sexta-feira, 20 de abril de 2018

Compartilhe

O final da temporada não poderia ter sido melhor para o 49ers. A franquia achou seu Quarterback em Jimmy Garoppolo, vindo de troca com o New England Patriots, e sua chegada mudou a cara e a mentalidade do time. Foram seis vitórias nos últimos sete jogos, sendo cinco consecutivas entre as semanas 13 e 17. Isso fez o time cair algumas posições no draft, mas sem sombra de dúvidas a construção de uma mentalidade vitoriosa é muito mais imporante que um pick alto.

Tudo isso faz a expectativa sobre o time da Califórnia crescer, principalmente em meio a seus fãs que já estão imaginando o modelo do sexto anel da franquia. Mas essa empolgação é justificável? O time está tão melhor assim em relação ao ano anterior para sair de uma campanha negativa direto para os playoffs? A resposta inicial é não, ou pelo menos ainda não.

O período de Free Agency adicionou algumas peças interessantes ao plantel. O primeiro grande novo nome é o antigo rival Rishard Sherman. Caso se recupere bem da lesão é uma ótima adição tando à secundária quanto ao vestiário do time. E os termos de seu contrato foram muito bons para o 49ers. O miolo da linha ofensiva também foi melhorado com a vinda do Center Weston Richburg, ex-Giants, que é uma grande evolução em relação a Daniel Kilgore, que acabou trocado com o Dolphins. Veio também para o time o RB Jerick McKinnon, jogador muito versátil e uma ótima arma no jogo aéreo e que deve cair como uma luva no ataque se Shanahan.

Ainda assim o time precisa melhorar seu plantel. Com os recentes problemas de Rouben Foster, adicionar um linebacker é imprescindível. O time também precisa muito de um Edge Rusher para sua defesa, além de melhorar a profundidade na secundária, tanto em cornerbacks quanto em safities. No lado ofensivo as coisas estão um pouco melhores. As necessidades seriam guards (isso mesmo, no plural) e melhorar as armas para Garoppolo. Como as maiores carências estão na defesa, deve ser nesse lado da bola que o 49ers deve usar sua escolha de primeira rodada. Seguem três opções que teriam um impacto imediato no time:

1 – Harald Landry, Defensive End de Boston

A posição de Edge Rusher é a mais valiosa da defesa e este ano a classe está bem fraca. A diferença de talento entre os prospectos de primeira rodada como Landry e Chubb para o restante é gigante. Além de que é muito mais difícil encontrar um bom talento nesta posição (seja em free agency ou draft) do que para as outras necessidades do time. Levando isso em conta e somado o valor posicional faria sentido esta escolha. Landry teve um 2016 espetacular e caso não tivesse sido prejudicado por lesões em 2017, poderia estar a frente de Chubb neste draft. É um jogador explosivo, capaz de ganhar na velocidade do offensive tackle e fazer a rotação pelo seu lado exterior com maestria. Teve também um ótimo combine, com destaque para seu tempo de 6,88 segundos no 3 cone drill. Quer outros exemplos de jogadores com menos de 7 segundos nesse exercício? Von Miller, Joe Bosa, Melvin Ingram e Vic Beasley. E uma linha defensiva com DeForest Buckner, Arik Armstead, Solomon Thomas e Hareld Landy encheria os olhos do torcedor do Niners.

2 – Roquan Smith, Linebacker de Georgia

Essa escolha é facilmente justificável dada toda a situação de Rouben Foster, que dificilmente deve voltar ao time. O time precisa de um líder na defesa e Roquan Smith seria perfeito para assumir a posição. É o linebacker mais pronto da classe, um jogador com muita inteligencia de jogo e um instinto espetacular. Há quem diga que lhe falta tamanho, mas ele compensa esse problema com sua velocidade e atleticismo, ambos surpreendentes. Ele consegue cobrir o campo de lado a lado, é ótimo defendendo contra o jogo corrido e demonstra também bom talento em cobertura contra passes. Além de suas habilidades como jogador, seu técnico de Georgia elogia muito a capacidade de liderança demonstrada por Smith. Sem dúvidas, cairia como uma luva na defesa do 49ers.

3 – Minkah Fitzpatrick, Safety de Alabama

Talvez o defensor mais talentoso desta classe, independente da posição. Minkah Fitzpatrick é um verdadeiro coringa, sendo capaz de jogar em alto nível em diversas posições na secundária. Sua versatilidade o permite jogar como nickel cobrindo slots receivers, marcar tight ends em uma man coverage, ir atrás do quarterback em blitzes e ser um free safety no meio da secundária, além de funcionar também como strong safety. Ele possui um ótimo jogo de pés com e consegue se movimentar muito bem em campo e com muita velocidade, combinado com uma visão de jogo que o torna um playmaker perigoso. Sem dúvidas um jogador como Fitzpatrick melhoria qualquer secundária na NFL, e a do 49ers não é uma exceção.

Vejo como a melhor escolha para o time ir no valor posicional e conseguir um Edge Rusher confiável em Harald Landry, formando uma linha defensiva atlética e com bastante talento. Além de que com mais pressão ao QB adversário, mais passes apressados sairão da linha de scrimmage, o que facilita o trabalho da secundária. E como falado, safeties e linebackers bons e que podem se encaixar no esquema da defesa são mais fáceis de encontrar em rodadas mais avançadas no draft. Já bons Defensive Ends são raros no segundo e terceiro dia, mesmo que a classe da posição seja boa (o que essa definitivamente não é).


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Leave A Reply