terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Compartilhe

Meu nome é Gabriel Plat e eu odeio odiar o New England Patriots.

Quando comecei a acompanhar o futebol americano de fato, o New England Patriots já era uma das grandes potências da Conferência Americana e, obviamente, da NFL. O time chegou ao Super Bowl XLVI em uma revanche contra o New York Giants e perdeu, em um dos últimos dos 10 anos que marcariam a “seca” entre seu terceiro e quarto anel.

Repare bem que a palavra seca foi colocada entre aspas. Não é para menos: é até ridículo chamar um período desses de seca olhando o restante da liga. Somente dentro da divisão de New England, já são 44 anos desde que o Miami Dolphins levantou o Troféu Lombardi e 50 do New York Jets. Já o Buffalo Bills precisou de 17 anos para simplesmente voltar aos playoffs, algo que o Patriots consegue ir a todo ano.

Enquanto o New England Patriots segue quebrando recordes que você só conseguia derrubar jogando Madden — e voltando algumas partidas que você perdeu que nós sabemos bem –, o resto da liga tenta copiar o sucesso do time em vão. Já são 17 anos que o Patriots domina a NFL e ninguém sequer chegou a ameaçar essa soberania.

É difícil odiar um time de tanto sucesso quanto o Patriots tem dentro de campo. Sim, há os escândalos do deflategate, do spygate, a tuck rule e algumas chamadas estranhas da arbitragem a favor de New England, mas vamos deixar isso de lado aqui. Acho irresponsável creditar o sucesso de quase duas décadas de um time que gira em torno de um quarterback e um técnico que estão entre os melhores da história em teorias de conspiração onde a liga favorece apenas uma equipe.

A verdade é que todos nós sentimos inveja de um time que se classifica aos playoffs todos os anos e já chegou a sete finais de conferência consecutivas, sem falar dos jogos de Super Bowl. Se você não torce pro Patriots, provavelmente deve estar pensando que é muito fácil torcer para um time assim e que torcedor de verdade é você que torce para um time que não está tão bem nos dias de hoje. Mas vamos ser sinceros: você queria estar no lugar deles. Eu também queria.

Tudo que eu mais quero na NFL é que meu time seja o próximo a liderar uma dinastia e colecionar troféus, humilhando meus rivais que sempre buscam se reinventar e no fim sempre estarão com a televisão ligada em fevereiro torcendo contra o meu time. Hoje é o torcedor do New England Patriots que tem esse luxo.

Como uma das vítimas da dinastia do Patriots, eu torço para que ela acabe. Todos os anos, eu, você e mais milhões de fãs da bola oval torcem pelo fracasso deles. Torcem para o Brady envelhecer. Torcem para o Belichick se aposentar. Tudo para que a liga volte a ficar mais equilibrada e, assim, o meu e o seu time possam tentar triunfar sem maiores problemas.

O problema é que isso não acontece. Nunca.

É difícil odiar o Patriots. As temporadas consecutivas com mais vitórias do que derrotas, as finais seguidas de conferência, as reações do time no fim dos jogos, o 28 a 3. Por mais que a gente torça contra, simplesmente não somos capazes de fazer nada além de ver a história sendo escrita.

Diante de tudo isso, eu digo que odeio odiar o Patriots. Eu odeio odiar um time que, deixando tudo de lado, tem o sucesso que eu adoraria que o meu time conquistasse.

Compartilhe

3 Comentários

  1. Mas eu digo uma coisa, seria histórico o Eagles ‘underdog’ (azarão) ganhar esse Super Bowl em cima do todo poderoso Patriots ‘batoteiros’!

  2. Haaaa q raiva. Fiquei sem nenhum entusiasmo pra assistir eagles x vikings. Tava dando tudo certo, mas no fim deu pats. Que time miserável. Não é possível q tenha existido um jogador melhor e mais decisivo q Brady. Pelo menos, quando a dinastia acabar, e o ódio passar eu terei alegria em dizer “Cara, eu vi esse incrível time, com o melhor jogador da história e o melhor técnico da história jogar”. Por mais contraditório q isso seja.

Leave A Reply