quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Compartilhe

Aaron Rodgers foi recrutado pelo Green Bay Packers no Draft de 2005 com a 24ª escolha geral. Por três anos foi reserva da lenda Brett Favre até assumir a titularidade em 2008. Alguns grandes jogos, milagres e passes “impossíveis” depois, ele é o jogador mais bem pago da história da NFL. Diga-se, com muita justiça.

Leia textos exclusivos a cada semana sobre todos os times da NFL. Seja um assinante L32

Por muitas temporadas, o Packers mostrou deficiências em várias áreas e mesmo assim Rodgers conseguiu carregar o time e encobrir deficiências que outros quarterbacks provavelmente não seriam capazes de fazê-lo. Até esse momento da carreira, foi eleito para o Pro Bowl por seis vezes e venceu o Super Bowl XLV pela única franquia pela qual atuou na NFL.

Leia Mais: O novo contrato de Odell Beckham Jr é justo?

Leia Também: Revista Guia da NFL 2018

A renovação alcança o valor de 134 milhões de dólares em um período de 4 anos de contrato. Sendo que, deste total, 80 milhões estarão na conta do QB até o mês de março, pouco depois do fim de mais uma temporada da NFL. Para se tornar o mais bem pago da história, Rodgers precisou bater o quarterback Matt Ryan (Falcons) que assinou recentemente por 5 anos e 150 milhões, ou seja, 30 milhões por ano em média enquanto o líder do Packers receberá 33.5 milhões por ano.

É considerável o aumento anual no salário de Rodgers. Ele receberia 19.8 milhões esse ano, o que significa que esse número quase dobrou. São 103 milhões de dólares garantidos no acordo, de maneira que se ele nunca mais jogar um snap devido a uma lesão, por exemplo – bate na madeira -, esse seria o valor que receberia. Um seguro e tanto. Nos últimos meses, vimos a renovação monstruosa de contratos de quarterbacks como Derek Carr, Matthew Stafford, Jimmy Garoppolo e Joe Flacco, mostrando que até QBs questionáveis ou que tenham algo a provar ainda são muito bem pagos pela esperança que dão à sua equipe ou simplesmente porque jogadores da posição com o mínimo de condições para serem titulares na NFL são raros.

E aqui algo óbvio: quarterback é disparada a principal posição de um time de futebol americano. Agora outra coisa óbvia que na verdade é uma consequência: quarterbacks são muito mais bem pagos e mesmo os medianos e até abaixo da média recebem mais que grandes estrelas de outras posições. Você sabia que Case Keenum vai ter o mesmo salário de J.J. Watt na temporada atual? Ninguém discute que J.J. Watt é um jogador elite e Keenum não é nem perto disso, mas a posição de QB pesa demais.

Quando Ndamukong Suh acertou sua ida ao Miami Dolphins, a diferença entre valores anuais recebidos pelo QB mais bem pago naquele ano e o mais bem pago não-QB era de 14%. Hoje esse número chega aos 43% de diferença. Esse fato deixa bastante visível a importância que os times dão aos seus quarterbacks em relação a qualquer outra posição.

Apesar de ser chocante a afirmação “mais bem pago da história da NFL”, qualquer pessoa que esteja prestando atenção nas renovações dos últimos quarterbacks a assinar seus contratos percebeu que o mias bem pago da história tem sido sempre o quarterback titular que mais recentemente renovou o seu. E esse padrão deve permanecer o mesmo por um bom tempo, pois enquanto o “salary cap” continuar a subir, esses valores também irão subir. Até por isso é muito difícil afirmar hoje que um jogador está recebendo mais do que merece porque daqui a dois anos o valor estará defasado. Em segundo lugar, dificilmente um contrato desses vai engessar o time e impedir que contrate alguém que deseje, principalmente porque existem várias “engenharias” que é possível fazer nesses acordos, como jogar o dinheiro garantido pro início ou final do contrato, reajustar contratos de outros jogadores, etc. Então a não ser que você seja dono de algum time, não há motivos para reclamar dos altos salários acertados.

Seja o contrato monstruoso de Aaron Rodgers ou do próximo QB que renovar e ultrapassar esse número, todos esses acordos milionários parecem bem justos com o passar dos anos. Algumas vezes soam até mesmo bem defasados nos últimos anos de contrato. No caso específico de Rodgers, o número parece justo mesmo hoje, dia que ele assinou com o Packers, de tão especial que ele é como jogador.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

 

Compartilhe

Leave A Reply