terça-feira, 14 de maio de 2019

Compartilhe

Uma das maiores marcas da NFL enquanto Liga é o equilíbrio. Há várias estruturas importantes que são feitas para tentar fazer com que quem é bom hoje tenha mais dificuldade em ser bom para sempre, assim como para facilitar que quem foi mal em um ano tenha melhores oportunidades para se reerguer o mais rápido possível. O teto salarial, o draft e a montagem do calendário são bons exemplos destas engrenagens. E é inegável que isso funciona muito bem: em 15 das 18 temporadas já jogadas neste século – com exceções apenas em 2002, 2014 e 2016 – pelo menos um dos campeões de divisão havia finalizado a mesma na última posição no ano anterior. Em 2017 isso aconteceu justamente com o Philadelphia Eagles, que viria a ser o grande campeão do Super Bowl. Ano passado tivemos dois casos: Houston Texans e Chicago Bears.

Entre os oito times que foram lanterninhas das suas divisões no ano passado, alguns deles têm motivos para sonhar com uma reviravolta em 2019. O suficiente para vencerem suas divisões? No texto de hoje vamos elencar as equipes que, na opinião deste autor, têm mais chances de sair de quarto para primeiro na classificação (ou pelo menos chegar perto disso).

Leia Mais: Jameis Winston é o futuro do Tampa Bay Buccaneers?

Leia Também: o Jaguars acertou em contratar Nick Foles

#8 – Cincinnati Bengals: após trocar de técnico, o Bengals está a beira de uma reformulação geral do elenco, só falta admitirem isso para eles mesmos. A defesa já passa por algumas mudanças grandes, e vamos ver quanto tempo durará o casamento forçado entre o novo HC Zac Taylor e o QB Andy Dalton. Em uma divisão com o ascendente Browns e os sempre competitivos Ravens e Steelers, as chances em Cincinnati não devem ser das maiores.

#7 – Tampa Bay Buccaneers: a essa altura de sua carreira, é bem justo questionar se Jameis Winston ainda tem jeito. Vendo o copo meio cheio: se há alguém capaz de fazer isso, esse alguém é Bruce Arians. Não só pela personalidade do veterano, mas por seu estilo de jogo favorito casar bem com as habilidades de Winston. Já o copo meio vazio parece bem vazio. As atitudes recentes do QB não indicam uma mudança de comportamento. Em um time com tantos buracos na defesa e em uma divisão também muito forte, ou Winston se vira, ou em breve Tampa também olhará outro QB nos próximos drafts.

#6 – Detroit Lions: Bob Quinn e Matt Patricia, dois ex-Patriots, seguem adicionando outros ex-New England ao plantel do Lions. Eu não desgosto do time do Lions, acho que pode ser competitivo ao longo do ano, mas falta poder de fogo no ataque. Considero Marvin Jones e Kenny Golladay uma dupla bem subestimada (e ainda tem TJ Hockenson agora), mas para enfrentar as fortes defesas de Bears e Vikings, além do Packers de Aaron Rodgers, é preciso de peças não apenas boas, mas de elite.

#5 – New York Giants: o Giants caminha a passos largos para ser a franquia mais disfuncional da NFL (se já não chegou lá), e só não está ainda mais baixo nessa lista porque a NFC Leste, ao meu ver, não está como um todo no mesmo patamar que as outras divisões já citadas. Neste momento, a versão 2019 do Giants parece ainda pior que a 2018. A esperança é que, de alguma maneira, Eli Manning consiga voltar ao nível de alguns anos atrás. Sem Odell Beckham e com uma OL de qualidade duvidosa (sem falar nos problemas do próprio Eli), isso não parece muito provável.

#4 – New York Jets: A adição de Le’Veon Bell (considerando que a inatividade mais preservou seu físico do que o deixou enferrujado) deve melhorar demais o ataque do Jets, tanto pelo chão quanto pelo ar, sem falar nas opções que ele abre para outros jogadores pela preocupação que ele impõe às defesas adversárias. A defesa também deve dar um salto com Quinnen Williams e C.J. Mosley. Não é difícil projetar o Jets a frente de Bills e Dolphins. Pra superar o Patriots, aí já é outra história.

#3 – Arizona Cardinals: eu tenho uma boa dose de otimismo da dupla Kyler Murray e Kliff Kingsbury, principalmente no talento do primeiro. Há uma chande de naufrágio, claro, mas o teto dessa parceria também é muito alto. E não apenas Murray, mas o draft do Cardinals como um todo foi bem interessante, com várias escolhas que podem ser consideradas como steals. Após um 2018 completamente perdido, a franquia parece ter encontrado um rumo. Só saberemos se esse rumo é o certo quando o time entrar em campo, e a divisão é bem forte para um sucesso imediato, mas eu gosto do caminho que eles estão tomando.

#2 – Oakland Raiders: disparado a offseason mais interessante de 2019, pelo menos no quesito entretenimento. O time melhorou em todos os setores para a próxima temporada, de Antonio Brown a Vontaze Burfict, de Josh Jacobs a Johnatahn Abram. E ainda com Jon Gruden nas sidelines. Enfim, nitroglicerina pura. Assim como Arizona, vejo esse time com um piso baixíssimo e um teto muito alto. Favorito a divisão? Não mesmo. Mas o Chargers nunca foi exatamente um time estável, e Patrick Mahomes pode ter uma regressão a média sem Kareem Hunt e (provavelmente) Tyreek Hill no time, que já tem uma defesa bem questionável. É muita coisa que teria que acontecer ao mesmo tempo, sem dúvida, mas também nada ali é impossível.

#1 – Jacksonville Jaguars: é difícil prever o Jaguars. O time tem alguns buracos e ainda perdeu Telvin Smith repentinamente para o ano. Mas, dentre os times citados, é o que menos precisaria de “anomalias” para vencer sua divisão. Deshaun Watson e Andrew Luck não devem ter ficado nada felizes com Josh Allen caindo até a escolha #7 do draft, e Jawaan Taylor na segunda rodada foi um enorme steal. Além, claro, do senhor upgrade que é Nick Foles no lugar de Blake Bortles. Não vejo Jacksonville como favorito, mas a distância deles para Colts e Texans não é das maiores.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.