segunda-feira, 22 de abril de 2019

Compartilhe

Finalmente estamos na semana do Draft, a longa espera está acabando e na quinta-feira teremos o início do grandioso evento com a sua primeira e mais importante rodada. Encontrar talento nela é fundamental para se ter sucesso na liga, pois aqui, em tese, os grandes valores são mais abundantes e os times, no geral, esperam estar draftando, no mínimo, um jogador que chegue para ser titular e contribuir de imediato.

Ainda assim, várias franquias encontram-se numa situação onde pegar um jogador numa posição tão alta do Draft não é, por si só, a solução para todos os seus problemas, havendo muito mais buracos no elenco a serem preenchidos do que a escolha de um único grande jogador poderia suprir. Desse modo, pensar em fazer uma troca para baixo, de forma a acumular mais escolhas e até sair em vantagem diante de um time desesperado para pegar quarterback, por exemplo, pode se mostrar uma estratégia mais interessante e eficaz a longo prazo.

Leia Mais: O que as últimas 10 escolhas gerais do Draft da NFL indicam para 2019 ?

Leia Também: Jornal do Draft – Edição Número 9

Por diferentes razões, vejamos alguns times que são fortes candidatos e talvez estejam muito interessados que seus telefones toquem na noite do dia 25 de abril, para ouvirem propostas e analisar com carinho um possível trade down:

NEW YORK JETS

Com a terceira escolha geral e após movimentações interessantes na free agency, os Jets gostariam e precisam muito de um EDGE rusher, principalmente após assinatura com o LB Anthony Barr acabar sendo frustrada. A forma como o Draft se desenvolve será fundamental para determinar aqui o comportamento da franquia. Num cenário onde o Arizona Cardinals não pega o QB Kyler Murray, seria o estopim ideal para o time de Nova York pensar em vender essa escolha, pois não haveria a possibilidade de contar com Nick Bosa disponível e por mais que o time goste do OLB Josh Allen, a escolha número três é um valor alto demais para o jogador. Dessa maneira, não seria difícil imaginar times dispostos a subirem para passar na frente do Oakland Raiders e garantirem o próprio Kyler Murray ou outro QB. Seria uma maneira de o Jets recuperar um pouco do capital que foi gasto no último Draft para pegar o seu quarterback, fato que resultou no time não ter escolha de segunda rodada nesse ano.

TAMPA BAY BUCCANEERS

O time é um alvo natural para trade down, por ser quem escolhe imediatamente acima do New York Giants, equipe que notoriamente necessita de quarterback e pode/deve estar buscando um jogador da posição na sexta escolha. Dessa maneira, propostas certamente irão chegar e talvez o time de Tampa não esteja incomodado com o pensamento de efetuar a troca, uma vez que com suas necessidades prementes, eles talvez não se sintam à vontade para pegar um linebacker ou um cornerback tão alto assim no Draft, de modo que descendo algumas posições seria possível adequar o valor da escolha com a posição e necessidade que eles buscam preencher. Não é difícil imaginar que até mesmo o próprio Giants seja um parceiro de troca aqui, pois o receio de que algum time pague caro e passe a sua frente, pode ser o suficiente para eles quererem “garantir” o seu QB no Draft.

 

 

DETROIT LIONS

Essa é uma pick que não é surpresa ou novidade para ninguém que “está à venda”, embora o time não admita publicamente, muitos insiders já reportaram dá vontade da equipe em descer no Draft e acumular escolhas, algo extremamente correto e acertado ao meu ver, pois são muitas as necessidades primárias do time e empacotar escolhas no top 100 seria o modo mais fácil e eficaz de encontrar mais talentos e tentar ir suprindo tais carências. Vale ainda destacar que nessa posição, o time de Detroit talvez não se sinta também tão à vontade para escolher jogadores de posições onde o time reconhecidamente precisa, como tight end e cornerback. Mas mais do que isso, a equipe também precisa de muita ajuda na linha defensiva, linha ofensiva, corpo de linebackers e até mesmo recebedores o que corrobora e dá mais força a essa ideia.

SEATTLE SEAHAWKS

Mesmo que um pouco mais abaixo, Seattle também é fortíssimo candidato a dar um trade down, pois o time conta com apenas quatro escolha neste Draft, não possuindo escolhas de 2ª, 6ª e 7ª rodada, fato que é extremamente prejudicial para um time que está reconstruindo seu plantel e precisa adicionar muito talento ao elenco. A essa altura na primeira rodada (escolha 21) não é/será tão difícil assim de se deparar com jogadores que estejam caindo de um modo um tanto quanto misterioso e despertem o interesse de muitos times que escolhem apenas no fim da rodada, fator que pode ser a faísca necessária para que muitos possam enxergar o Seahawks como um parceiro de trocas ideal e que não esteja a procura de um valor tão caro assim.

Há de se destacar ainda, que com a recente renovação de contrato monstruosa de Russel Wilson, é muito importante para a franquia conseguir cerca-lo de talentos “baratos”, com contratos de baixo custo, mas que possam produzir e contrabalancear os efeitos do cap salarial do contrato de seu quarterback. Não há maneira melhor para isso do que conseguir encontrar calouros com esse potencial de produção e valer-se do preço e duração de seus contratos, algo que será mais plausível na medida em que a franquia consiga reunir mais escolhas.

LOS ANGELES RAMS

Times que escolhem no final da primeira rodada sempre são alvos naturais para esse tipo de negociação, seja pelo fato de alguns times se sentirem extremamente tentados a retornarem ao relógio e pegar um talento valioso que tenha sobrado, seja pelo fato de outros quererem aproveitar para draftar um quarterback no final da rodada e se valer da prerrogativa contratual da opção do quinto ano, que gozam as escolhas de primeira rodada, fato que é ainda mais importante e potencializado quando se pensa nessa posição.

De todos os times que se encontram no final do 1º Round (5 últimas escolhas), os Rams talvez sejam aquele mais propenso a aceitar esse tipo de negociação. Não precisam de QB e não possuem uma necessidade tão gritante por posição ou jogador que não possam tentar buscar um pouco depois. O time também não tem escolha de 2ª rodada esse ano e descer de uma maneira a acumular picks nesse ponto do Draft, pode representar um direcionamento mais eficaz em preencher mais necessidades com escolhas de valor alto e que possam causar impacto no time desde o início.

Boa parte da emoção do Draft são as trocas e surpresas que acontecem na noite do evento e como sempre se fala mais e buscam times que estejam dispostos a subir e realizar trocas, do doutro lado tem que ter alguém disposto a descer e ter uma estratégia quanto a isso. Na noite de quinta, procure principalmente por esses times, para estarem do outro lado do telefone fazer acontecer essas movimentações.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

 

Compartilhe

Comments are closed.