segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Compartilhe

Voltando a série que comecei sobre as escolhas de quarterbacks no Draft, chegamos ao momento de citar as grandes promessas da posição, que foram bem no futebol americano universitário e chegaram a NFL com muitos holofotes, sendo escolhidos nas primeiras posições do draft e foram uma decepção total para as franquias que lhe escolheram.

Explicando um pouco do texto antes de começarmos, citaremos os quarterbacks escolhidos até a escolha 15 do draft, que demonstra o quanto os jogadores tinham expectativa depositada neles pelo sucesso nos anos de futebol americano universitário.

Leia Mais: Draftando Quarterbacks: Badalados

Leia Também: Draftando Quarterbacks: Barganhas

Como na maioria dos esportes, no futebol americano também há jogadores que são promessas desde muito novos e jogadores que surgem para os holofotes de repente e se tornam estrelas, o que é perfeitamente normal na maioria das modalidades. Como nos esportes americanos existe o draft, a adaptação e o trabalho em volta desses talentos são determinantes para o sucesso. Os jogadores que serão considerados decepções, são aqueles que tiveram sucesso na universidade e não  se adaptaram bem ao jogo profissional, sucumbindo ao nível da NFL e tendo carreiras de fracasso e vexames na NFL.

 

Todd Blackledge – Kansas City Chiefs (Draft 1983 – Rodada 1 –  Escolha #7 geral)

 

 

 

 

 

O torcedor do Kansas City Chiefs pode estar contente com o atual MVP como seu quarterback nos dias atuais, mas nem sempre foi assim. Em 1983, a melhor classe de draft para QBs da história, o time do Missouri tinha a escolha número 7 geral e passou nomes como Jim Kelly e Dan Marino para escolher o campeão nacional por Penn State, Todd Blackledge. Blackledge não chegou nem aos anos 90 na liga e terminou a carreira 9 interceptações a mais do que seu número de touchdowns.

Art Schlichter – Baltimore Colts (Draft 1982 – Rodada 1 – Escolha #4 geral)

 

Schlichter é um dos casos mais folclóricos do draft. Treinado pelo lendário Woody Hayes em Ohio State, foi draftado na quarta posição geral do draft de 1982. Além de nunca ter evoluído como passador e não chegar ao nível esperado e apresentado em suas temporadas como um Buckeye, Schlichter era viciado em apostas desde adolescente. Foi preso pelo FBI em 1987 e banido da liga pelo comissário da época, Pete Rozelle.

Matt Leinart – Arizona Cardinals (Draft 2006 – Rodada 1 – Escolha #10 geral)

 

(Photo by Christian Petersen/Getty Images)

Leinart, jogador de Pete Carroll em USC, vencedor do Heisman, foi draftado em 2006 para ser a face da franquia do Arizona. Com muitas lesões e a falta de precisão, foi preterido e deu lugar a Kurt Warner no time titular. Terminou a carreira com quase 3 interceptações a cada 2 touchdowns e nunca repetiu o sucesso que teve na Califórnia em seus anos como universitário.

Jamarcus Russell – Oakland Raiders (Draft 2007 – Rodada 1 – Escolha #1 geral)

 

Uma combinação perfeita entre tamanho e força no braço. Era o que os scouts diziam do jogador de LSU que venceu e foi MVP do Sugar Bowl em 2007. Escolhido com um dos maiores “hypes” já vistos, Russell fez greve em seu ano de calouro, recebeu contrato de 32,5 milhões garantidos e praticamente não jogou em 2007. Em 2008 e 2009, foi titular e decepcionou, sendo cortado em 2010, com fama de preguiçoso, acima do peso e com números na carreira piores do que 11 quarterbacks na temporada passada.

 

Ryan Leaf – San Diego Chargers (Draft 1998 – Rodada 1 – Escolha #2 geral)

 

As grandes discussões de 1998 eram: “o texto em que o escândalo da venda da final da Copa do Mundo de 1998 é real?” e “Ryan Leaf ou Peyton Manning?”. Os mentirosos das histórias foram encontrados. O autor do texto nem era jornalista, enquanto Ryan Leaf nem era quarterback. Leaf tinha o braço e os atributos físicos até melhores que o de Peyton Manning. Mas a posição de quarterback envolve muito mais do que passar a bola e Leaf falhou. Além de jogar mal, bagunçou o vestiário, dava entrevistas polêmicas, culpava comissão técnica e companheiros de time. Resumo, Leaf durou até 2002 na liga e terminou com menos TDs que Tom Brady tem em Super Bowls e com mais interceptações que Manning tem playoffs em toda sua carreira

Menções honrosas: Sam Bradford, David Carr , Mark Sanchez, Tony Eason.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.