quinta-feira, 3 de março de 2016

Compartilhe

doug-martin-1200x800

Hoje encerramos a série sobre os jogadores que os clubes não podem se dar o luxo de perder no Free Agency. Se você não viu os outros posts da série, pode acessar pelos links que seguem:

AFC e NFC West;
AFC e NFC North;
AFC e NFC East.

AFC SOUTH

logo texansHouston Texans – C Ben Jones

Texans tem uma defesa forte e um dos melhores WRs da liga a sua disposição, mas a falta de um QB é um problema constante para  a equipe, desde sua fundação. Como não é fácil achar um QB, especialmente sem uma escolha alta no draft, o time de Houston precisará desenvolver um jogo corrido forte, algo em falta desde que as contínuas lesões de Arian Foster começaram (enquanto preparava essa matéria, foi divulgada a notícia que Arian Foster foi cortado).

LEIA MAIS: Continuam as dispensas na NFL

Sem muitos jogadores que possam fazer grande diferença dos dois lados da bola, faz sentido que Houston invista na consolidação de sua linha ofensiva e procure aprimorar seu jogo corrido na offseason.

Outra consideração: G Brandon Brooks

Assim como Ben Jones, Brandon tem apenas 26 anos. Brooks se destaca mais na proteção ao QB do que abrindo espaços no jogo corrido, mas ainda tem tempo para desenvolver melhor essa faceta do seu jogo. Texans tem cap para isso e faria bem em segurar os dois jogadores.

logo coltsIndianapolis Colts – ILB Jerrell Freeman

Freeman tem uma história curiosa dentro e fora de campo. Vindo de uma faculdade pequena, assinou com o Titans sem ter sido draftado, mas logo foi cortado e assinou com a CFL, onde ganhou espaço ano após ano. Em 2012 voltou à NFL e já causou impacto logo de cara, retornando uma interceptação de Jay Cutler para TD em seu primeiro jogo. De lá para cá Freeman se tornou um jogador de muito impacto, participando de todos os jogos nas quatro temporadas que atuou em Indiana. Se destacou, mesmo não tendo muito talento ao seu redor na fraca defesa de Indianapolis.

Agora chegou a hora de, finalmente, colher os louros do seu crescimento. Um dos melhores defensores disponíveis no Free Agency, Freeman vai fazer um dinheiro bom e Indianapolis agiria corretamente o segurando.

Outras considerações: TE Coby Fleener; TE Dwayne Allen; 

Além de draftar Andrew Luck em 2012, Indianapolis selecionou dois TEs, Coby Fleener no segundo round e Dwayne Allen no terceiro. Indianapolis não deverá ter cap para manter os dois, principalmente se conseguirem segurar Freeman, então chega a hora de fazer uma escolha difícil.

Em favor de Coby está o fato de que ele tem um maior entrosamento com Andrew Luck, por terem jogado juntos na faculdade de Stanford, já Dwayne tem em seu favor um potencial atlético maior.

O que pode pesar contra Dwayne Allen é que ele já perdeu a temporada de 2013 com lesão e no ano passado conseguiu apenas 16 jardas. Assim sendo, aposto minhas fichas em Coby Fleener.

logo jaguarsJacksonville Jaguars – P Brian Anger

Jaguars é uma franquia muito curiosa, no draft de 2012 eles selecionaram um Punter na terceiro rodada, com a 70ª escolha. Os torcedores de Jacksonville jamais se esquecerão do fato que Russell Wilson ainda estava disponível e foi escolhido com a 75ª escolha daquele ano.

Mas estamos aqui para falar sobre acertos futuros e não erros passados. Ao escolher um Punter com no terceiro round, esperava-se que Anger se tornaria um dos melhores da liga e nisso eles acertaram. Anger já quebrou diversos recordes da franquia em seu primeiro contrato. Já que o investimento foi feito em 2012, agora é hora de assegurar que o jogador não vá trocar de time na primeira oportunidade.

Outras considerações: TE Marcedes Lewis; DE Andre Branch.

Lewis detém o recorde de recepções, jardas e TDs entre os Tight Ends da história do Jaguars, mas com a chegada de Julius Thomas, Marcedes atuaria mais como um bloqueador e uma outra opção na end zone. Longe de ser essencial, o que não quer dizer que sua história em Jacksonville já tenha acabado.

Branch foi draftado no round anterior ao Brian Anger e chegou à liga com grandes expectativas, por ser considerado um dos melhores pass rushers daquele draft. Não fez valer todas essas expectativas, mas ainda assim é um jogador muito útil em uma defesa que precisa se aperfeiçoar para acompanhar a crescente do ataque. É uma renovação que faz sentido, se não for muito cara.

Jacksonville possui o maior espaço salarial para gastar nesse período de Free Agency, entre todos os times da liga. Como a equipe não tem muitos jogadores importantes com o contrato encerrando, eles podem segurar todos os jogadores que quiserem e ainda fazer barulho com contratações vindas de outras equipes.

logo titansTennessee Titans – DT Al Woods

A verdade é que não há nenhum FA indispensável em Tennessee. Coloquei Al woods aqui porque ele contribui com a rotação da linha defensiva e não sairá caro.

Outras considerações: RT Byron Bell; LB Steven Johnson.

Analisando o nível dos jogadores com contrato encerrando, é encorajador ver que Titans tem bastante espaço no cap salarial. Eles precisam de pelo menos três peças para a linha ofensiva no período de Free Agency e o time ficará feliz se não precisar mais ver Byron Bell de titular. Dito isso, ele pode ser útil como reserva.

Steven Johnson poderá ser renovado devido ao seu valor para o time de especialistas, já que não atuou muito na defesa. Mas como eu disse antes, Titans poderá sobreviver muito bem sem nenhum desses jogadores. O foco do time deverá ser nos Free Agents externos.

NFC SOUTH

logo falconsAtlanta Falcons – OT Ryan Schraeder

Atlanta tem muitos problemas no seu front seven e por mais que eles tenham feito um bom trabalho pressionando Cam Newton, na única derrota de Carolina antes do SB, o corpo de LBs é muito fraco. Mas as opções de jogadores para o front seven com contrato terminando, podem ser facilmente substituíveis. Ryan Schraeder é o jogador mais essencial da lista.

Atlanta tem uma belo trio de QB, WR e RB. Manter uma linha ofensiva coesa é muito importante para o ataque se consolidar.

Outras considerações: LB Paul Worrilow; DE Adrian Clayborn; DE O’Brien Schofield; DE Kroy Biermann; LG Chris Chester.

Atlanta draftou o DE Vic Beasley para tentar melhorar seu pass rush, logo em seu primeiro ano Vic mostrou sinais de que será um belo jogador. Faz sentido Atlanta manter um dos 3 DEs que estão virando FAs, para jogar no lado oposto de Vic, assim como faz sentido manter Worrilow, que apesar de ser mediano, ainda assim supriria minimamente uma opção carente.

logo panthersCarolina Panthers –  FB Mike Tolbert

A verdade é que depois de ter usado a Franchise Tag no Josh Norman, Carolina não tem nada de mais para perder no Free Agency. Tolbert tem seu valor na sua versatilidade. Ele ajuda nos bloqueios, corre com força e recebe passes do backfield. Só que não dá para considerar insubstituível um corredor de 30 anos de idade.

Outra consideração: CB Charles Tillman.

Um CB de 35 anos também está longe de ser essencial para o futuro da franquia, mas é importante que o mantenham, especialmente por ser uma figura que pode servir de mentor para os mais jovens.

logo saintsNew Orleans Saints – RB Khiry Robinson

Tanto Khiry Robinson quanto Mark Ingram tiveram problemas com lesão esse ano, Tim Hightower até superou as expectativas quando assumiu o espaço vago. Só que esse sucesso curto não justifica esquecer os anos anteriores da carreira de Hightower, vale mais a pena priorizar o potencial de Khiry Robinson, mesmo que custe um pouco mais.

A única restrição para esse negócio se concretizar, será se Khiry resolver pedir muito para continuar em New Orleans. Nesse caso New Orleans pode procurar um complemento para Ingram no draft, ou então renovar com Hightower por um preço cômodo.

Outras considerações: TE Ben Watson; RG Tim Lelito.

Sabemos como Drew Brees gosta de utilizar seus TEs e com a troca de Jimmy Graham, Watson passou a ser o novo amigão do Brees. O problema é que ele já tem 35 anos.

Lelito é um nome interessante, apesar de jovem, apenas 26 anos, teve uma boa carga de trabalho esse ano e além de jogar de Guard também pode servir como Center reserva.

logo buccaneersTampa Bay Buccaneers – RB Doug Martin

Doug Martin era um sério candidato a receber uma Tag, mas não recebeu. Isso pode significar o desinteresse de Tampa em continuar o jogador, ou então pode ser que Tampa quer deixar o jogador testar o mercado antes de definir se o preço será justo. Bucs é um dos times com mais dinheiro para gastar nesse período de Free Agency, se eles tiverem decididos a mantê-lo eles tem recursos para bancar a manutenção do jogador.

A curta carreira de Martin é bem curiosa: arrebatou a liga conseguindo mais de 1900 jardas totais em sua temporada de calouro. Depois disso passou duas temporadas no ostracismo, prejudicado por lesões.  Corta a fita para 2015 e Doug Martin corre para mais de 1400 jardas, pela segunda vez em sua carreira e deixa o recado que aquele calouro de 2012 ainda estava em Tampa Bay. Só que depois desse ano espetacular, Doug Martin quer ver a cor do dinheiro.

 Mantê-lo é de suma importância para o desenvolvimento do Jameis Winston. Além de uma dupla de WRs acima da média, nada melhor que um bom jogo corrido para tirar o peso das costas de um QB novo.

Outra consideração: S Chris Conte;

Conte não é espetacular, mas é um titular que não comprometerá com frequência. Com o cap que tem disponível, o Buccaneers deveria renovar com Conte e ter tranquilidade para investir em outras posições no período de Free Agency.

E se você fosse o GM desses times? Manteria esses jogadores?

Compartilhe

Comments are closed.