terça-feira, 9 de outubro de 2018

Compartilhe

72.103 jardas aéreas e contando. Na noite de ontem, o quarterback Drew Brees do New Orleans Saints quebrou o recorde até então estabelecido pelo lendário Peyton Manning e se tornou o líder nessa estatística na história da NFL. Apesar de se tratar de um grande feito, não é nenhuma surpresa pra quem tem acompanhado a carreira do camisa 9 de Nova Orleans. Porém, nem sempre foi assim…

O começo

Resultado de imagem para drew brees purdue

Apesar de ter tido muito sucesso como quarterback no colégio de segundo grau, Brees não foi muito procurado no processo de recrutamento universitário. Ele teve apenas duas ofertas, das universidades de Kentucky e Purdue, e acabou escolhendo a segunda por razões acadêmicas. No seu primeiro ano ele não foi aproveitado, mas tudo começou a mudar a partir do seu segundo ano com a equipe. Como “Junior”, no seu terceiro ano, já era capitão e teve a oportunidade de se declarar disponível para o draft da NFL, mas preferiu retornar para seu último ano e se formar. Foi novamente capitão como “Senior” e terminou sua carreira universitária possuindo dois recordes da NCAA, 13 da conferência Big Ten e 19 da universidade de Purdue. Ainda nessa última temporada, em 2001, liderou Purdue ao Rose Bowl, pela primeira vez desde 1967, onde seu time foi derrotado pelo Washington Huskies.

Leia Mais: O SNF mostrou que Texans e Cowboys são reféns de seus técnicos

Leia Também: Conheça as efetivas jogadas de Screen Pass do Madden NFL

As primeiras dúvidas

Resultado de imagem para drew brees chargers draft

Após todo sucesso alcançado no “college football”, Brees era cotado para a primeira rodada no draft de 2001. Devido à sua baixa estatura para os padrões de quarterbacks da NFL (1,83cm) e alguns questionamentos quanto a força de seu braço, ele acabou caindo para a segunda rodada, onde foi escolhido pelo então San Diego Chargers com a escolha número 32. Na escolha um, a equipe havia feito uma troca com o Atlanta Falcons que selecionou Michael Vick. San Diego, por sua vez, sairia do draft com dois jogadores de hall da fama em Brees e o running back LaDainian Tomlinson, um verdadeiro draft dos sonhos. Infelizmente, não foi o que pareceu no começo da carreira do novo recordista de jardas aéreas da liga.

Brees, como muitos outros jovens jogadores na NFL, teve dificuldades nos seus primeiros anos como profissional. Como novato, ele foi reserva do veterano Doug Flutie e atuou em apenas uma partida, lançando 221 jardas e um touchdown. Ganhou a vaga para sua segunda temporada, começando os 16 jogos como titular e levando a equipe à uma campanha 8-8, lançando para 3.284 jardas, 17 touchdowns e 16 interceptações. Tudo parecia correr bem no seu processo de desenvolvimento, mas um início ruim em 2003 fez com que ele perdesse a posição para Flutie. Brees terminou o ano atuando em 11 jogos e lançando 2.108 jardas, 11 touchdowns e 15 interceptações. Apesar de ter recuperado sua posição antes do fim da temporada, ele já não era mais visto pela franquia como seu “franchise quarterback”.

Reagindo em meio às dificuldades

Resultado de imagem para drew brees chargers

As dificuldades do Chargers na campanha de 2003 resultaram na posse da escolha número um do draft de 2004. Após Eli Manning declarar que não desejava atuar em San Diego, a equipe fez dele a primeira escolha mas imediatamente o enviou à Nova Iorque em troca da escolha número 4, o QB Philip Rivers. A carreira de Brees como um Charger estava bem ameaçada, porém a demora de Rivers e seus agentes para entrarem em acordo em relação ao seu contrato deu uma nova oportunidade para Brees durante o training camp e a pré-temporada. Ele aproveitou e ganhou a vaga de titular, com Rivers começando no banco. A nova e talentosa sombra fez bem demais a Brees, que liderou a equipe a uma campanha 12-4, completando 65.5% dos seus passes e lançando para 3.159 jardas, 27 touchdowns e apenas 7 interceptações. Ele foi selecionado ao Pro Bowl e ganhou o prêmio de “Comeback Player of the Year” naquele ano. Uma verdadeira reviravolta na carreira do jogador, que estava em seu último ano de contrato.

O Chargers se viu forçado a usar a “franchise tag” para não perder o talentoso quarterback de graça, porém não conseguiu negociá-lo após isso. Brees continuou como o titular em 2005 e continuou produzindo em alto nível. Apesar de outra temporada de sucesso, na última partida do ano contra o Denver Broncos, seu pior pesadelo aconteceu. Após sofrer um fumble, num tackle do hoje general manager do 49ers John Lynch, Brees sofreu uma séria lesão no ombro direito, exatamente o do seu braço dominante. Com as dúvidas em relação à sua volta após a lesão, o Chargers ofereceu um contrato cheio de cláusulas de produtividade, o que não agradou o quarterback. Ele recusou e se tornou agente livre.

Volta por cima e o ínicio de uma carreira lendária

Resultado de imagem para drew brees stats

Miami Dolphins e New Orleans Saints surgiram como os principais candidatos a adquirirem seus serviços. Enquanto o Saints fez uma proposta interessante de um ano com a opção de renovação para o segundo, os médicos do Dolphins recomendaram a não contratação do quarterback. A equipe de Miami preferiu fazer uma troca pelo ex-Viking Daunte Culpepper e passar a oportunidade de assinar com Brees, decisão que Nick Saban, o lendário treinador de Alabama e então técnico do Dolphins, lamenta até hoje.

Brees assinou com o Saints e se tornou a lenda que conhecemos hoje. Ele passou a acumular grandes performances, prêmios, recordes e ainda liderou a equipe ao título do Super Bowl XLIV, na temporada 2009. O Saints possui um dos mais temíveis ataques da liga desde então, graças à inteligência e capacidade desse grande quarterback. Brees é um daqueles jogadores que dá gosto de ver jogar e, conhecendo sua história de altos e baixos, causa ainda mais alegria ver cenas como as de ontem, com o QB comemorando mais uma conquista na sua vitoriosa carreira ao lado da sua bela família. Parabéns Drew Brees!

4 downs

1st & goal: O cornerback Jalen Ramsey, do Jaguars, tem se mostrado um dos maiores falastrões da NFL. Após declarar que seu duelo contra Tyreek Hill se tratava de um duelo de um “CB contra um especialista em retornos” e não um WR, a história no campo foi um pouco diferente. Ramsey teve sucesso quando conseguiu pôr as mãos no recebedor do Chiefs nas cinco jardas em que o contato é permitido. Porém, quando conseguia um “release” limpo, Hill se deu melhor. Ele terminou o jogo com 4 recepções para 61 jardas. Pode-se dizer que o duelo foi um empate, mas como se trata de um jogo de equipe, com a vitória do Chiefs e com o sucesso que os companheiros de Hill tiveram no jogo, o “especialista em retornos” foi quem riu por último.

Resultado de imagem para deandre hopkins

2nd & goal: O Houston Texans continua sua recuperação após o péssimo começo 0-3. O grande destaque fica para o recebedor DeAndre Hopkins, que lidera a liga no momento com 594 jardas recebidas. O recorde da NFL numa única temporada pertence ao ex-Lion Calvin Johnson, que conseguiu as impressionantes 1.964 jardas em 2012. Se Hopkins mantiver o atual ritmo, ele alcançará 1900 jardas no fim de 2018. Vale a pena ficar de olho na estrela do Texans, ele pode alcançar o recorde do “Megatron”.

3rd & goal: O Philadelphia Eagles não passa por um bom momento, com os resultados não vindo em campo e algumas dúvidas quanto ao relacionamento entre os jogadores fora dele. Pra piorar, o RB Jay Ajayi está fora da temporada com uma lesão no joelho. Com Corey Clement também machucado, não seria a hora da equipe ir atrás de um novo running back na busca por uma recuperação e o bi-campeonato? Se fala em Le’Veon Bell e ainda existem outras intrigantes possibilidades, como o ex-ídolo da franquia LeSean McCoy, que pode estar disponível em Buffalo pelo preço certo. Vamos aguardar.

4th & goal: Que jogo teremos no próximo Sunday Night Football. O quentíssimo Kansas City Chiefs, invicto, vai a Foxboro enfrentar o poderoso New England Patriots. Vai ser interessante ver como o garoto Patrick Mahomes se sairá no duelo contra um dos melhores quarterbacks da história. Acredito que Bill Belichick já tem alguma carta na manga pra dificultar a vida do garoto sensação da liga.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.