quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Compartilhe

guia da rodada - L32

Chegamos ao jogo mais esperado da temporada: o Super Bowl. Em sua 49ª edição, o Seattle Seahawks busca o primeiro bicampeonato em 10 anos. A última equipe a conquistar dois títulos consecutivos? Seu adversário na final, o New England Patriots.

Sobre o Super Bowl

O Super Bowl é disputado desde a temporada 1966, entre os campeões da AFC e da NFC (na época NFL e AFL). O Green Bay Packers venceu a primeira edição, tendo como seu técnico o lendário Vince Lombardi, que agora dá nome ao troféu entregue ao campeão da NFL. É o terceiro evento esportivo mais assistido no planeta, número que cresce a cada ano com a propagação do futebol americano mundialmente. Enquanto o Super Bowl I foi transmitido apenas para os EUA por duas emissoras, o Super Bowl XLIX será transmitido para mais de 180 países, em 30 idiomas. Equipes de quinze países estarão presentes no University of Phoenix Stadium para exibir a partida para seus conterrâneos. Nos Estados Unidos mais de 111 milhões de espectadores assistiram ao Super Bowl XLVIII em 2014, significando que um em cada três americanos estava com sua TV ligada no jogo. Os quatro programas mais assistidos da história da televisão americana são Super Bowls. O jogo chama tanta atenção do público americano que o “Super Bowl Sunday” é praticamente considerado um feriado não-oficial no país. Com tudo isso, é de se esperar que as redes de televisão dos EUA disputem ferozmente a transmissão do jogo. Por isso, as principais emissoras do país (NBC, CBS e FOX) entraram em um acordo de rodízio, onde a cada ano um canal tem o direito de transmissão do Super Bowl. E quando é a sua vez as emissoras aproveitam: em 2015, a NBC cobrará 4.5 milhões de dólares para exibir um comercial de 30 segundos nos intervalos do jogo, totalizando uma arredação de mais de US$ 250 milhões. É sempre legal ver os comerciais. Empresas preparam durante todo o ano peças publicitárias para serem exibidas no programa mais assistido da América.

O evento é aproveitado ao máximo e transformado em show. Literalmente! No intervalo do jogo, ocorre a apresentação de um artista consagrado, às vezes com convidados. Se no início da era Super Bowl o show do intervalo era geralmente feito por bandas marciais de universidades locais, nos últimos anos grandes nomes como Red Hot Chilli Peppers, Madonna, The Who, Rolling Stones, Paul McCartney, U2, Aerosmith e Michael Jackson já comandaram o espetáculo. Em 2015, o show será de Katy Perry com participação de Lenny Kravitz.

Histórico no Super Bowl

A edição 2015 do Super Bowl terá o confronto entre os dois times que tiveram melhor campanha na temporada regular da NFL e um dos palpites mais óbvios possíveis para a final antes do início da temporada: New England Patriots e Seattle Seahawks. Confira a história de cada uma das equipes na final da NFL.

O New England Patriots é uma das equipes mais tradicionais da liga (com um recorde de oito aparições em Super Bowls), vivendo sua era de ouro a partir do início dos anos 2000 quando o QB Tom Brady e o head coach Bill Belichick assumiram o comando do time. Desde então foram cinco aparições em Super Bowl, três títulos e uma década e meia de dominância na AFC. O Patriots é o último time a conseguir um bicampeonato, vencedo as temporadas 2003 e 2004. Nos últimos 15 anos, Tom Brady construiu seu legado como um dos maiores QBs da história, e agora busca se juntar a Terry Bradshaw e Joe Montana como os únicos jogadores da posição a conquistar quatro anéis.

O Seattle Seahawks tem uma história mais modesta, mas ainda está em seu início. Enquanto Brady já pensa em aposentadoria e os fãs dos Patriots se preocupam com seu futuro, tudo leva a crer que anos de glória estão por vir para os torcedores de Seattle. Russell Wilson pode ter uma das mais espetaculares carreiras da história da liga. Com apenas três temporadas na NFL o QB já tem duas aparições no Super Bowl, um anel e busca o seu segundo. O Seahawks busca o segundo título de sua história. No ano passado, a equipe humilhou o Denver Broncos do espetacular Peyton Manning com uma atuação impecável de sua fabulosa Legion of Boom. Fora as aparições nas finais das temporadas 2013/14 e 2014/15, o Seahawks também jogou o Super Bowl XL quando perdeu para o Pittsburgh Steelers por 21-10.

Os números

Vamos jogar aqui algumas estatísticas da temporada regular das duas equipes para entender os pontos chave das duas equipes e como elas vencem jogos (entre parênteses está a posição que a equipe se encontra na categoria entre os 32 times da NFL):

numeros

Ambos os times foram as melhores equipes de sua conferência, mas seguiram caminhos diferentes para chegar ao topo. O Patriots sempre contou com um dos ataques mais explosivos da liga, e em 2014 não foi diferente. Apesar de ser apenas o 11° ataque da liga em jardas por jogo, o Patriots foi um dos times mais eficientes em converter ganho de jardas em pontos, sendo o 4° melhor time da NFL marcando pontos. Com um ataque bem balanceado, New England é um time que, apesar de ter um dos melhores QBs da história, sabe que o segredo de um ataque de sucesso é um jogo corrido eficiente.

No ataque de Seattle o destaque com certeza é o jogo terrestre. Marshawn Lynch é um fenômeno e parar o RB é uma das tarefas mais difíceis que um defensor pode enfrentar. Além de um RB eficiente, Russel Wilson é o melhor QB do jogo correndo. Além de adicionar o já famoso read option, a habilidade de jogar em deslocamento cria um grande desafio para as defesas que encontram uma dificuldade enorme em pressionar o QB de Seattle.

O Patriots depende de seu ataque pra vencer. Apesar de contar com uma defesa eficiente, é no lado ofensivo que o time deposita toda sua confiança quando precisa se superar. Já Seattle tem a melhor defesa da liga. Cedendo apenas 15.9 pontos por jogo, o ataque não precisa fazer muito para vencer partidas. Mesmo assim, o Seahawks tem um time ofensivo capaz de enfrentar de frente qualquer unidade defensiva da liga. Em resumo, são dois times equilibrados com defesas e ataques acima da média da NFL. Não é à toa que farão a final do campeonato.

O Caminho para o Super Bowl

Os dois times tiveram histórias parecidas durante a temporada regular: ambos começaram a temporada como favoritos absolutos aos títulos de suas divisões, passaram por momentos de desconfiança, e por fim confirmaram seu favoritismo e status de melhor time da conferência.

O Patriots iniciou a temporada com uma derrota para o Dolphins. Após duas vitórias contra os fracos Vikings e Raiders, veio a derrota mais humilhante da temporada e dos últimos anos para New England: 41-14 em um jogo em que o Kansas City Chiefs dominou completamente as ações. Brady vinha mal, não se mostrava ser o jogador de sempre, enquanto questionamentos sobre se esse seria o fim da carreira do QB começaram a surgir. Os adversários da AFC Leste, vendo Brady e companhia com uma campanha de 0.500 se animaram com a possiblidade de vencer a divisão que a tanto tempo era dominada pelo Patriots. Mas nada disso se confirmou. Em pouco tempo Tom Brady recuperou sua forma de HOFer e começou a destruir defesas novamente. Após o início lento, New England só perdeu mais duas partidas na temporada: contra o Packers em Green Bay, em um jogo bastante disputado, e contra o Bills, em casa, na última rodada, quando o time já havia garantido o posto de melhor equipe da AFC. Nos playoffs, o primeiro adversário foi o Baltimore Ravens que já havia derrubado New England em casa em final de conferência. Em um jogo muito difícil, onde o Patriots se tornou a primeira equipe da história a estar por duas vezes 14 pontos atrás no placar e vencer um jogo de playoff, New England ganhou confiança para ir à final da conferência contra o Colts. Muita expectativa se criou para o confronto contra o time do jovem Andrew Luck, mas o que se viu foi um massacre de 45-7 em um jogo de demonstração de força por parte do Patriots, que chega embalado para o Super Bowl.

Seattle também teve um início lento de temporada e após a derrota para o Rams na semana 7,  o Seahawks ficou com uma campanha 3-3, três jogos atrás do líder da divisão, o Arizona Cardinals. Muito se falou do retrospecto de nenhum campeão da NFL conseguir vencer um jogo de playoffs nos últimos oito anos. Parecia que a história ia se repetir. Mas a equipe de recompôs, fez uma troca questionada pela mídia, mas que fez bem para o vestiário da equipe, ao enviar o talentoso mas problemático WR Percy Harvin para o New York Jets, e terminou vencendo os últimos seis jogos da temporada regular – nove dos últimos dez – para garantir o posto de melhor equipe da NFC. Com isso, Seattle garantiu que qualquer equipe que quisesse disputar o Super Bowl pela Conferência Nacional tivesse que enfrentar o 12th man. E ninguém derrubou Seattle. Após uma vitória fácil contra o Carolina Panthers no divisional round, a final da conferência foi inesquecível: uma virada épica contra o Green Bay Packers em um dos jogos mais emocionantes da história da NFL. O momento está com o time e eles esperam carregar a confiança ganha no jogo anterior para dentro de campo no Super Bowl XLIX e conquistar o sonhado bicampeonato.

Jogadores de Impacto

New England Patriots

– Tom Brady (QB)

Estatísticas em 2014: 4109 jardas, 64.1% passes completos, 33 TDs e 9 interceptações.

Brady é o jogador de mais importância nessa final. Ele consegue sozinho mudar o destino de um jogo e se jogar tudo o que sabe deve sair da partida com seu quarto anel. Parar Brady é o maior desafio da defesa de Seattle nessa temporada.

– Rob Gronkowski (TE)

Estatísticas em 2014:  82 recepções, 1124 jardas e 12 TDs

Gronkowski é um monstro e o melhor TE da temporada mostrou em 2014 mais uma vez porque merece o título. Cobrir um jogador desses não é tarefa fácil pra ninguém. LBs são muito lentos, CBs muito fracos. Tendo como fonte de suas recepções Tom Brady, não fica difícil de acumular números impressionantes. É um dos responsáveis pela eficiência ofensiva do Patriots em transformar jardas em pontos, sendo um dos alvos mais eficientes da liga na end zone. Parar Gronkowski é parte primordial do plano de jogo se Seattle quiser vencer seu segundo campeonato.

– Dont’a Hightower (OLB)

Estatísticas em 2014: 89 tackles, 6 sacks, 1 fumble forçado

Hightower teve um excelente ano, assim como boa parte da defesa do Patriots. Não só ele, como todo o front 7 de New England são peças-chave no confronto. Para evitar pontos de Seattle, eles devem parar o jogo corrido de muita força de Marshawn Lynch e ainda ter agilidade para conter as corridas de Russel Wilson. Não será tarefa fácil, mas se executada com sucesso facilita muito o trabalho pro ataque da equipe garantir a vitória.

Seattle Seahawks

– Russell Wilson (QB)

Estatísticas em 2014: 3475 jardas, 63.1% passes completos, 20 TDs e 7 interceptações. Correndo com a bola: 118 carregadas, 849 jardas e 6 TDs.

Se passando a bola os números de Wilson não impressionam, seus números em jardas terrestres são assustadores. Com suas 849 jardas ele foi o 16° melhor corredor da liga em 2014. E ele é QB! São 6 TDs e uma ameaça constante para as defesas adversárias. Apesar disso, não se engane pelos números. Ele é um passador competente e tem uma habilidade incrível de passar em deslocamento, o que transforma pressionar o QB em uma tarefa dificílima. A defesa de New England vai ter que ser muito eficiente para parar a ameaça dupla imposta por Russell Wilson.

–  Marshawn Lynch (RB)

Estatísticas em 2014: 280 carregadas, 1306 jardas e 13 TDs

Lynch liderou a liga em TDs, parte disso por ser praticamente impossível de parar o RB em jogadas de poucas jardas. Perto de linha de gol, Lynch é imbatível. Sua característica de correr com força faz com que a linha defensiva e linebackers estejam sempre de olho, e quando o RB consegue atingir o segundo nível da defesa é bom que os adversários estejam em dia com o fundamento do tackle. Lynch foi parte primordial do ataque do Seahawks nas campanhas de sucesso da equipe nas últimas duas temporadas e não será diferente no Super Bowl XLIX.

– Richard Sherman (CB)

Estatísticas em 2014: 57 tackles, 4 interceptações, 8 passes defendidos

Parar Tom Brady é difícil? Sim, mas nada que essa defesa já não tenha feito antes. Aaron Rodgers e Peyton Manning que o digam. Richard Sherman é o símbolo dessa defesa e, principalmente, de sua espetacular secundária. Sherman foi um dos melhores CBs da temporada mais uma vez e é um dos poucos jogadores da liga com talento e habilidade para impedir que qualquer QB da NFL complete passes. QUALQUER UM. Incluindo alguns dos melhores QBs da história.

Chaves para a Vitória

Para New England, o segredo da vitória é parar o jogo corrido de Seattle. Se encaixa nessa categoria manter Russell Wilson dentro do pocket, onde o QB se torna uma arma menos perigosa. Mais fácil falar do que fazer. Será uma tarefa complicada, mas combinando isso com um jogo aéreo eficiente que o Patriots é capaz de encaixar seria praticamente impossível o título escapar das mãos de Tom Brady pela terceira vez.

Para Seattle, impedir o jogo aéreo de New England praticamente garante o título. O problema é que não é só o QB que é bom. Rob Gronkowski, Julian Edelman e o restante do corpo de recebedores da equipe garantem que a Legion of Boom não terá trabalho fácil. Além disso, não se pode esquecer do jogo terrestre do Patriots. LeGarrette Blount destruiu o Colts pelo chão e deve ser mais um desafio para a defesa do Seahawks.

Serviço do jogo

Super Bowl XLIX – New England Patriots x Seattle Seahawks

Horário: Domingo, 01/02, 21:30 (Horário de Brasília)

Transmissão: ESPN e Esporte Interativo.

Compartilhe

Comments are closed.