quarta-feira, 1 de março de 2017

Compartilhe

shuttle run

O “NFL Scouting Combine” teve seu início oficial hoje. O evento dura até a próxima segunda-feira e reúne os jogadores universitários que estão a um passo de serem escolhidos por uma franquia da liga de futebol americano mais desejada do planeta. Durante a semana, os atletas convidados pela NFL realizarão diversos “drills” (pequenos exercícios) com o objetivo de medir velocidade, força, alcance e agilidade. Os técnicos e assistentes dos 32 times da NFL avaliam jogador por jogador em suas apresentações. O Combine é a última chance que dos jogadores universitários possuem para impressionar alguma equipe e mostrarem que estão preparados para serem profissionais. Será que ter uma atuação ótima no Combine é significado de sucesso absoluto na NFL? Um Combine ruim quer dizer que o jogador não tem condições de jogar profissionalmente? Logo abaixo vamos dar alguns exemplos e responder essas perguntas:

ÓTIMO NO COMBINE E ÓTIMO NA NFL

Chris Johnson – Running Back

chris-johnson-cardinals

Antes do Combine de 2008, Chris Johnson estava cotado para ser escolhido na segunda ou terceira rodada do Draft e as franquias da NFL tinham interesse em utilizá-lo como RB2, não mais que isso. Porém, sua apresentação na semana de exercícios surpreendeu todo mundo e mudou o que pensavam sobre ele. O jogador de East Carolina alcançou 35 polegadas no pulo vertical – uma boa marca para uma pessoa de 1,80 de altura – e no salto em distância chegou a 3,3 metros – 3 metros é considerado um bom resultado. Porém, o que realmente impressionou o mundo do futebol americano foi o seu tempo no 40-yard dash: Johnson estabeleceu um novo recorde de 4,24 segundos – até hoje reina como o jogador mais rápido do evento. Seu desempenho fez o Tennessee Titans escolhê-lo logo na primeira rodada do Draft de 2008, na 24ª escolha geral.

Na NFL, o RB continuou fazendo barulho. Em sua primeira temporada ajudou a equipe no título da AFC South e terminou em segundo lugar na votação do prêmio de “Offensive Rookie of the Year”. Porém, em 2009 foi escolhido o “Offensive Player of the Year” depois de uma temporada para ninguém botar defeito: foram 2.006 jardas terrestres – apenas outros 6 jogadores conseguiram passar da marca de 2.000 jardas terrestres na história -, 16 TDs e um recorde absoluto da NFL em jardas de scrimmage (jardas terrestres + jardas recebidas), com 2.509. Além disso, ele passou das 1.000 jardas corridas em todas as suas 6 temporadas em Tennessee, com média de 4,7 jardas por carregada. Em 2014 se transferiu para o New York Jets e ano passado o Arizona Cardinals resolveu apostar no atleta, que não decepcionou enquanto esteve saudável. Um atleta que tem os números e recordes de Johnson não tem como não ser considerado um sucesso.

Mario Williams – Defensive End

MarioWilliamsCombine

Por ter jogado em uma universidade mediana, Mario Williams estava sendo colocado como uma escolha de fim da primeira rodada, mas isso foi antes de seus números no Combine. No evento de 2006, o DE foi uma aberração atlética: correu o 40-yard dash em 4,66 segundos – uma marca excelente para um jogador de defesa que pesava 133 kg e media 2,01 -,  fez 35 repetições no supino de 102 kg e chegou à 40,5 polegadas no salto vertical.

O Houston Texans não teve outra opção e, com a primeira escolha geral do Draft de 2006, selecionou Mario Williams, da universidade de North Carolina State. Sua carreira na NFL pode ser definida em uma palavra: regularidade. Em suas temporadas na liga, conseguiu 96 sacks (média de 9,6 por ano), foi para o Pro Bowl 4 vezes e foi escolhido uma vez para o All-Pro Team (a “seleção” da NFL).

ÓTIMO NO COMBINE, NEM TANTO NA NFL

Darrius Heyward-Bey – Wide Receiver

heyward-bay-combine

O atleta era projetado como escolha de segunda rodada, mas impressionou o mundo do futebol americano com o seu tempo de 4,30 segundos no 40-yard dash em 2009. Seu salto vertical de 38,5 provou que ele tinha um bom alcance e o seu tempo de 6,80 segundos no three-cone drill serviu para posicioná-lo como um dos WRs mais ágeis da classe. Mesmo sendo questionado sobre sua força e habilidade para correr rotas, o Oakland Raiders resolveu arriscar e escolheu Heyward-Bay na 7° posição geral do Draft de 2009.

A equipe pensou que tinha encontrado um jogador para ser o WR1 da equipe, mas com o tempo foi provado o contrário. Em sete temporadas na NFL ele anotou apenas só 14 touchdowns – só em 2015, três jogadores receberam para 14 TDs – e nunca conseguiu passar das 1.000 jardas recebidas. Para um jogador que saiu entre as dez primeiras escolhas no Draft, estatísticas como essas são consideradas pífias. Se o time o Raiders pudesse voltar no tempo, provavelmente a escolha não seria a mesma. O atleta ficou 4 anos em Oakland, se transferiu em 2013 para o Indianapolis Colts e atualmente está no Pittsburgh Steelers, onde mal entrou em campo na temporada de 2014 e até ganhou algumas oportunidades como WR3 em 2015 e 2016. Darrius Heyward-Bay é uma prova de sucesso no Combine e figuração na NFL.

MÁ ATUAÇÃO NO COMBINE E SUCESSO NA NFL

Anquan Boldin – Wide Receiver

anquan-boldin

Antes do Combine de 2003, o jogador de 1,85 de altura tinha boas chances de ser escolhido ainda na primeira rodada do Draft, mas seus resultados no evento fizeram as equipes da NFL ficarem com um pé atrás antes de escolhê-lo. O tempo de 4,70 segundos no 40-yard dash foi o mais lento entre os jogadores da posição, o seu salto vertical (importante para os WRs) foi de 33,5 polegadas – a partir de 35 polegadas é considerado um bom resultado – e seu tempo de 7,35 segundos no three-cone drill mostrou que Anquan Boldin não era dos mais ágeis. O Arizona Cardinals resolveu acreditar na altura e força do atleta e o selecionou na segunda rodada do Draft de 2003. Em sua temporada de calouro na NFL teve 101 recepções, 1.377 jardas recebidas, 8 TDs e foi escolhido o “Offensive Rookie of the Year”.

Durante a sua vida na NFL foi vice-campeão do Super Bowl XLIII com o Arizona Cardinals em 2008 e em 2012 foi campeão do Super Bowl XLVII com o Baltimore Ravens, com direito a 104 jardas recebidas e um TD na grande final. O WR atualmente jogou a última temporada pelo Detroit Lions e tem 13.779 jardas recebidas (17ª melhor marca da história) em 1.076 recepções (12ª melhor marca da história) na carreira. Seus números dentro de campo o colocam ao lado de grandes astros que atualmente estão no Hall da Fama do esporte ou estão prestes a entrar. Se o jogador de 35 anos merece ou não entrar para a galeria dos imortais da NFL é outra discussão, mas o que pode ser afirmado, sem sombra de dúvidas, é que Anquan Boldin pode olhar para a sua carreira e ter certeza que teve sucesso.

Tom Brady – Quarterback

Tom-Brady-shirtless-02-15-15

Sem sombra de dúvidas esse é caso mais famoso de um jogador que foi muito mal no Combine e se deu bem na NFL. O QB da universidade de Michigan não era muito badalado e chegou para o Combine com o objetivo de melhorar as suas chances no Draft. No 40-yard dash fez o tempo de 5,28 segundos, o que até hoje é um dos piores tempos para um QB. Porém, o teste de velocidade não era lá muito importante para a posição de Brady, o que realmente importava para os treinadores presentes era a movimentação em campo, a força no braço e a precisão dos passes. Depois de todos os treinos do Combine, Tom Brady tinha a seguinte classificação: “Muito magro, não tem força física, não tem mobilidade para sair do pocket, não tem braço forte e não consegue lançar “tight spiral” (movimento da bola em espiral) com frequência”. O garoto de 23 anos foi detonado e dificilmente alguma equipe iria gastar uma escolha com ele.

O New England Patriots resolveu apostar e selecionou o jogador na 6ª rodada do Draft de 2000. O resto é história. Tom Brady foi escolhido para o Pro Bowl 12 vezes, foi  para o All-Pro Team em 2 oportunidades, ganhou 5 Super Bowls, foi eleito o MVP da NFL duas vezes, possui a maioria dos recordes em playoffs e é considerado um dos melhores QBs de todos os tempos. O caso de Brady serve para mostrar que mesmo os jogadores que não conseguem se destacar no Combine podem ter sucesso na NFL. Se você olhar para o QB do Patriots hoje, é difícil acreditar que ele foi apontado como um atleta limitado e quase foi desprezado por todas as 32 equipes.

Compartilhe

Leave A Reply