segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Compartilhe

O Draft é sempre uma das melhores maneiras de se reforçar uma franquia da NFL, mas como não é uma ciência exata, boa parte das apostas feitas pelas equipes acabam não se concretizando no nível profissional. Entretanto, sempre existem aquele jogadores que logo de cara já se destacam e conseguem se colocam entre os melhores de sua posição na liga já na temporada de calouro. Hoje vou analisar 7 calouros que vem dando o que falar até aqui na temporada 2020.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 7DP.gif

Joe Burrow

Burrow tem correspondido bem ao que se esperava da 1ª escolha geral do Draft. Mesmo atrás de uma linha ofensiva tenebrosa, ele já teve boas atuações, com destaque para o jogo da semana 2 contra o Cleveland Browns em que ele lançou para 316 jardas e 3 touchdowns, a sétima melhor marca daquela rodada.

Ele tem conseguido se conectar bem com Tyler Boyd e Tee Higgins nesses primeiros jogos e apenas A.J. Green, ainda longe da melhor forma física, é que tem sofrido para conseguir bons jogos com Joe Burrow no comando do ataque. O último jogo, no entanto, deu uma amostra do que Green pode fazer quando saudável.

Obviamente ele ainda vai ter oscilações, como vimos muito bem na semana 5 contra Baltimore, mas ele é o menor dos culpados pela derrota acachapante. A linha ofensiva já fraca foi especialmente mal contra o time do Ravens e Burrow teve pouquíssimas oportunidades de respirar fundo no jogo do último domingo.

Prevejo ainda algum tempo para que Burrow se estabeleça como um dos melhores da liga na sua posição, muito por conta das fraquezas do elenco do Bengals, em especial da linha ofensiva. No entanto, ele já deu vários sinais no nível profissional de quem tem as ferramentas para chegar lá

Leia Mais: Quais equipes efetivamente “disputarão” as 5 primeiras escolhas do draft 2021

Leia Também: Le’Veon Bell e Kansas City Chiefs, o que esperar desta união?

James Robinson

A grande surpresa dessa lista, James Robinson é um calouro não draftado de Illinois State. Ele era tão desconhecido que antes da semana 1, quando o Jacksonville Jaguars anunciou que ele seria o primeiro running back no Depth Chart, a grande maioria das pessoas pensou que eles estavam apenas brincando com essa lista e que ele não seria realmente o titular do time.

Entretanto, Robinson logo de cara já mostrou que tinha talento para assumir o backfield do Jaguars. Na semana 2 foram 102 jardas terrestres e mais 18 aéreas, seguidas de uma atuação de gala na semana 3 contra o Miami Dolphins, em que, apesar da derrota, ele foi o ponto central do ataque em pleno prime time.

Nessa partida ele teve 6 alvos, 6 recepções e mais 46 jardas terrestres, além de 2 TDs corridos. Nesse jogo ele se estabeleceu definitivamente como um dos melhores running backs da NFL e tem tudo para ter uma carreira de sucesso no time da Flórida se mantiver esse nível nos próximos anos. A oscilação de Robinson é natural, uma vez que o time do Jaguars é dos menos talentosos da liga, mas Robinson já demonstrou ter as ferramentas para ser um legítimo running back 1 para o Jaguars.

Justin Jefferson

13º melhor em jardas na NFL até a semana 5, empatado com D.K Metcalf como o jogador com mais recepções em jogadas de pelo menos 20 jardas na temporada com 6.

Justin Jefferson parece ter sido tudo que o Minnesota Vikings pediu como substituto de Stefon Diggs.

Durante a sua carreira universitária, principalmente depois da campanha de 2019, muitos questionavam se ele poderia ser realmente capaz de jogar aberto pelas laterais, já que a grande maioria dos seus snaps foi como slot receiver em LSU. No entanto, logo no terceiro jogo da temporada, ele já mostrou que jogar por fora do campo não seria um problema para o ex-recebedor do Tigers.

Na partida contra o Tennessee Titans ele simplesmente amassou os adversários, com 175 recebidas em 7 passes completados, além cereja no bolo que um touchdown de 71 jardas, em que ele deixou 3 marcadores na saudade.

Logo na semana seguinte, no jogo contra o Houston Texans ele continuou jogando muito bem e mais uma vez quebrou a marca das 100 jardas aéreas.

A dupla com Adam Thielen, que parecia um problema a princípio, se mostrou uma combinação perfeita logo depois das suas primeiras atuações. Ele tem sido capaz de explorar os espaços mais profundos deixados pelas defesas que se preocupam em anular Thielen e acima de tudo, tem conseguido conquistar jardas depois da recepção, como ficou evidente no seu primeiro touchdown na NFL, no já citado TD de 71 jardas.

Como já era esperado depois dos seus anos em LSU, ele também é excelente nas mudanças de direção e isso propicia rotas muito bem percorridas por ele, que geram, na maioria das ocasiões, separações bem consideráveis de seus marcados. Assim ele e Thielen tem conseguido revesar bem nesse papel de corredores de rotas curtas/médias e de rotas longas.

Para continuar a sua bela temporada de estreia, Jefferson teve mais uma bela atuação na semana 6, dessa vez contra o Atlanta Falcons. O Vikings perdeu feio esse jogo, mas Justin Jefferson foi de longe o que melhor aconteceu ofensivamente para o time de Minnesota. Foram 166 jardas e mais 1 touchdown, segunda melhor marca em jardas para um calouro desde 2018, atrás apenas da marca que o próprio Jefferson estabeleceu na semana 3.

Se Jefferson continuar atuando da mesma maneira que ele jogou a partir da semana 3, essa tem tudo para ser uma das melhores duplas de receivers da NFL, do nível Thielen/Diggs na temporada passada. Stefon Diggs não tem uma personalidade fácil de se levar e até por isso pediu para ser trocado, mas se Jefferson continuar tendo uma produção parecida com a que Diggs teve em Minnesota, custando uma fração do peso, essa troca pode se transformar em uma das melhores dos últimos anos.

Antoine Winfield Jr.

Uma das melhores escolhas da segunda rodada do último Draft, Winfield já está jogando como gente grande. Ele esteve presente em 99,4% dos snaps do Tampa Bay Buccaneers nessa temporada e é o terceiro do time em tackles, com 30.

A sua agressividade e capacidade atlética de patrulhar todo o campo ajudam demais a defesa do Bucs que tem sido uma das melhores da liga em 2020. A sua influência no jogo fica mais evidente quando olhamos para as estatísticas. No sistema de notas do Pro Football Focus, Winfield Jr. tem a melhor marca entre rookies e a sexta melhor entre todos os safeties da NFL, com 73,00, de um máximo de 100.

Além das boas atuações cobrindo o campo, ele também já foi capaz de forçar um fumble na partida contra o Carolina Panthers, na semana 2. Ao lado de nomes como Shaquil Barrett, Lavonte David  e dos jovens jovens Carlton Davis, Jamel Dean e Sean Murphy-Bunting, Wilfield tem tudo para ser uma das peças mais importantes dessa forte defesa que está ajudando bastante Tom Brady nos primeiros jogos com a camisa do Bucs, como vimos no jogo de ontem contra o Green Bay Packers.

Segurança, intensidade e capacidade de melhorar o nível de jogo dos seus companheiros. Não dá pra pedir muito mais do que isso de um safety calouro.

Patrick Queen

Terceiro linebacker selecionado no Draft de 2020, muita gente apontava que Queen iria para uma situal ideal em Baltimore. Um time com uma defesa super agressiva e talentosa, que havia acabado de adicionar mais bons jogadores via free agency e que tinha como grande buraco nessa unidade a posição de linebacker. A explosão e a intensidade de Patrick Queen tem tudo a ver com essa defesa e a expectativa tem sido correspondida nesse começo de temporada.

Ele já deu 42 tackles, 9ª melhor marca da liga, 2ª entre calouros. Além dessa presença forte no jogo terrestre ele já anotou 2 sacks, sendo utilizado de maneiras muito criativas nessa defesa comandada por Don Martindale.

A melhor atuação do calouro veio na semana 5. Contra o Cincinnati Bengals, em que ele fez 9 tackle, deu 1 sack, forçou um fumble e recuperou mais 2. Ele foi tão bem que foi eleito o jogador defensivo da semana na AFC.

https://twitter.com/Ravens/status/1315350710553399298

Esse casamento, que já começou bem, tem tudo para dar ainda mais certo no futuro e o histórico do Ravens de draftar grandes jogadores defensivos pode ter sequência nas mãos de Patrick Queen.

Justin Herbert

Herbert é uma das grandes histórias desse começo de temporada. Seja pela forma bizarra em que ele virou titular, tendo que substituir as pressas Tyrod Taylor que teve o seu pulmão perfurado pelo médico do Chargers que tentava aplicar uma ingessão no quarterback titular, seja pelas boas atuações que ele vem tendo até aqui.

Herbert tem mostrado muita personalidade e presença de pocket, além de estar utilizando muito bem o seu braço forte. Tanto é que ele é único da liga com 2 passes para touchdown de pelo menos 50 jardas e se tornou apenas o terceiro jogador da história mais que centenária da NFL a lançar para mais de 400 jardas e correr para 1 touchdown em seu jogo de estreia.

Pra fechar, na semana 5 ele teve a sua melhor atuação até aqui com 264 jardas passadas e mais 4 TD, que é a maior marca de touchdowns de um calouro no Monday Night Football.

https://twitter.com/NFL/status/1315812911374241792

Analisei com mais detalhes o começo de Herbert nesse texto, mas o que posso destacar é que ele tem atuando de maneira incrível, talvez até melhor do que Joe Burrow nessas primeiras semanas. A sucessão de Rivers no Chargers parece estar em boas mãos.

Ceedee lamb

Houve um debate acalorado sobre quem deveria ser o primeiro wide receiver da classe de 2020. Ceedee Lamb e Jerry Jeudy lideravam as conversas, mas foi Henry Ruggs que saiu primeiro da board, sendo logo seguido por Jeudy e finalmente por Lamb, na 17ª posição geral.

Como já disse por aqui, o Draft é uma ciência nada exata e sair cravando que fulano será melhor do que beltrano com toda certeza chega a ser leviano. Eu, por exemplo, gostava mais de Jeudy do que de Lamb, mas por uma diferença bem pequena. No entanto, estou tendo que dar o braço a torcer até aqui por conta das atuações de Lamb.

https://twitter.com/BleacherReport/status/1312805640960577536

Enquanto Ruggs já ficou de fora por 2 semanas e Jeudy tem sofrido com lesões na posição de quarterback do Broncos, Lamb foi para o time com o grupo de wide receivers mais talentosos e mesmo assim tem brilhado intensamente nestes 5 primeiros jogos.

Primariamente um outside receiver no college, ele fez o caminho inverso de Justin Jefferson e tem atuado bastante no slot, deixando as laterais para Amari Cooper e Michael Gallup. A capacidade de Ceedee Lamb de criar separação nas suas rotas no meio do campo e de ainda conseguir jardas após a recepção é algo impressionante e ele já tem números de gente grande nessa temporada. Até a semana 5 ele já recebeu 29 passes para um total de 433 jardas aéreas, 6ª melhor marca da NFL.

https://twitter.com/overtime/status/1315410570888216577

Claro que o volume aéreo do ataque do Dallas Cowboys ajuda, mas Lamb tem feito por merecer os seus alvos e tem tirado muito proveito das suas oportunidades. Vale ficar de olho para saber se ele vai conseguir manter o mesmo nível de produção agora com a lesão de Dak Prescott, mas o começo de Lamb justifica toda a animação de Jerry Jones em seu iate no dia do Draft ao ver o wide receiver de Oklahoma sobrar até a 17ª escola do Cowboys.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.    

Compartilhe

Leave A Reply