quarta-feira, 8 de maio de 2019

Compartilhe

Após ter a pior campanha da NFL em 2018 e assegurar a primeira escolha geral do Draft, o Cardinals tomou um caminho peculiar em suas decisões entrando na temporada 2019. Como sabemos, a equipe selecionou Kyler Murray com a #1 geral e trocou Josh Rosen, o qual haviam subido no ano anterior para ser seu Quarterback. Assim, com um novo treinador, um novo QB calouro e um elenco reformulado, Arizona começa nessa temporada a fim de mudar o rumo da franquia por meio de uma formula de sucesso pouco usual.

2018 nos mostrou que grandes ataques estão em alta em relação a defesas, e que é possível ter um desempenho relativamente bom mesmo com uma defesa abaixo da média. Kliff Kingsbury chega com uma promessa de inovar no lado ofensivo da bola, trazendo seus conceitos de College e tornando o atual vencedor do Troféu Heisman no condutor desse sistema em busca do sucesso. Kyler Murray teve bastante ajuda de seu elenco em Oklahoma, algo que ele não terá em grande quantidade em seu primeiro ano em Arizona. No entanto, a promessa do Head Coach é de mascarar esses problemas de elenco com um ataque rápido e dinâmico, que se propõe a manter as defesas honestas, sem poder de reação.

Leia Mais: O Silencioso, Porém Efetivo Draft do Tennessee Titans

Leia Mais: O que esperar de Lamar Jackson em sua segunda temporada?

A ideia é utilizar de profundidade do elenco em razão da qualidade, principalmente quando se fala de recebedores. Não a toa foram 3 WRs selecionados no Draft, que quando somados a Christian Kirk, selecionado ano passado, e Fitzgerald, lendário recebedor da equipe, formarão um grupo interessante. Baseado em passes curtos, rápido e de leitura simples, Murray poderá ainda usar seus pés para gerar jardas, que deixarão as defesas com uma preocupação a mais. Somado ao fato de um sistema de jogadas rápidas, com huddle mais curto e voltando rápido para a linha de scrimmage, o cansaço será mais um fator de vantagem para a unidade. Assim, o ataque do Cardinals promete ser um dos mais empolgantes, explosivos e aguardados da temporada.

Passado essa questão, vem o maior desafio, a defesa. Como falamos no inicio do texto, é possível ter sucesso na NFL mesmo sem uma unidade defensiva de elite, no entanto, algo precisa ser feito. E ai entra a figura de Vance Joseph. Contratado por Kingsbury, Joseph definitivamente não teve uma boa passagem como HC no Denver Broncos, no entanto, foi um nome sólido como coordenador em Miami. Somado a bagagem e a experiência que obteve no Colorado, pode servir como uma espécie de mentor ou conselheiro de Kliff. Diferentemente de Steve Wilks, antigo HC e responsável pela defesa, o encaixe de Joseph com as peças de Arizona são melhores. Com uma estrela na secundaria, Patrick Peterson, e outra no pass rush, Chandler Jones, uma unidade baseada em blitzes passava longe do que a equipe realmente precisava.

Assim, após estabelecer um ataque consistente, o Cardinals terá tempo de trabalhar a sua defesa a fim de eleva-la a um nível seguro de equilíbrio entre os dois lados. Claro, como um HC de mentalidade ofensiva, é esperado um pouco de preferência de uma em detrimento da outra, mas com um trabalho estabilizado, a tendência é uma melhora natural. Após uma temporada desastrosa em que tudo pareceu que não podia piorar, o torcedor de Arizona novamente terá motivos para sorrir e ser otimista. A NFL evoluiu, os conceitos mudaram, e quem se adapta mais rápido, sai na frente em busca do sucesso. Kliff Kingsbury parece ser esse cara, e se tudo der certo, ninguém se lembrará daqui alguns anos da troca de Josh Rosen.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui

Compartilhe

Comments are closed.