quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Compartilhe

Dos últimos 8 anos, em 7 temporadas o Tampa Bay Buccaneers ficou em último colocado na NFC Sul. Em apenas 2 teve um ataque top 15 da Liga. E desde 2007 não vai para os playoffs. Esses são números muito preocupantes e que desestimulam até o torcedor mais otimista. No entanto, em 2019, isso deve mudar. Depois de um 2018 novamente muito turbulento e com uma campanha negativa, a torcida tem algo para se apegar e esperar um futuro mais promissor. Dirk Koetter, HC da equipe, foi demitido, e para o seu lugar, a equipe trouxe Bruce Arians, um dos melhores treinadores da década, largando a aposentadoria para ajudar a franquia.

Para quem não conhece, Bruce Arians teve seu último trabalho no Arizona Cardinals de 2017. E após ter alguns problemas de saúde, decidiu se aposentar. Aposentadoria que basicamente se tornou um ano sabático. Aficionado por Futebol Americano, Arians não conseguiu ficar longe da NFL por muito tempo. E acabou escolhendo uma franquia que precisava de sua ajuda, principalmente pela sua maior qualidade: Seu toque no ataque e talento para desenvolver Quarterbacks. Arians já trabalhou com Peyton Manning, Andrew Luck, Ben Roethlisberger e Carson Palmer. Tirou excelentes anos de todos esses. E tudo leva a crer que Jameis Winston será mais um nome a entrar na prateleira do Head Coach.

Leia Mais: O Kansas City Chiefs não precisa de Carlos Hyde

Leia Mais: Primeiras impressões do Madden NFL 20

Dono de um esquema bastante vertical, sua chamada de jogadas e sistema que costuma implementar no ataque ataca as principais características de seu QB. Wiston tem um canhão no braço, adora lançar a bola no fundo do campo e consegue estender bem as jogadas para o desenvolvimento das rotas. Seu problema sempre foi mental, além dos fora de campo. Sendo treinado por Arians, deverá desenvolver suas leituras e tomar decisões cada vez melhores, podendo voltar a buscar o potencial que o fez ser escolhido na #1 geral do Draft.

Talento ao redor dele também não faltará. Mike Evans é um dos melhores WRs da Liga apesar de pouco falado, Chris Godwin é uma excelente arma no fundo do campo e a dupla de TEs, O.J Howard e Cameron Brate, se complementam muito bem. Somado a isso, uma linha ofensiva sólida, capaz de dar o tempo necessário para Winston e Arians mostrem o que podem ter de melhor. Pela esquerda, Donovan Smith e Ali Marpet formam uma boa dupla de Tackle e Guard. Ryan Jensen é um ótimo Center e da sustentação e ancoragem na linha. Já pela direita, ainda existem algumas dúvidas ao redor de Caleb Benenoch e Demar Dotson, mas que não devem comprometer. Assim, o setor mais questionado do ataque é a posição de Running Backs. Ronald Jones foi draftado no ano passado, mas não conseguiu performar. Desta forma, o veterano Peyton Barber seguiu como titular, mas tem suas limitações e não teve um bom ano. Mesmo assim, por agora estarem dentro de um esquema que privilegia o ataque aéreo, devem ganhar mais espaços em meio um box mais vazio e podem ter uma temporada melhor.

Conseguindo se manter saudável e fora de confusões extra campo, Winston tem tudo para ter uma grande temporada, e em ano de contrato, isso será primordial. Arians vem para ser quase que seu tutor, um cara contratado para dar um jeito na equipe, mas principalmente no seu QB. Ainda imaturo, sempre está envolvido em confusões e polemicas, no entanto, nada de novo para Arians. O HC, que já trabalhou com o jovem Roethlisberger, sabe bem como lidar com esse tipo de pessoa, e tem tudo para tirar o melhor do camisa 3 da Florida. Por estar em uma divisão extremamente complicada, pode ser que não tenham uma campanha de playoffs, mas que a equipe deixará de ser o frágil Bucs que os adversários se acostumaram a ver, isso você pode ter certeza que irá mudar.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.