quinta-feira, 6 de junho de 2019

Compartilhe

Não é de hoje que a NFC Leste esbanja influência e poder na NFL. De acordo com a revista Forbes, as quatro franquias da divisão aparecem no Top 10 times mais valiosos em 2018. Possuem milhares de apaixonados nos Estados Unidos e no mundo. Protagonizam diversos jogos e lances inesquecíveis durante as temporadas. Rivalidades históricas. E o equilíbrio, ano após ano, se torna o ingrediente especial.

Desde 2002, o lado leste da Conferência Nacional só perde em imprevisibilidade para a NFC Sul. No período, são 7 títulos para Eagles, 5 Cowboys, 3 Giants e 2 Redskins. Sem contar que os dois que menos venceram somam outras seis aparições em playoffs. Para esta temporada não é de se esperar menos. Claro, o time de New York sai em ligeira desvantagem em relação aos demais. E mesmo assim, os especialistas quebram a cabeça na hora de apontar um favorito na divisão. Preparamos uma análise das três equipes apontadas como candidatas ao título. Confira:

Arte: NFL Brasil

Leia Mais: A subestimada defesa do Washington Redskins

Leia Também: Seahawks e Rams prometem uma grande disputa pela NFC West

 

Dallas Cowboys

Campeão em 2018, a equipe comandada por Jason Garrett chega forte mais uma vez. A defesa, extremamente dominante na temporada passada, ganhou o reforço do pass-rusher Robert Quinn, na free agency, além do DT Trysten Hill, na segunda rodada do Draft. Já no ataque, a grande novidade é a aquisição do WR Randall Cobb, ex-Packers. Se o elenco parecia pronto no ano anterior, agora está melhor ainda.

O que pesa contra a balança da franquia de Dallas é o calendário. Além de enfrentar os últimos finalistas de Super Bowl, Patriots e Rams, o time ainda vai encarar duros duelos contra Saints, Vikings, Bears e Packers. Isso sem contar os clássicos de divisão que, como dito anteriormente, sempre reservam histórias memoráveis.

 

Philadelphia Eagles

Um ano após levar o troféu Vince Lombardi para a Pensilvânia, Doug Pederson e cia chegaram mais uma vez aos playoffs aos trancos e barrancos. Quando ninguém mais acreditava, o raio caiu mais uma vez no Lincoln Financial Field. O backup QB Nick Foles assumiu o papel de herói pela segunda temporada seguida, comandou o time à pós-temporada, venceu a surpresa Chicago Bears e só foi parado no emocionante confronto contra New Orleans. E a empolgação dos torcedores do Eagles pode ser ainda maior em 2019.

Sep 11, 2016; Philadelphia, PA, USA; Philadelphia Eagles quarterback Carson Wentz (11) audibles at the line of scrimmage against the Cleveland Browns during the first quarter at Lincoln Financial Field. Mandatory Credit: Bill Streicher-USA TODAY Sports

Tudo bem, a equipe perdeu nomes importantes, como o próprio Foles, DE Michael Bennett, LB Jordan Hicks e os WRs Golden Tate e Jordan Matthews. Em contrapartida, DT Malik Jackson chega para dar mais uma opção explosiva no interior da linha que já conta com Fletcher Cox, um dos melhores da liga na posição. Para o ataque, foi contratado o RB Jordan Howard, que em três temporadas com o Bears, tem se mostrado um all star na posição (principal carência do ataque em 2018). Além de repatriar o WR DeSean Jackson, veterano com muita lenha para gastar ainda.

A grande incógnita fica por conta de Carson Wentz. Ninguém discute a qualidade e liderança do QB, que já provou ser acima da média. Mas as constantes lesões têm o atrapalhado ao longo da carreira. Se não fosse por Foles, as duas últimas temporada teriam acabado precocemente após sérias contusões que tiraram o camisa 11 de combate. E agora sem o reserva imediato, será que Wentz consegue se manter saudável?

 

Washington Redskins

A equipe corre por fora, mas passa a sensação de que pode virar uma super potência. Não sei se podemos tratar o Redskins como uma surpresa, pois se Alex Smith não se machuca em 2018, a equipe tinha uma chance considerável de vencer a divisão. E após um draft formidável, o ar de expectativa ronda ainda mais forte na capital dos Estados Unidos.

A franquia subiu para ter duas escolhas na primeira rodada e foi cirúrgica. O EDGE Montez Sweat se encaixa perfeitamente em um front seven que já assustava qualquer ataque. Para a secundária, ponto fraco do time em temporadas anteriores, foi dado um verdadeiro caminhão de dinheiro para o Safety Demarcus Lawrence (U$ 84 Milhões em seis anos). Realmente é um dos melhores da posição. Resta saber se peças como Josh Norman e Dominique Rodgers-Cromartie (voltando da aposentadoria) vão render o que se espera deles.

Dwayne Haskins e Montez Sweat em suas coletivas de introdução ao time.

O ataque também apresenta evolução e esperança. Depois de contratar Case Keenum devido às lesões de Smith e Colt McCoy, Redskins viram a possibilidade de ter um franchise QB em Dwayne Haskins. São 4 nomes para a posição e deve ser uma das “brigas” internas mais aguçadas pela titularidade na NFL (lembrando que Alex Smith não deve retornar para 2019).

A equipe ainda foi atrás do Bryce Love para o backfield. Ele fará companhia à lenda Adrian Peterson e Derrius Guice, que perdeu toda temporada de rookie, mas deve ser mais um excelente nome ao lado do QB. O WR Terry McLaurin, de Ohio State (mesma universidade de Haskins), e Kelvin Harmor também foram adquiridos no draft e se juntam aos bons recedores TE Jordan Reed, WR Paul Richardson e WR Josh Docston. Pode ser que a equipe ainda não pegue no tranco em 2019, mas está bem servida para o futuro.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui

Compartilhe

Comments are closed.