ser a exceção, mas ainda não teve uma oportunidade como titular. Já Mayfield e principalmente Darnold, Allen e Rosen estão em equipes que possuem ataques muito fracos. Eles mostraram lampejos, mas longe de conseguirem se estabelecer consistentemente como uma grande promessa, do jeito que DeShaun Watson fez no ano passado até se lesionar, por exemplo. Mayfield tem sido o que mais se aproximou disso, com 13 TDs e 7 INTs na temporada. Os outros três que já são titulares de suas equipes, lançaram mais interceptações do que touchdowns até então.

Talvez eu esteja sendo um pouco injusto com essa classe de quarterbacks. Com certeza acredito no sucesso de vários deles na liga. Mas como novatos, com tudo o que se esperava dessa classe antes do processo de recrutamento, eu esperava mais.  

4 downs

1st & goal: Na última semana o wide receiver Julio Jones, do Atlanta Falcons, se tornou o jogador que mais rapidamente alcançou a marca de dez mil jardas recebidas na história da NFL. Ele alcançou o feito no seu jogo de número 104. O recorde pertencia a Calvin Johnson, o “Megatron”, ex- Lions. Jones de fato é um dos jogadores mais dominantes na posição já vistos na história da NFL, sua combinação de velocidade, tamanho, força e explosão é rara.

2nd & goal: Outro que continua sua busca por recordes é o veterano QB Drew Brees, do New Orleans Saints. Dessa vez ele passou o lendário Brett Favre e agora é o segundo na história da liga em passe para touchdowns, com 509. O recordista ainda é Peyton Manning, com 539 passes para touchdown na carreira.

3rd & goal: Ainda falando de Saints, após a tremenda falta de sorte com a contratação de Dez Bryant, que nem chegou a jogar após sofrer uma séria lesão no tendão de aquiles e ficar de fora da temporada, a equipe buscou outro veterano para seu lugar. Trata-se de Brandon Marshall, que estava no Seahawks mas foi dispensado semanas atrás. Marshall oferece o mesmo tipo de habilidade que Dez, um WR alto que costuma ganhar os passes contestados, sendo uma arma interessante especialmente na red zone. O Saints precisa de um outro alvo para tirar um pouco a atenção de Michael Thomas e Marshall pode sim ser produtivo, especialmente com Brees lançando a bola.

4th & goal: O Bengals tem visto sua temporada ir por água abaixo após um início promissor. A defesa acabou de bater um recorde negativo, se tornando a primeira na história a ceder 500 jardas ou mais em três jogos consecutivos. O resultado foi o técnico Marvin Lewis demitindo o coordenador defensivo Teryl Austin e declarando que assume o cargo à partir daqui. Ele também foi buscar o ex-técnico do Browns Hue Jackson para ser o seu assistente na sequência da temporada. A tendência é que Lewis foque na defesa e deixe com que Jackson o auxilie nas outras funções, principalmente no ataque. Após tantos anos na franquia e nenhuma vitória em playoffs, parece que Lewis está sentindo a urgência de justificar toda paciência com seu trabalho.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.