segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Compartilhe

Se tratando de NFL parece sempre redundante e repetitivo falar, mas tivemos mais uma semana espetacular de jogos e a temporada 2019 vai ganhando forma, engrenando e expondo seus protagonistas. Vamos então dar ênfase aos principais acontecimentos da rodada, com seus destaques e decepções, excetuando o jogo do Monday Night Football, que acontece hoje, com o duelo entre Washington Redskins e Chicago Bears.

Daniel Jones estreia e o Giants consegue uma virada incrível

Talvez o mundo da NFL e seus fãs aguardassem ansiosamente a estreia de Daniel Jones com veneno pronto para ser lançado e uma metralhadora de críticas empunhadas, ansiando para soltar os primeiros “eu avisei” ou “era óbvio que não daria certo”, com as primeiras falhas. O jogo se iniciou complicado, erros aconteceram e oportunidades foram desperdiçadas, mas não dá para pedir muito mais e achar pouco os 32 pontos anotados fora de casa, contra uma defesa de Todd Bowles e uma incrível vitória conquistada no início de sua era como sucessor de Eli Manning.

Leia Mais: Revista Guia da NFL 2019

Leia Também: Rastreando Draftados – D.K. Metcalf fazendo a diferença para o Seahakws

Após ir para o intervalo perdendo por 28 a 10, Jones comandou a virada da equipe de Nova York no segundo tempo, conseguindo o placar de 22 a 3, graças também ao melhor nível desempenhado por sua defesa, que no geral, ainda vem deixando muito a desejar. Outro fator que não dá para ser ignorado é a inconsistência de Jameis Winston, que não consegue, aparentemente, jogar uma partida completa em alto nível, prosseguindo com sua oscilação e fazendo um segundo tempo muito ruim e aquém do ótimo nível apresentado no início do jogo, onde finalmente conseguiu estabelecer a conexão com Mike Evans na temporada.

Alheio aos problemas do Bucs, Daniel Jones se tornou o primeiro quarterback do New York Giants, desde Charlie Conerly, no longínquo ano de 1948, a ter dois TDs de passe e dois TDs corridos em uma única partida, o que só reforça e torna sua estreia histórica.

Dessa maneira, começa muito bem o casamento de Pat Shurmur e Jones, com um esquema que permite ao quarterback prosperar, com distribuição rápida e passes prioritariamente curtos, receita que o fez ter sucesso jogando por Duke, no College. Além disso, foi muito bom ver o excelente e inesperado sucesso do calouro em lançamentos para zonas intermediárias do campo, por trás dos linebackers, algo incrementado ao seu jogo e que mostra evolução no jogador. A boa conexão com seus principais alvos, Evan Engram e Sterling Shepard foi fundamental e continuará sendo, principalmente após a lesão de Saquon Barkley, que deverá perder tempo significativo na temporada, algo preocupante para o futuro imediato e que só engrandece o trabalho e a vitória conquistada contra o Buccaneers.

Chiefs se impõe e o talento de Mahomes prevalece

Naquele que era o duelo mais esperado da rodada, entre Baltimore Ravens e Kansas City Chiefs, ficou nítido que os times estão em estágios atuais diferentes, sobretudo no que diz respeito aos ataques. Por mais que a defesa do Ravens tenha segurado o ímpeto inicial do Chiefs e conseguido abrir vantagem, não durou muito essa dominação, com o prolifico ataque de Kansas City, sob o comando de Patrick Mahomes, logo tomando conta da partida e produzindo como o habitual, apesar das ausências de Tyreek Hill e Damien Wlliams. Enquanto conseguiu ser efetivo na defesa, o ataque do Ravens não aproveitou para pontuar e isso é mortal quando se enfrenta a equipe de Andy Reid fora de casa.

A verdade é que por mais que o placar tenha sido apertado, o jogo jamais esteve realmente ameaçado ou saiu do controle do Chiefs, que soube administrar bem sua vantagem no final. Após o início animador de temporada, para o Ravens fica claro que ainda há um caminho a ser percorrido em busca dos melhores ajustes para sua renovada defesa, assim como para seu jovem ataque, que estabeleceu muito bem o jogo terrestre com Mark Ingam e Lamar Jackson, mas não obteve o mesmo êxito das rodadas inicias no jogo aéreo. Com o devido respeito, as vitórias contra Dolphins e Cardinals não são e servem de parâmetros, fato que ficou evidente ontem, contra um adversário bem mais forte.

Já Patrick Mahomes segue inabalável com sua insana produção, desafiando a todos e inclusive a mim, que também duvidei de que o desempenho e números da temporada passada pudessem ser repetidos. Mais do que isso, o jovem quarterback vem mostrando que pode inclusive melhorá-los, não sendo mais prudente duvidar do jogador e de seu incrível talento, que até o momento não dá o menor sinal de uma regressão ou queda de nível de desempenho.

Deshaun Watson em alto nível!

Deshaun Watson teve mais uma boa atuação, dessa vez contra o Chargers.

Pouco tem se falado, mas o início de temporada de Deshaun Watson é excelente, ainda mais levando em consideração que o nível de sua linha ofensiva não progrediu muito e continua sendo problemática. O quarterback precisou soltar o braço ontem na vitória sobre o Chargers fora de casa e foi fundamental para o resultado, já que o jogo terrestre da equipe mais uma vez não encaixou. Conseguiu trabalhar e acionar bem não apenas os três principais recebedores, mas também seus tight ends, que foram o ponto de desequilíbrio do jogo e é algo que sempre foi uma questão também problemática para Houston nos últimos anos. Não fosse o chutaço de Will Lutz no apagar das luzes na semana 1, o Texans já estaria com campanha 3-0 a essa altura.

O Chargers mais uma vez deixou muito a desejar e teve um desempenho muito ruim após o intervalo, algo que vem sendo constante nesse início de 2019, pois o time anotou apenas 10 pontos nos segundos tempos das três primeiras partidas, somente 3 nas duas últimas, cedendo a virada a seus adversários. Embora continue o seu calvário de ter que lidar com lesões de jogadores importantes, o desempenho da equipe é decepcionante e começa a preocupar para uma possível classificação de playoffs, diante do cenário que vai se desenhando de uma AFC bem aberta, quanto as disputas pelo Wild Card.

Defesa do Packers é um bicho diferente em 2019

Já tem se tornado até repetitivo falar da unidade defensiva do time de Green Bay nesse início de temporada, contudo, o alto nível de atuação, produção e performance segue impressionando, já começando a se estabelecer como uma das defesas mais dominantes e que deve seguir causando muitos estragos durante o ano de 2019. O que mais chama a atenção é a capacidade de roubar a bola do adversário, com o time liderando a NFL no quesito, com impressionantes 8 takeaways até aqui.

Enquanto o ataque ainda segue devendo e oscilando muito durante os jogos, a defesa é quem está carregando esse Packers e mantendo o time com campanha invicta até aqui. No jogo de ontem foram 06 sacks, 01 interceptação, 02 fumbles forçados e recuperados e a incrível marca de apenas vinte jardas cedidas no último quarto, mesmo com a equipe do Denver Broncos precisando e buscando pontuar para ter chances no jogo. Todas as principais adições de Green Bay na defesa, seja via free agency, seja via draft, têm dado respostas positivas e produzido bem, o que engradece o trabalho feito pelo GM Brian Gutekunst na offseason.

Há vida e esperança sem Drew Brees

Alvin Kamara “carregou o piano” para o Saints.

Apoiado numa ótima atuação defensiva e valendo-se muito de Alvin Kamara, o New Orleans Saints pode ter encontrado uma fórmula eficaz de jogar e manter-se vivo na disputa pelo título de sua divisão enquanto aguarda o retorno de Drew Brees. Por mais que não tenha sido uma partida perfeita, vencer o Seahawks em Seattle é sempre uma tarefa muito dura e que traz muita moral para o seguimento da temporada e a sequência sem sua principal estrela.

Teddy Bridgewater  limitou-se a manter a bola bem protegida, jogar com segurança e foi eficaz nisso, com o plano de jogo dando muitos toques na bola a Alvin Kamara e sua habitual qualidade de sempre ganhar mais jardas do que o que se vislumbra e consequentemente desequilibrar os jogos. Ponto importante também foi o bom papel dos times especiais, embora tenha ocorrido erros, o touchdown de retorno de punt de Deonte Harris e os ótimos punts de Thomas Morstead foram decisivos para o resultado.

O Seattle Seahawks não conseguiu estabelecer de maneira eficaz seu habitual plano de jogo focado no jogo terrestre e foi surpreendido, quebrando uma boa sequência de vitórias atuando em seus domínios. Vale ainda destacar algumas chamadas ofensivas um tanto quanto questionáveis e que prejudicaram demais o time em momentos chaves da partida, sendo um ponto a ser revisto para a sequência de trabalho. Chris Carson precisa proteger melhor a bola ou inevitavelmente será preterido paulatinamente por Rashaad Penny, quando este estiver saudável.

Outros Destaque e Decepções

  • Merece destaque o impressionante início de temporada que faz o OLB Shaquil Barrett pelo Tampa Bay Buccaneers. São incríveis 08 sacks nos três primeiros jogos, número já superior ao que ele tenha atingido em qualquer outro ano completo de sua carreira. Será difícil manter a média, mas vale ficar de olho no jogador.
  • Enquanto a condição clínica de Cam Newton ainda é obscura e incerta, Kyle Allen teve grande atuação substituindo-o e conseguiu levar o Carolina Panthers a sua primeira vitória na temporada. Independente dos problemas, Allen teve uma atuação muito superior às de Newton até aqui, lançando para 4 TDs e distribuindo muito bem a bola. Vale ficar de olho no que acontece em Carolina nas próximas semanas.
  • O imprevisível Detroit Lions segue invicto, após arrancar importante vitória contra o Eagles fora de casa. Difícil dizer até onde vai o time, mas o Lions está se encontrando com um ataque mais balanceado e uma defesa bem montada. A amostragem até aqui a positiva, mesmo que todos os jogos tenham sido apertados.
  • Bom time no papel, porém com uma execução bem diferente dentro campo, esse é o Cleveland Browns, que dentre muitos problemas, gostaria de destacar o play call decepcionante de Freddie Kitchens, que não é nem sombra daquilo que apresentou na metade final da última temporada. Muito trabalho ainda por ser feito em Cleveland.
  • Dalvin Cook lidera a NFL em jardas terrestres e segue com um nível de atuação impressionante, impulsionando o ataque do Vikings. Se conseguir manter-se saudável, tem tudo para se estabilizar como um dos principais RBs da liga e ter uma temporada memorável em seus números.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui

Compartilhe

Comments are closed.