quinta-feira, 11 de julho de 2019

Compartilhe

Há 13 dias do início do Training Camp, o RB Melvin Gordon, do Los Angeles Chargers, decidiu que não irá se apresentar para as atividades caso não ganhe um novo contrato por parte da franquia. Ainda segundo o repórter da ESPN Americana, Adam Schefter, o agente do atleta confirmou que Gordon pode pedir para ser trocado caso a equipe não chegue ao acordo pretendido pelo jogador. Entrando em seu último ano no contrato de calouro, o RB irá receber cerca de US$ 5,6M em 2019. Aos 26 anos, Gordon foi selecionado com a 15ª escolha do draft em 2015, após uma carreira de muito sucesso e recordes na universidade de Wisconsin.

Representante da mesma classe de RBs que o rival local Todd Gurley, do Los Angeles Rams, Gordon tem uma breve carreira na NFL marcada por lesões, jejuns de touchdowns e uma ascensão gigantesca ao posto de um dos corredores mais produtivos e talentosos da liga. Em seu primeiro ano como profissional, o jogador atuou em 14 jogos da temporada e foi titular em 12 deles, superando a marca de 800 jardas totais. Os números modestos foram ainda mais prejudicados pelos seis fumbles e pela seca de TDs do jogador que não conseguiu visitar a endzone em seu ano de calouro. Como comparação, Gurley terminou a sua 1ª temporada na liga com 1.006 jardas corridas e 10 TDs.

Leia Mais: De olho nos segundanistas: Josh Rosen

Leia Também: Calouros que causarão maior impacto em 2019 – Wide Receivers

Em 2016, o jogador voltou a sofrer com lesões que o deixaram de fora três jogos da temporada regular, mas começou a mostrar uma evolução importante em seu desempenho. Em 13 jogos disputados, Gordon anotou 10 TDs, somou mais de 1400 jardas totais e viu o seu número de fumbles cair para apenas dois ao longo do ano. A melhor temporada de Gordon, porém, aconteceria em 2017. Ao superar pela 1ª vez na carreira a marca de 1000 jardas terrestres, o jogador carregou a bola em 284 oportunidades, anotou 8 Tds e atuou em todos os 16 jogos da temporada regular, superando os problemas físicos dos anos anteriores.

O 4ª  ano de contrato do RB acabou sendo menos produtivo do que o esperado por conta de novas lesões que o tiraram de combate em quatro jogos da temporada regular. Apesar disso, Gordon alcançou a melhor média de jardas após o contato da carreira (5.1) e terminou em 2018 com 14 TDs, melhor marca como profissional, voltando a tempo de atuar nos playoffs.  Com um total de 3.883 jardas terrestres e 40 TDs totais entre recepções e corridas em quatro anos, ele se consolidou como um RB completo e segue dando sinais claros de evolução a cada temporada; Desde 2016, Gordon é o 2º da NFL em TDs corridos anotados (28) e soma 38 touchdowns totais, também a 2ª melhor marca da liga nos últimos três anos.

QUAIS SERÃO OS PRÓXIMOS CAPÍTULOS?

Apesar da forte decisão de Gordon em exigir um novo contrato ou optar por uma troca, essa não foi a primeira oportunidade em que o jogador expressou publicamente a intenção de negociar o seu novo contrato antes da temporada 2019-2020. No início deste ano, o agora camisa 25 do Chargers afirmou que estava esperando pelo acordo de Le’Veon Bell para guiar a sua pedida, mas depois decidiu partir para as conversas sem esperar pela decisão do ex-RB do Steelers, que acabou assinando com o Jets há alguns meses. Em entrevistas, quando questionado sobre o assunto, Gordon sempre se comparou com outros jovens e importantes RBs da NFL, entre eles Todd Gurley e David Johnson, do Arizona Cardinals. A dupla, que já atua com um novo contrato negociado, irá ganhar entre US$ 13 e 15m por temporada, assim como Bell.

Versátil, completo e próximo de alcançar o seu auge como atleta, Gordon é uma peça fundamental para o ataque do Chargers, comandado pelo veterano Philip Rivers. Além de ter se consolidado como um RB que pode atuar em todas as descidas e que também produz entre os tackles, Gordon possui uma qualidade para receber bolas que é fundamental para o estilo de jogo dos corredores mais jovens. Não contar com o camisa 25 no seu ataque titular seria um verdadeiro pesadelo para o técnico Anthony Lynn, que não possui no elenco um atleta das mesmas características do RB.

Nenhuma decisão ou princípio de negociação foi oficializada pela franquia até o momento, mas a expectativa é que as duas partes cheguem a um acordo. A grande duvida fica por conta da rapidez para a finalização do novo contrato, já que perder Gordon no início da nova temporada pode significar problemas para os planos de vencer um Super Bowl com Rivers no comando. Com essa janela quase próxima do fim, o Chargers sabe que precisa contar com o que tem de melhor em campo e Gordon faz parte desse plano.

Se a franquia acreditar que o jogador merece números próximos ao de Gurley, Johnson e Bell, a negociação pode ser concluída antes do esperado. Pensando pelo lado esportivo, um ano longe do esporte seria muito ruim para Gordon e o seu futuro contrato, mas a decisão de Bell em 2018 já mostrou que os jogadores estão cada dia mais indepententes em suas decisões. É esperar para ver o que acontecerá nos próximos capítulos dessa novela.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.