quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Compartilhe

A derrota no último domingo escancarou os problemas ofensivos na equipe. Após algumas atuações muito ruins, Adam Thielen criticou abertamente seu QB na imprensa e Stefon Diggs soltou um emoji em sua conta no Twitter enigmática, podendo tanto ser apoio a fala de Thielen quanto sobre uma possível saída, que chegou a ser especulada. Dessa forma, e com uma campanha enganosa de 2-2, já podemos dizer que tem uma crise no Minnesota Vikings?

Na semana 1, uma vitória convincente sobre o Atlanta Falcons, no entanto, com algumas ressalvas. Kirk Cousins só passou a bola 10 vezes no total para 98 jardas e 1 TD. Mesmo assim, no primeiro jogo da temporada e com a fragilidade que o Falcons apresentou para parar Dalvin Cook, achamos que poderia ser apenas uma questão circunstancial, e quando precisasse, Cousins passaria mais a bola. Mas não é o que estamos vendo. Na partida contra o Packers, a bomba veio à tona. Uma péssima atuação de Cousins e uma interceptação no final da partida de maneira indefensável. Contra o Raiders, mais uma vez Cook e o calouro Alexander Mattison brilharam, e o QB novamente não precisou aparecer, passando a bola 15/21 para 174 jardas e 1TD. Para continuar com a gangorra, mais uma vez contra o Bears, que tem uma ótima defesa, o jogo corrido não entrou e Cousins simplesmente não conseguiu jogar, resultando num 16×6 para o time da casa. No fim, a matemática é simples, sem jogo corrido, sem vitórias.

Leia Mais: o último invicto da NFC

Leia Também: os jovens quarterbacks invadiram a NFL. Coincidência ou início de uma nova era?

E se colocarmos números mais diretos, a situação piora. O Vikings é o 31º time em jardas passadas por jogo e o 32º em primeiras descidas passadas por jogo na NFL. Isso quando se paga $84 milhões totalmente garantidos pro seu QB em 3 anos, $81 milhões em 5 anos pro Stefon Diggs e $64 milhões em 4 anos pro Adam Thielen, não pode acontecer. Não se vence mais consistentemente na NFL sem um jogo aéreo confiável.

A NFC Norte ainda está aberta. O Packers não está jogando o que pode, o Bears também tem sérios problemas na posição de Quarterback e o Lions tem problemas para fechar jogos. Com o investimento que Rick Spielman, GM da equipe, fez nesse elenco do Vikings, as coisas precisam andar e a equipe precisa conseguir pelo menos uma vaga de wildcard. No entanto, com essa ancora chamada Kirk Cousins, a torcida pode e deve se preocupar. Se o desempenho do QB continuar assim, 2019 e 2020 já estão comprometidos. Com o contrato 100% garantido, fica difícil se livrar desse problema. E o buraco só aumentaria.

Atualmente com $1,5 milhão aberto no salary cap e uma estimativa de $2,2 milhões negativos para 2020, não podem ser esperadas grandes mudanças no elenco na próxima offseason. A defesa, uma das mais talentosas da NFL, fica mais velha e com um ano a menos de contrato. Assim, com contratos para renovar como Everson Griffen, Pat Elflein, Dalvin Cook e outros, não é absurdo dizer que a janela de Super Bowl da equipe pode estar se fechando. Não são muitos problemas, mas problemas em pontos chave, que afetam diretamente as condições da equipe de brigar forte pelo Super Bowl, objetivo principal desse elenco. Assim, Mike Zimmer, Head Coach, e Kevin Stefanski, Coordenador Ofensivo, tem muito trabalho pela frente. Trabalho esse que pode definir sua continuidade e sucesso na equipe de Minnesota.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui

Compartilhe

Comments are closed.