sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Compartilhe

Broncos e Texans vivem momentos completamente opostos na temporada. Enquanto os primeiros começaram com campanha de 2-0, viram uma grande má fase tomar conta de tudo e agora amargam uma situação de 3-6, os segundos tiveram um terrível início com 0-3, mas emplacaram uma impressionante série de seis vitórias consecutivas. Esse confronto disputado em Denver, no último domingo, confirmou a tendência e viu os visitantes saírem vitoriosos por 19 a 17.

Como foi o duelo mais equilibrado da rodada, decidido apenas no último segundo por um field goal perdido, acabou escolhido para a Visão Aérea dessa semana. Peço perdão pelo atraso – a culpa foi de problemas técnicos, mas essa coluna deveria ter saído na quarta-feira.

Leia Mais: Power Ranking – Os grandes confrontos de quarterbacks

Leia Também: A estrada de Patrick Mahomes para uma temporada de recordes

O que se viu dentro de campo foi um jogo equilibrado, decidido pelo fato da defesa de Houston ser talentosa demais para o ataque de Denver lidar. Mas paremos de enrolações e vamos ao que interessa: os principais lances do jogo.

Ataque do Texans x defesa do Broncos

DeShaun Watson é um quarterback muito jovem, ainda em sua segunda temporada e que teve a primeira interrompida por lesão. Por mais que seja muito talentoso, ainda há algumas falhas em seu jogo que ficam bastante claras. Analisando o filme desse confronto contra Denver, o que mais ficou claro para mim é a falta de presença de pocket.

O quarterback foi sackado quatro vezes na partida e em pelo menos duas dessas oportunidades poderia ter evitado a pressão com uma movimentação melhor. A última é a que mais chama a atenção: repare na quantidade de tempo que Watson segura a bola. Com a defesa de Denver em zona, um recebedor fica completamente livre na linha de cinco jardas, com um espaço absurdo entre si e qualquer defensor, e mesmo depois dessa desmarcação a decisão do camisa 4 é tentar progredir com as pernas em um pocket em colapso.

Antes disso, Watson conseguiu identificar uma falha de cobertura na defesa de Denver e lançar um touchdown para DeAndre Hopkins. No lance, há uma confusão do safety Justin Simmons, que cobriu a área errada do campo. Ele deveria estar em profundidade, dentro da endzone, impedindo a rota do recebedor. Com Simmons mal posicionado e Adam Jones em zona, permitindo a passagem de Hopkins, a entrada na endzone acabou sendo bastante fácil.

A jogada mais explosiva de Houston na partida foi de Demaryius Thomas, estrando no Texans justamente conta seu ex-time. Essa recepção de 33 jardas poderia ter sido evitada já na linha de scrimmage e foi o típico lance que demonstra o quanto a defesa de Denver não é mais nem sombra do que foi alguns anos atrás. É um simples wide receiver screen, bem desenhado e com potencial para ir longe, mas o tight end Jordan Thomas não consegue bloquear a tempo o cornerback Tramaine Brock. Infelizmente, o camisa 22 perde o tackle e a jogada acaba funcionando da mesma forma.

Se a defesa de Denver, que uma vez foi chamada de No-Fly Zone, deixou muito a desejar contra o passe, ela fez um trabalho admirável contra o jogo terrestre. Houston conseguiu apenas 3 jardas por tentativa, número baixíssimo para a NFL. E na maioria das vezes, os running backs realmente não tinham para onde ir. O motivo disso acontecer foi a rápida penetração no backfield que os defensores tiveram, manuseando com facilidade a linha ofensiva do Texans. No lance abaixo, é Adam Gotsis que passa como um trator por Julie’n Davenport e não dá qualquer chance de avanço para Alfred Blue.

Mas Houston deixou oportunidades em campo e poderia ter marcado mais do que 19 pontos. Sobrou muito pouco da muito dominante defesa de Denver que carregou a franquia a um Super Bowl recentemente e hoje ela é parte do motivo da campanha de 3-6. Apenas parte, porque muito além dela existe a inoperância ofensiva…

Ataque do Broncos x defesa de Houston

O Texans impressiona por ter em sua defesa alguns jogadores que são muito bons (JJ Watt, alô) e outros terríveis (Shareece Wright não conseguiu ficar no elenco final do Oakland Raiders…). Quando se analisa a fita defensiva da equipe, percebe-se esses dois extremos coexistindo e gerando uma unidade capaz de grandes jogadas ou erros primários.

No primeiro touchdown de Denver, anotado em corrida de Davontae Booker, a performance de Wright é ridícula. O desenho da jogada é de uma corrida para a direita, lado da formação que tem um wide receiver que faz uma rota para dentro com a intenção de abrir espaço. O cornerback está na marcação e demora muito tempo para reconhecer que não é lance de passe mas, pior ainda, colide com um outro defensor que fez o diagnóstico correto e começava a se mover naquela direção. Assim, acaba qualquer possibilidade de tackle.

O segundo touchdown de Denver veio de um passe de Case Keenum para Jeff Heuerman. Nele, a defesa marca em Cover 2 under man e a chamada é perfeita para bater essa cobertura. Repare que o Broncos usa a jumbo formation (um tight end de cada lado da linha ofensiva), que é amada pelo coordenador ofensivo Bill Musgrave e já era muito usada nos tempos dele em Oakland. Os dois tight ends correm rotas intermediárias, que voltam logo ao atingirem a endzone mas não dão tempo para a chegada dos safeties. Keenum faz ótima leitura e passe.

Mas o que realmente temos que dizer desse lado da análise é o quanto Houston tem atletas de qualidade. Para isso, dois lances foram separados. Vejam no primeiro como Denver tenta proteger Keenum com apenas cinco jogadores, e Houston manda quatro pass rushers (ou seja, sem blitz). Isso acaba sendo fatal: JJ Watt e Jadeveon Clowney passam com inacreditável facilidade por Jared Veldheer e Max Garcia, respectivamente, e forçam Keenum ao passe errado.

Na segunda ocasião, há blitz de Houston e mais uma vez dois atletas da defesa conseguem destruir seus bloqueadores e ter caminho livre para Keenum: um deles é mais uma vez Clowney vencendo de forma constrangedora a Garcia, enquanto o outro é Whitney Mercillus contra Garrett Bolles.

Houston é um time com muitos jogadores de talento e que tem chances de ir aos playoffs, mas acredito que ainda há alguns buracos no elenco e que DeShaun Watson não está pronto para conduzir um time nos ombros na pós-temporada. Por isso, acho que não avançará profundamente em direção ao Lombardi. Do lado de Denver, falta muita coisa: Keenum é um nome temporário, a linha ofensiva tem problemas e a defesa não é sombra do que já foi. Existe muito trabalho a ser feito.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.