segunda-feira, 20 de março de 2017

Compartilhe

Para uma pequena parte dos prospectos que se inscrevem no recrutamento anual universitário da NFL, o Draft, este período significa a epopeia de uma preparação que levou anos. Deste que estavam no colegial os atletas sonhavam com com esta tempo: ser algum dos poucos sortudos dos mais variados cantos dos EUA que foram chamados pelo comissario geral da NFL e tiveram suas vidas mudadas, afinal, a partir daquele momento eles se tornariam atletas profissionais, o que significa uma remuneração que condiz com tal status. Jogadores recrutados na primeira rodada ganharão seus primeiros milhões em poucas horas, enquanto diversos outros atletas inundarão a Liga em talento e juventude para os anos que seguirão. Mas, em anos que 10 mil jogadores estão aptos a serem selecionados, e cerca de 250 de fato são , a imensa maioria acaba por ficar na espera do chamado que nunca acontece, e precisam buscar outra maneira de entrar na liga, como undrafted free agents.

Todo o processo é oneroso para os atletas, que vivenciam todo tipo de emoção durante todos os tipos de testes físicos e psicológicos de todas as 32 franquias, na esperança de descobrir todo tipo de informação possível daquele atleta prestes a assinar um contrato profissional (muitas vezes multimilionário). A mídia muitas vezes acaba cobrindo todo o desempenho daqueles atletas considerados de elite, que combinam talento físico e inteligência para o jogo, compilando uma grande carreira universitária que gera uma tremenda expectativa sobre o que fará a nível profissional na NFL. Dos QBs que mudaram o patamar de um programa, passando por WRs com mais de 1500 jardas em apenas 12 jogos e chegando a Defensive Ends que compilaram mais de 20 tackles para a perda de jardas, há um desejo de todos em saber como é este processo único para aqueles atletas que rapidamente terão seus nomes anunciados pelo comissário geral.

Mas o que acontece durante todo o processo do Draft para um atleta que fica na espera deste chamado? O TE Philip Lutzenkirchen, um prospecto do Draft de 2014 simplesmente quebrou o recorde de TDs na história do tradicional time de Auburn Tigers, mas algumas lesões afastaram o interesse dos times para si. O relato abaixo foi feito pelo próprio atleta, que conta um pouco do que acontece durante todo este processo. Lutzenkirchen teve que esperar todo o Draft para ser contradado como free agent pelo então Saint Louis Rams e não lhe foi permitido ter uma carreira na NFL,  pois acabou voltando aos noticiários em 29 de Junho de 2014, quando faleceu após um acidente de carro em que ele e seu amigo, também estudante em Auburn, em que ambos estavam embriagados.

As diferenças são claras entre o Combine da NFL em Indianapolis, ou como nós jogadores chamados, o ‘mercado da carne’. Para os melhores prospectos, é tempo de se encontraram com os GMs e HCs de todos os times da liga, mas para nós, a grande maioria, é o tempo de provar a si mesmo.

Fora dos testes físicos que acontecem no campo, o Combine também dá aos times a chance de conhecer todo o seu histórico médico. Eles de alguma forma dão um jeito de saber tudo o que de errado há com seu corpo. Como você machucou seu pulso? Porque seu quadril está desalinhado? Como você quebrou seu dente na quarta série? (eles realmente fizeram estas perguntas para mim). Ir para o Combine com uma recente cirurgia para reparar uma lesão no quadril não foi realmente minha melhor decisão. Eu não ajudei minha causa no pique de 40 jardas (o que pensei que faria) e dei aos times a chance de revisar o porquê disto ter acontecido.

Doutor: “Machuca quando faço este movimento com os braços em seu quadril?”

Eu: “Não senhor! Este som de ossos estralando é normal, e realmente me faz sentir que minhas pernas estão boas. Por favor, pode fazer novamente?”

Acho que passei seis horas seguidas na máquina de raio-X, então acho que tenho algum recorde do Combine apesar de tudo.

Quando você está se reabilitando de uma grave cirurgia, não há muitos times que pedem workouts privados ou encontros com prospectos. Afinal, jogadores machucados = potencial risco. Eu não os culpo, afinal, o que estão fazendo é nada menos que investimentos multimilionários em jovens atletas.

A semana do Draft é mais do mesmo para quase todos os jogadores. É uma semana muito longa, que demora para passar para os jogadores considerados prospectos de rounds intermediários (4 a 7) ou free agents prioritários. Mas, não importa o quanto digam que você não é  um prospecto de primeira rodada, por alguma razão você suspira em esperança de ter seu nome chamado rapidamente na Quinta-Feira (dia da primeira rodada do Draft), provavelmente é nosso lado de criança exalando, afinal, é o sonho de praticamente todo garoto.

Após minha terceira temporada em Auburn, eu era considerado um prospecto de rounds finais. Então eu decidi voltar para a última temporada e conseguir o meu diploma. Infelizmente, o grande final que planejei para minha carreira universitária ficou longe de acontecer, pois o time ficou 3-9 e eu lesionei meu quadril nas primeiras semanas. Fui de um prospecto intermediário à grande risco de desperdiçar uma escolha em apenas alguns jogos.

No Draft, fiquei colado na TV por toda a noite de Quinta e toda a tarde da Sexta, na esperança que algum time seja maluco o suficente para escolher o TE lento com problema crônico no quadril nas primeiras 3 rodadas. O que não aconteceu.

Quarta rodada: Nada

Quinta rodada: Nada

 

O que muita gente simplesmente esquece é que, o terceiro dia do Draft dura mais de oito horas! Era agonizante esperar alguém me selecionar. Também era frustrante ver jogadores da mesma posição que você serem selecionados, jogadores que você jogou contra e venceu. Jogador que atuaram em conferências inferiores, porém tiverem melhores números e acabaram selecionados na minha frente.

[…]

Então, quando o Draft termina, estou desapontado, com raiva e muito contrariado. Não há nenhum sentimento pior que organizar uma festa no dia do Draft, não importa o tamanho, e não ser recrutado. Você se sente como um idiota. Mas então seu telefone começa a tocar. é hora de free agency. Códigos de área que você nunca viu na vida ligando repetidas vezes e vezes, tentando fechar um contrato com você. HCs de todos os times da NFL ligando a ponto de travar seu telefone, e isto realmente enche o espírito de esperança.

Quando você assina o contrato? Cara, não há melhor sensação do que esta no mundo! Você sai de um estado que está com raiva para uma completa alegria e felicidade. Passei de querer brigar com alguém a chorar copiosamente em questão de segundos. Toda a dor que você sentiu no processo finalmente resultou em algo positivo, algo que você sempre sonhou que iria acontecer. Família e amigos se solidarizando com você e chorando junto. É um grande momento para todo mundo envolvido.

Uma das coisas mais legais no processo é ver meus antigos companheiros de time, como o DE Corey Lemonier (selecionado na terceira rodada pelo San Francisco 49ers), encontrarem novos times. Você acaba se sentindo feliz por eles, após compartilharem o mesmo sonho por diversos anos. […]

Mesmo que minha carreira não tenha tido o rumo que planejei, nunca esquecerei a experiência que vivi no Draft, e é algo que serei grato por isso. […]

 

O Draft de 2017 ocorrerá entre os dias 27 e 29 de Abril, na Philadelphia. Será a noite onde vidas serão mudadas e franquias terão a tão necessária injeção de talento e juventude em seus elencos para as temporadas que seguirão. Tudo isso num evento em que há um verdadeiro mix de emoções entre todos os candidatos à próxima estrela da NFL e capa do Madden, o jogo oficial da franquia. Tais emoções serão sentidas por alguns poucos sortudos que vivenciam todo o processo de recrutamento (o que muitas vezes demora anos).

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.