quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Compartilhe

guia da rodada - L32

Restam apenas dois jogos para o fim da temporada 2014/2015 da NFL. Enquanto um é o jogo mais esperado do ano e um dos maiores eventos esportivos do planeta, o outro é um jogo desprezado pelos próprios fãs: o magnífico Pro Bowl. Como é impossível prever o resultado de um jogo como esse, mesmo fazer uma análise real do que pode acontecer, vamos explicar um pouco do jogo e mostrar porque pode ser divertido assistir ao Pro Bowl.

A NFL tenta fazer de tudo pra atrair interesse para seu “jogo das estrelas”, mas é difícil fazer com que em um esporte como futebol americano um amistoso seja emocionante. São os melhores de cada posição em campo, milhões de dólares em contratos jogando por uma partida que não vale absolutamente nada. Para evitar que as próprias equipes da liga proíbam a participação de seus jogadores no Pro Bowl, a NFL impôs uma série de regras para evitar contusões nas partidas, sendo as principais:

– Não existe movimentação do ataque pré-snap

– Sempre deve existir um TE em qualquer formação ofensiva

– Não existe a regra de Intentional Grounding

– A defesa deve sempre jogar com uma formação 4-3

– É proibido a defesa executar blitz

– Os kickoffs são eliminados (os times começam na sua linha de 25 quando há pontuação ou início de jogo)

– 2 minute warning em todos os períodos

– 35 segundos de play clock no ataque (normalmente são 40s)

Obviamente com tantas mudanças de regras e preocupação com lesões, um jogo baseado puramente em contato físico como o futebol americano fica totalmente desfigurado. Outro fator de desinteresse no jogo é que os jogadores que disputam o Super Bowl estão fora do amistoso. Também é comum atletas importantes pedirem dispensa da partida. Em busca de sucesso, a NFL tem promovido mudanças nos últimos anos no formato do jogo: Entre 1970 e 2012, a partida foi disputada entre os melhores de cada conferência, sendo 22 vitórias da NFC e 21 da AFC no período. No ano passado essa configuração foi mudada para um formato de draft. Dois grandes ex-jogadores (em 2013 foram Jerry Rice e Deion Sanders) foram escolhidos para selecionar dois times a partir dos atletas escolhidos pelo público e jornalistas. Nessa temporada, as seleções foram realizadas pelos ex-WR Chris Carter e Michael Irvin, ambos membros do Hall da Fama da NFL. Além disso, apenas pela segunda vez desde 1979 o jogo não será realizado no Aloha Stadium, no Havaí. O Pro Bowl deste ano acontecerá no mesmo palco do Super Bowl, o University of Phoenix Stadium, em Glendale no Arizona (estádio do Arizona Cardinals).

Confira os elencos de cada time no Pro Bowl:

TEAM CARTER

Head Coach: John Harbaugh (BAL)

 Ataque

QB: Drew Brees (NO), Andrew Luck (IND) e Andy Dalton (CIN)

RB: Jamaal Charles (KC), Justin Forsett (BAL) e Alfred Morris (WAS)

FB: Marcel Reece (OAK)

WR: T.Y. Hilton (IND), A.J. Green (CIN), Antonio Brown (PIT) e Jordy Nelson (GB)

TE: Martellus Bennett (CHI) e Greg Olsen (CAR)

OT: Joe Staley (SF), Duane Brown (HOU) e Ryan Clady (DEN)

OG: Mike Pouncey (MIA), Evan Mathis (PHI) e Josh Sitton (GB)

C: Maurkice Pouncey (PIT) e Jason Kelce (PHI)

 Defesa

DE: J.J. Watt (HOU), Mario Williams (BUF) e Calais Campbell (ARI)

DT: Marcell Dareus (BUF), Kyle  Williams (BUF) e Dontari Poe (KC)

OLB: Justin Houston (KC), Connon Barwin (PHI) e Tamba Hali (KC)

ILB: C.J. Mosley (BAL) e Lawrence Timmons (PIT)

CB: Patrick Peterson (ARI), Aqib Talib (DEN), Antonio Cromartie (ARI) e Sam Shields (GB)

S: Glover Quin (DET), Donte Whitner (CLE) e Antoine Bethea (SF)

Special Team

P: Pat McAfee (IND)

K: Cody Parkey (PHI)

RS: Justin Bethel (ARI)

LS: Jon Dorenbos (PHI)

ST: Devin Hester (ATL)

TEAM IRVIN

Head Coach: Jason Garret (Dallas Cowboys)

Ataque

QB: Matt Ryan (ATL), Tony Romo (DAL) e Matthew Stafford (DET)

RB: C.J. Anderson (DEN), Mark Ingram (NO) e DeMarco Murray (DAL)

FB: John Kuhn (GB)

WR: Emmanuel Sander (DEN), Odell Beckham Jr. (NYG), Golden Tate (DET) e Randall Cobb (GB)

TE: Jimmy Graham (NO) e Jason Witten (DAL)

OT: Trent Williams (WAS), Joe Thomas (CLE) e Tyron Smith (DAL)

OG: Zack Martin (DAL), Marshal Yanda (BAL) e Kyle Long (CHI)

C: Travis Frederick (DAL) e Nick Mangold (NYJ)

Defesa

DE: Cameron Wake (MIA), Robert Quinn (STL) e DeMarcus Ware (DEN)

DT: Sheldon Richardson (NYJ), Geno Atkins (CIN) e Aaron Donald (STL)

OLB: Clay Matthews (GB), Elvis Dumervil (BAL) e Von Miller (DEN)

ILB: D’Qwell Jackson (IND) e Luke Kuechly (CAR)

CB: Vontae Davis (IND), Brent Grimes (MIA), Joe Haden (CLE) e Chris Harris (DEN)

S: Mike Adams (IND), Eric Weddle (SD) e T.J. Ward (DEN)

 Special Team

P: Kevin Huber (CIN)

K: Adam Vinatieri (IND)

RS: Darren Sproles (PHI)

LS: L.P. Ladouceur (DAL)

ST: Darrek Stuckey (SD)

Apesar dos pesares, o Pro Bowl pode ser divertido de ver. Além disso é o penúltimo jogo antes de uma seca de seis meses sem futebol americano e é geralmente um jogo de muitos pontos e onde jogadas completamente inusitadas como essa acontecem:
Isso foi um drop kick de Drew Brees no Pro Bowl de 2012. O drop kick é bastante comum no rugbi, mas extremamente raro na NFL. Desde que você não exija ver uma verdadeira partida de futebol americano, sob a ótica correta, pode-se aproveitar bastante o jogo das estrelas da NFL.

 Serviço do jogo:

Horário: dia 25/01, 21h (horário de Brasília)

Transmissão: ESPN+

Não perca na semana que vem a prévia do Super Bowl. Faremos uma matéria especial sobre o jogo, trazendo uma análise completa das equipes e as chaves para cada uma vencer o Super Bowl XLIX.

Compartilhe

Comments are closed.