terça-feira, 27 de agosto de 2019

Compartilhe

O ano de 2019 vai ficar para a história como um dos anos mais tristes para os fãs da NFL, em relação às perdas de jogadores para a aposentadoria. Rob Gronkowski e Andrew Luck são exemplos de jogadores que se aposentaram muito cedo e que ainda tinham muito impacto nos jogos de seus times e na liga como um todo.

A aposentadoria é um momento que, para muitos atletas, é o pior de toda a vida. Atletas de todos os esportes tem dificuldades de escolher o momento certo para parar de praticar a modalidade que eles chamam de profissão. Motivos diversos motivam aposentadoria de grandes estrelas: o envelhecimento e a queda no rendimento físico, questões pessoais como morte de pessoas muito próximas, a mudança das prioridades familiares e, como no caso de Luck e Gronkowski, as múltiplas lesões e as dores no corpo pela vida no esporte de contato.

Leia Mais: Relembre grandes equipes de Florida e Miami

Leia Mais: História de superação de jogador do Browns não é novidade na NFL

Veremos neste texto, histórias de aposentadorias de jogadores que eram estrelas da liga e resolveram repentinamente se aposentar, deixando uma lacuna nos corações dos fãs de futebol americano:

RB Jim Brown (29 anos)

Considerado por alguns o maior jogador de futebol americano de todos os tempos, Jim Brown é sem dúvida um ícone dos esportes americanos e, na minha opinião, o running back que melhor jogou na NFL. Brown entrou na liga e foi MVP em sua primeira temporada na liga e dominava os adversários como nunca havia acontecido. Vencedor de três prêmios de MVP, campeão da NFL em 1964, liderou a liga em jardas terrestres e selecionado para o All-Pro em 8 das 9 temporadas em que jogou na liga. Anunciou aposentadoria aos 29 anos chocando o mundo da NFL, após uma polêmica com o dono do Cleveland Browns Att Modell e a vontade de Brown em gravar o filme The Dirty Dozen.

RB Barry Sanders (31 anos)

Outro jogador da posição de running back que é constantemente listado entre os melhores de todos os tempos da posição, Barry Sanders foi a estrela solitária do Detroit Lions por toda década de 90. MVP em 1997, escolhido para os times All-Pro em todas as 10 temporadas que jogou (6 no primeiro time e 4 no segundo time) Sanders era um dos mais talentosos corredores que já se viu no campo de futebol, mas que não tinha um time a sua altura.

Mesmo com todos os problemas do time, Sanders conseguia fazer números e jogadas fenomenais ano após ano. Antes da temporada de 1999, enviou uma carta anunciando sua aposentadoria, após meses sem se comunicar com o time, visivelmente frustrado por não conseguir competir em alto nível na liga.

WR Calvin Johnson (30 anos)

O melhor wide reciever draftado no século 21, Calvin Johnson sofreu quase o mesmo que Barry Sanders, curiosamente no mesmo Detroit Lions. Johnson, jogador de velocidade e agilidade incomuns para sua altura, peso e envergadura, era um recebedor prolífico mesmo com quarterbacks instáveis. Escolhido três vezes para o primeiro time All-Pro e uma vez para o segundo time, liderou a liga em touchdowns recebidos no ano que a franquia teve 16 derrotas e nenhuma vitória na temporada, recebendo passes de quarterbacks como Dan Orlovski. É detentor do recorde de jardas recebidas em um temporada, com 1964. Se aposentou em 2015, ainda no auge e praticamente imarcável, parecendo que era uma decisão motivada por nada. Mas as lesões em 2013 e 2014 e as dores o fizeram perder a paixão por jogar, assim como Andrew Luck.

TE Rob Gronkowski (29 anos)

Ainda em 2019, levamos o baque da aposentadoria do, para mim, maior tight end que jogou na NFL. Rob Gronkowski venceu o Super Bowl com o New England Patriots pela terceira vez em fevereiro e as dores o fizeram desistir do jogo. Jogador de quase 2 metros e por volta de 120 quilos, Gronk tinha velocidade e agilidade incomuns para tight ends, onde em muitas situações, batia até mesmo wide recievers e jogadores de secundária. Com tanto talento, Gronk era parado apenas por lesões, que o fizeram cair no draft de 2010 e o perseguiram por toda sua carreira e as dores agudas, que não o deixavam nem mesmo dormir muitas vezes, foram determinantes para que sua paixão por jogar futebol americano acabasse e ele anunciasse aposentadoria. Aposentou-se aos 29 anos, tendo liderado a liga em touchdowns em 2011, escolhido 4 vezes para o All-Pro e com 79 touchdowns recebidos em sua carreira de 9 anos na liga, com 3 títulos conquistados.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.