segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Compartilhe

domingo nobre - L32

O último jogo da rodada de wildcard dos playoffs foi o que reservou as maiores emoções para torcedores de ambos os times, sendo decidido apenas no minuto final com a redenção do calouro Demarcus Lawrence. Mas chegaremos lá, antes desse lance apoteótico que selou a vitória, confira tudo que aconteceu no jogo mais emocionante dos playoffs até agora que culminou na segunda vitória dos texanos nessa fase nos últimos 18 anos e aumentou a fila do Lions para 8 derrotas seguidas na pós – temporada, cuja torcida sentiu o gosto da vitória nessa fase apenas uma vez nos últimos singelos 54 anos. Boa leitura !

Top performances:

Detroit Lions
QB Matt Stafford : 28 de 42 para 323 jardas, 1 TD e 1 interceptação
RB Joique Bell : 12 tentativas para 43 jardas
WR Golden Tate : 6 recepções para 89 jardas e 1 TD

Dallas Cowboys
QB Tony Romo: 19 de 31 para 292 jardas e 2 TDs
RB DeMarco Murray: 19 tentativas para 75 jardas e 1 TD
WR Terrance Willians: 3 recepções para 92 jardas e 2 TDs

O confronto marcou o encontro de talvez os setores das “trincheiras” mais badalados e igualmente competentes de toda a liga; A poderosa linha ofensiva do Dallas Cowboys, com nada menos que 3 jogadores selecionados para o Pro Bowl, contra a linha defensiva do Detroit Lions, ancorada pelo Pro Bowler Ndamukong Suh e dona da melhor defesa contra o jogo terrestre. O jogo também ganhara contornos dramáticos durante a semana, visto que o SS Barry Church (DAL) prometeu vingança ao WR Golden Tate (DET) quando este, ainda jogando por Seattle, fez um bloqueio um tanto quanto questionável no LB Sean Lee (DAL), o tirando daquele jogo.

Com a bola voando, o que se viu foi uma rápida primeira campanha do Cowboys que terminou após 3 jogadas, com direito a um quase fumble do WR Dez Bryant, mas o estádio rapidamente explodiria quando, na tentativa de retornar o punt, Golden Tate recebeu uma bela pancada logo após a recepção e a torcida comemorou como um sack e as câmeras obviamente já apontaram para Sean Lee nas sidelines.

A primeira campanha do Lions teve muito mais sucesso. Após uma combinação de alguns passes curtos e corridas eficazes, o mesmo Golden Tate recebeu um belo passe de Stafford, queimando o CB Orlando Scandrick na rota e o algoz Barry Church nas jardas após a recepção só parando na endzone. Foi oficialmente um passe de 51 jardas para inaugurar o placar no mundo de Jerry, 7×0 Lions.

Os times trocaram alguns punts depois disso, com destaque para o ótimo desempenho da DL do Lions que pressionava Romo a todo momento e o deixava desconfortável dentro do pocket algo quase que inédito durante a temporada regular, juntamente com um DeMarco Murray que não conseguia ser protagonista no jogo corrido e mostrava certo desconforto em seu braço esquerdo. Até que o P Donnie Jones chutou uma patada e a bola traiçoeira rolou até a linha de meia jarda do território de Detroit, some-se a isso uma falta de “holding” do Lions e o time estava literalmente na ponta do precipício, afundado em sua própria endzone.

Porém, o que se viu foi uma campanha impecável do time de Michigan, ajudado é verdade por uma falta de “running into the punter”, ou “contato ilegal no punter” numa quarta descida que virou um 1st down automático dentro da própria redzone, mas o time foi empurrando a defesa pra trás facilmente até que Reggie Bush quebrou espinhas e colunas numa corrida de 18 jardas para dobrar a vantagem,14×0 no final do primeiro quarto a favor do Lions e um ar tenebroso começava a tomar conta do Cowboys Stadium (Detalhe que essa campanha de 99 jardas em 7 minutos rendeu mais jardas ofensivas que o Cardinals conseguiu no jogo inteiro contra o Panthers no sábado. Foram 97).

O jogo ficou amarrado no segundo período, Murray e Bryant não moviam a bola e o Lions não parecia interessado em o fazer, até que, já dentro do 2 minute-warning, Tony Romo lançou uma bomba para o WR Terrance Willians que bateu facilmente a cobertura com sua velocidade e anotou o touchdown de 76 jardas pra colocar fogo no jogo e na torcida, que precisava de uma big-play para se animar novamente. Porém Matt Stafford e o Lions tiraram um pouco do ímpeto das arquibancadas quando orquestaram o ataque de 2 minutos e nos últimos segundos do tempo, deram a Matt Prater a chance (convertida) de um FG de 37 jardas e foram para o intervalo vencendo por 17×7.

O segundo tempo foi completamente diferente da primeira metade e os ajustes que Jason Garrett fez surtiram efeitos quando, na primeira campanha, Stafford teve seu passe desviado na linha de scrimmage e a bola caiu no colo do LB Kyle Wilber, marcando assim a primeira interceptação da carreira do jovem defensor e explodindo o estádio em euforia pois finalmente era possível o Cowboys reduzir a vantagem para apenas uma posse.

O anti-clímax tomou conta do jogo quando o Cowboys não foi capaz de aproveitar a ótima posição de campo após a interceptação, pois um sack do DE Ziggy Ansah numa terceira descida matou a campanha e na sequencia o sempre confiável K Dan Bailey errou um FG de 41 jardas, fazendo o time sair zerado da campanha.O Lions foi capaz de aumentar a vantagem na sequencia com um FG de Matt Prater para colocar 20×7 no placar, mas a partir daí nada mais deu certo para o Lions.

Os já citados ajustes começaram a surtir efeito quando DeMarco Murray começou a correr pelas laterais e Dez Bryant começou a aparecer no jogo aéreo, visto sua recepção de 41 jardas, quando o LB DeAndre Levy o marcava e posicionou o time numa primeira para o gol; Em suas 3 tentativas normais a defesa do Lions mostrou seu valor e impediu a entrada de Murray,mas numa 4&1 da linha de 1 jarda, o melhor corredor da temporada cortou para a esquerda e invadiu a endzone, marcando assim 20×14 e a tão esperada diferença de uma posse, isso na casa dos 3 minutos por jogar no terceiro período.

Para quem torce pro Colts a algum tempo e viu Jim Caldwell treinar a equipe de Indiana (como o que vos escreve), o que se viu foi o replay de outros tempos: um playcalling medroso por parte do Lions, apenas tentando gastar o relógio sem preocupação nenhuma em colocar a diferença em 2 posses de bola adentrando no quarto período. Enquanto Joique Bell e Reggie Bush monopolizaram o ataque, Tate e Megatron assistiam o  jogo e nada faziam.

O resultado disso era esperado, um FG de 51 jardas de Bailey colocou o jogo com o placar de 20×17 com 12 minutos por jogar, mas não foi capaz de mudar a cabeça de Caldwell; Corridas, corridas e corridas foram a tônica do ataque no período final. O auge foi uma situação de 4&2 já no campo de ataque, por volta de 5 minutos do fim, onde Caldwell mandou seu ataque para o campo, mas apenas na tentativa de induzir uma falta da defesa e assim a primeira descida automática, mas acabaram indo para o punt mesmo e dando a chance de consagração para Tony Romo.

Consagração que veio na campanha onde finalmente a OL do time foi aquela da temporada regular e Romo mostrou a resiliência que lhe é característica sobrevivendo no pocket e estendendo as jogadas ao máximo possível onde, numa síntese de tudo isso, a menos de 3 minutos do fim, Romo conectou Terrance Willians para o touchdown da virada, 24×20.

Matthew Stafford, dono de um invejável recorde de 0-18 em jogos fora de casa contra times com recorde positivo (o caso desse), tinha a chance da redenção e de guiar o time para a campanha da vitória e a classificação para os divisionais, porém começou mal, sofrendo um fumble recuperado pelo DE Demarcus Lawrence que, num típico lance de novato, tentou conquistar jardas após a recuperação e sofreu outro fumble, recuperado pela OL do Lions dando outra chance para o ataque.

Mas a consagração para o jovem não demorou: Com um minuto por jogar e a bola no meio campo, o Lions encarava uma quarta descida para 3 jardas, foi quando Lawrence bateu o LT R. Reiff, forçou o fumble e ainda o recuperou, dessa vez fazendo o certo: caindo sobre a bola e selando assim a vitória do Dallas Cowboys para alegria de Jerry Jones que vibrava nos camarotes do estádio.

O Detroit Lions terá algumas decisões a tomar nessa offseason, já que não contam com muita folga no teto salarial. O DT Ndamukong Suh será free agent bem como o WR Calvin Johnson, que pesará muito no teto salarial e conviveu com lesões na temporada que passou.

O Dallas Cowboys viaja para Wisconsin, onde visitará o Green Bay Packers (Domingo,16:05) brigando pela vaga no NFC Championship Game, em jogo que marcará o primeiro reencontro dos times em playoffs desde o famoso “Ice Bowl”, o jogo mais gelado da história da NFL.

Obrigado pela leitura.

 

Compartilhe

Leave A Reply