quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Compartilhe

2012NFLOffseasonImage

Após as notas e análise dos times da AFC, hoje é a vez de olharmos para os 16 times da NFC e determinar qual foi melhor ou pior. Mesmo sem movimentação dentro do campo, não quer dizer que as franquias não deixaram de trabalhar; foram contratações, renovações, dispensas e novos jogadores selecionados no Draft durante esse período. Como a Offseason é decisiva para a temporada regular, não poderíamos deixar e fazer essa análise minuciosa; confira a nossa opinião sobre as equipes da NFC:

Leia Mais: Notas e Análise do Draft de 2015 – NFC

Leia Mais: Notas e Análise da Free Agency de 2015 – NFC

NFC LESTE

Dallas Cowboys

DAL

A principal arma ofensiva da equipe ano passado, o RB DeMarco Murray, não está mais em Dallas e a franquia precisou se virar para manter o time em um nível competitivo. A contratação de Darren McFadden para o setor não foi a mais perfeita do mundo, pelo contrário, o jogador vem de temporadas ruins e tem um histórico de lesões que preocupam; quem largou na frente na disputa pela posição é o RB Joseph Randle, que teve algumas boas aparições em 2014. O grande movimento do Cowboys na Offseason foi a renovação de contrato do WR Dez Bryant; ele é um dos três melhores WRs da NFL e a franquia fez muito bem em garanti-lo por mais cinco anos. Na defesa, a contratação do DE Greg Hardy foi bastante útil; mesmo suspenso pelos quatro primeiros jogos do ano, se ele atuar do mesmo jeito que atuou em 2013, o Cowboys terá um grande nome. A escolha do CB Byron Jones no Draft foi um pouco questionável; nesse início de Training Camp ele não está entre os titulares e poderiam ter buscado um nome melhor na posição ou buscar um RB. Em compensação, a equipe de Dallas conseguiu escolher o LB Randy Gregory na segunda rodada e, com a volta de Sean Lee, o front seven da equipe vai melhorar bastante. A já excelente linha ofensiva ganhou o reforço do OT La’el Collins, que não foi selecionado por nenhum time no Draft e acabou assinando com o Cowboys.

Nota: 7

Philadelphia Eagles

PHI

O furacão Chip Kelly trabalhou muito durante a Offseason. A troca do RB LeSean McCoy pelo LB Kiko Alonso (ex-Bills) foi apenas a primeira ação do treinador; desde então, o QB Nick Foles, o WR Jeremy Maclin, o CB Brandon Boykin, o LB Trent Cole, o CB Bradley Fletcher e o OG Evan Mathis foram embora e a franquia passará por uma renovação nos principais setores. Para a posição mais importante do ataque, o Eagles trouxe Sam Bradford e Tim Tebow para disputarem a vaga de titular com Mark Sanchez – o primeiro é o favorito para assumir a posição, ele precisa apenas ficar saudável –, o RB DeMarco Murray foi a grande contratação da Offseason e, ao lado do também recém-chegado Ryan Matthews, será o pesadelo das defesas contra o jogo terrestre. A franquia buscou no Draft um substituto para Maclin e o WR Nelson Agholor foi o escolhido; dono de uma velocidade e agilidade incrível, o atleta pode ser o grande alvo em profundidade do time, enquanto Jordan Matthews cuidará das rotas mais curtas. Na defesa, o CB Byron Maxwell (ex-Seahawks) chegou à peso de ouro e precisa provar o alto valor depositado em sua conta. De todas as mudanças na equipe, a linha ofensiva foi a mais prejudicada; não houve contratações à altura para suprir a saída dos OGs Todd Herremans e Evan Mathis. A antes elogiada linha ofensiva do Eagles pode ter alguns problemas em 2015.

Nota: 8,5

New York Giants

NYG

Comandado pelo QB Eli Manning e o WR Odell Beckham Jr., o New York Giants foi uma das equipes que se comportou melhor durante a Offseason. Sem grandes baixas no elenco, a franquia aproveitou para reforçar os setores que precisavam de novos nomes; a contratação do RB Shane Vereen traz uma nova opção no ataque do time, ele é capaz de receber passes muito bem e complementa o grupo de corredores da equipe. Além dele, os LBs Jonathan Casillas e J.T. Thomas chegam para compor na rotação principal da posição e prometem ajudar bastante. O Draft do Giants foi um dos melhores; o OT Ereck Flowers foi selecionado para resolver os problemas da linha ofensiva, o SS Landon Collins, o melhor da posição no último Draft, foi um grande achado na segunda rodada, o DE Owamagbe Odighizuwa poderá ser uma grande surpresa logo nessa temporada e escolha do FS Mykkele Thompson foi importante para dar profundidade aos nomes da posição, já que o FS Antrel Rolle foi para o Chicago Bears e deixou um espaço vago na posição. A única notícia ruim para o lado azul de New York foi algo que aconteceu fora de campo; o DE Jason Pierre Paul se envolveu em um acidente com fogos de artifícios, teve que amputar o dedo indicador e deve desfalcar a defesa no começo da temporada.

Nota: 8,5

Washington Redskins

WAS

Lendo a análise da Free Agency, confesso que fui rigoroso demais com o time de Washington; o último colocado na divisão Leste da NFC foi uma boa surpresa na Offseason. A escolha do melhor jogador de linha ofensiva de todo o Draft, o OG Brandon Scherff, já começa a dar resultados logo nos primeiros treinos; trabalhando muito bem abrindo espaços para o jogo terrestres, podemos esperar uma grande temporada do RB Alfred Morris, além disso, a proteção ao QB, um grande problema nos últimos anos, parece que será resolvido pelo atleta e seus companheiros, Robert Giffin III tem que agradecer, e muito, pela escolha desse jogador no Draft. A franquia também selecionou o DE Preston Smith para se juntar aos recém-chegados Stephen Paea (ex-Bears) e Terrance Knighton (ex-Broncos). O Pass Rush do Redskins tem tudo para se sair bem na próxima temporada; além dos já citados acima, o OLB Ryan Kerrigan, um dos melhores da NFL, terá a companhia do LB Junior Galette que, se não for suspenso pelos problemas extracampo, formará uma bela dupla na defesa da franquia. A secundária deverá ser, novamente, um dos principais problemas na equipe; a contratação do CB Chris Culliver não resolve todas as deficiências, mas pelo que foi mostrado no período sem jogos, a equipe de Washington está no caminho certo.

Nota: 9

NFC NORTE

Green Bay Packers

GB

Com a “tradição” de não contratar nenhum nome na Free Agency, o Packers usou a Offseason para renovar ou alongar os contratos de alguns jogadores importantes. Existia a possibilidade do WR Randall Cobb ir para o mercado, mas a franquia decidiu mantê-lo para, ao lado de Jordy Nelson, formar uma das duplas de WRs mais perigosas da liga; além dele, o DT B.J. Raji também seria Free Agent, mas um novo contrato vai fazer com que o atleta fique em Green Bay por mais um ano, assim como o FB John Kuhn, um jogador muito usado nas jogadas de ataque. O Packers usou o Draft para repor as perdas principais da Offseason (CB Tramon Williams, LB A.J. Hawk e LB Brad Jones); a escolha de primeira rodada, o FS Damarious Randall, começou muito bem os treinamentos e deve ser titular logo no início da temporada, já o CB Quinten Rollins pode beliscar uma vaga como CB3 ou terá que se contentar em ficar na rotação principal (o que não é uma coisa ruim); o LB Jake Ryan, selecionado na quarta rodada, pode ser a grande surpresa da equipe na temporada de 2015 e elevar ainda mais o nível da defesa da equipe de Green Bay.

Nota: 7,5

Detroit Lions

DET

O Detroit Lions perdeu os dois principais DTs do time nesta Offseason: Ndamukong Suh e Nick Fairley. Para reforçar o setor, a única contratação de nome foi a de Haloti Ngata (ex-Ravens), isso pode significar uma queda no rendimento da defesa em 2015. Em compensação, o grande destaque do setor defensivo, o LB DeAndre Levy, teve o seu contrato estendido pela franquia e continuará sendo um dos melhores da NFL em sua posição por mais alguns anos. Sem muitas aquisições no período, o Lions manteve a “espinha dorsal” do time, escolheu o OG Laken Tomlinson no Draft para melhorar a linha ofensiva e ainda selecionou o RB Ameer Abdullah para disputar a titularidade com Joique Bell. A franquia de Detroit foi bem tímida na Offseason de 2015 e podemos esperar um rendimento parecido com o de 2014 na próxima temporada, mas é sempre bom lembrar que o WR Calvin “Megatron” Johnson está no time e se ele resolver atuar que nem em 2012, será difícil segurar o ataque.

Nota: 6

Minnesota Vikings

MIN

Candidato a grande surpresa da temporada de 2015, o Minnesota Vikings trabalhou muito bem na Offseason, tem um time pronto para lutar de igual para o igual com os rivais de divisão e chegar aos playoffs. A principal contratação foi a do WR Mike Wallace – o atleta já teve grandes momentos jogando pelo Steelers e, após um ano bem abaixo do esperado no Dolphins, ele será o alvo em profundidade perfeito para o QB Teddy Bridgewater. A volta da estrela da franquia, o RB Adrian Peterson, ajuda a jogar as expectativas para o alto, além dele, a escolha do CB Trae Waynes, o melhor do Draft na posição, na primeira rodada vai ajudar bastante o rendimento da secundária. Não é só Waynes que merece destaque; o LB Eric Kendricks, selecionado na segunda rodada, pode formar uma dupla excelente com o LB Anthony Barr e o OT T.J. Clemmings promete ajudar na proteção ao QB da franquia. Sem perder grandes jogadores e com um Draft muito sólido, o Vikings merece ser elogiado e observado ao longo da temporada.

Nota: 10

Chicago Bears

CHI

O Chicago Bears, a grande surpresa negativa da última temporada, procurou juntar os cacos na Offseason para voltar a ser competitivo dentro da divisão. A primeira mudança foi a chegada do técnico John Fox (ex-Broncos) para comandar o time; porém, alguns veteranos foram embora, como o LB Lance Briggs, o CB Charles Tillman, o FS Chris Conte, o DT Stephen Paea e o WR Brandon Marshall. Para ocupar os espaços deixados por esses atletas, a franquia trouxe o WR Eddie Royal para trabalhar no “slot”, o FS Antrel Rolle – por muitos anos a grande referência da secundária do Giants – e o LB Pernell McPhee. Além das contratações pontuais, o Bears também usou o Draft para reforçar o elenco; o WR Kevin White, selecionado na primeira rodada, terá a companhia de Alshon Jeffery e tem todas as qualidades para ser um dos grandes recebedores num futuro próximo; o calouro DT Eddie Goldman chega para brigar pela vaga que era de Paea na equipe titular. Passando por uma grande reformulação, o saldo do Chicago Bears na Offseason de 2015 pode até ser considerado positivo.

Nota: 7,5

NFC SUL

Carolina Panthers

CAR

A equipe de Carolina preferiu não ser tão intensa na Offseason. A notícia mais impactante vindo do Panthers foi a renovação de contrato do QB Cam Newton, que vai receber um bom dinheiro e ficará por mais cinco anos na franquia que o selecionou em 2011. A dispensa do RB DeAngelo Williams já era esperada, já que Jonathan Stewart mostrou ser perfeitamente capaz de assumir a titularidade. Mesmo sem ter atuado ano passado, o DE Greg Hardy seria importante para a defesa em 2015 e a sua saída não será 100% superada. A franquia fez um Draft muito bom e procurou reforçar algumas posições onde já possuíam bons valores; o LB Shaq Thompson, escolha de primeira rodada, jogará ao lado de Luke Kuechly, Thomas Davis e terá totais condições de mostrar o seu mais alto nível de atuação; na segunda rodada, o WR Devin Funchess, de 1,93 de altura, chega para formar, ao lado de Kelvin Benjamin as “torres gêmeas” do ataque do Panthers, que ainda conta com o TE Greg Olsen, um dos cinco melhores na posição atualmente.

Nota: 7,5

New Orleans Saints

NO

A Offseason foi bem complicada para o New Orleans Saints. Após ficar em uma situação delicada com o teto salarial, a franquia acabou tendo que liberar alguns de seus principais atletas, como o TE Jimmy Graham, o OG Ben Grubbs e o WR Kenny Stills; com isso, o ataque da equipe ficou bem debilitado, contando apenas com o jovem WR Brandin Cooks e o experiente WR Marques Colston, mas, em compensação, a chegada do C Max Unger ajuda a melhorar a linha ofensiva que às vezes dá dor de cabeça à Drew Brees. A contratação do CB Brandon Browner foi excelente para melhorar a secundária e, após dois títulos de Super Bowl seguidos, se espera muito do atleta. A franquia usou bem o Draft e, na primeira rodada, trouxe o OT Andrus Peat, na segunda, o LB Stephone Anthony e na quarta, o CB P.J. Williams; os três jovens atletas deverão ser titulares em suas posições ou serão peças chaves na rotação principal. O ataque aéreo do Saints talvez não será tão eficiente em relação aos anos anteriores, mas o jogo terrestre comandado por Mark Ingram e o recém-chegado C.J. Spiller dará um resultado imediato na temporada que se aproxima.

Nota: 7

Atlanta Falcons

ATL

Após dois anos longe dos playoffs, o Atlanta Falcons quer voltar a ser importante na NFL e para isso contratou Dan Quinn, ex-coordenador defensivo do Seattle Seahawks, para ser o novo técnico. O primeiro período da Free Agency não foi muito bom para a franquia; o WR Harry Douglas não era um dos destaques, mas era importante no ataque, além dele, o RB Steven Jackson também foi embora, porém ele não estava produzindo como o esperado e não vai fazer falta. A defesa, uma das deficiências da equipe de Atlanta, perdeu o DE Osi Umenyiora e o LB Sean Weatherspoon. Em contrapartida, o Draft da franquia foi um dos melhores; o LB Vic Beasley, escolhido na primeira rodada, pode atuar tanto como DE ou como OLB e tem muito potencial para crescer na liga profissional; o CB Jalen Collins vai brigar para ser titular ao lado do ótimo Desmond Trufant; o RB Tevin Coleman foi um achado na terceira rodada e vai disputar a titularidade com Devonta Freeman. Além dos três, todos os outros quatro atletas selecionados pelo Falcons têm capacidade para serem donos da posição ou brigarem pela vaga; se não fosse pelo fraco início da Offseason, a franquia teria uma nota mais alta.

Nota: 6,5

Tampa Bay Buccaneers

TB

A equipe com a pior campanha em 2014 precisou mudar algumas coisas para ter o mínimo de respeito dentro da divisão. O DT Henry Melton (ex-Cowboys) já trabalhou com o técnico Lovie Smith e foi contratado para reforçar a linha defensiva da franquia; o FS Chris Conte, outro velho conhecido do Head Coach, chega para tentar resolver os problemas na secundária. Com a primeira escolha geral no Draft, o Buccaneers selecionou o QB Jameis Winston; ele iniciou os treinamentos em ótima forma, parece estar preparado para acionar os WRs Mike Evans e Vincent Jackson e ter uma boa temporada de calouro na liga profissional. A franquia também usou o Draft para tentar resolver os problemas da linha ofensiva; os jovens OT Donovan Smith e C Ali Marpet devem ser titulares, mas a falta de experiência pode complicar a vida de Winston no pocket. Faltaram alguns reforços mais importantes na defesa, mas a equipe parece no caminho certo para se reconstruir e voltar a ter boas temporadas.

Nota: 6,5

NFC OESTE

Seattle Seahawks

SEA

Se houve algum time que se movimentou bastante fora de campo foi o Seattle Seahawks. Antes da janela de transferências abrir, a franquia fechou a renovação do contrato da grande estrela do ataque, o RB Marshawn Lynch; logo nos primeiros minutos também conseguiu uma troca e trouxe o TE Jimmy Graham para ser o alvo preferido de Russell Wilson. Falando no QB, ele teve uma merecida renovação de contrato e tem mais cinco anos para jogar em Seattle; no dia seguinte, outro atleta importante também teve seu acordo renovado: o LB Bobby Wagner, um dos três melhores da NFL em sua posição. Para suprir a saída do CB Byron Maxwell, a franquia trouxe o CB Cary Williams (ex-Eagles) para ser o novo componente da “Legion of Boom”. No Draft, o maior destaque foi a escolha de terceira rodada, o WR Tyler Lockett, um atleta muito rápido que além de retornar chutes, poderá ser um bom alvo em profundidade no ataque.

Nota: 8,5

Arizona Cardinals

ARZ

A franquia de Arizona por pouco não teve resultados melhores em 2014; se o QB Carson Palmer não se machuca, a equipe teria chances de chegar até uma final de conferência. Para evitar uma nova lesão, o OT D.J. Humpries foi selecionado na primeira rodada do Draft com a única missão de proteger o QB do Cardinals. Além do jogador de linha ofensiva, a escolha do RB David Johnson na terceira rodada foi importante, já que o time não tem um RB de confiança no elenco e ele pode ocupar esse espaço. No primeiro período da Free Agency, a franquia trouxe o OG Mike Iupati (ex-49ers) para também ajudar na proteção, o DE Cory Redding e os LBs Sean Weatherspoon e LaMarr Woodley para reforçar ainda mais a forte defesa da equipe; a grande baixa foi a saída do CB Antonio Cromartie. O Cardinals está sendo pouco falado, mas não podemos descartá-los da briga pelo título da divisão Oeste da NFC, uma Offseason sólida é o segredo para ter uma boa temporada.

Nota: 8

St. Louis Rams

STL

Além do Minnesota Vikings, o St. Louis Rams pode ser considerado um dos candidatos a surpresa da próxima temporada. A troca do QB Sam Bradford pelo QB Nick Foles (ex-Eagles) pode ser um bom negócio, já que o antigo titular não conseguia se manter saudável dentro de campo; além dele, o DT Nick Fairley também foi contratado para ajudar a formar um linha defensiva assustadora para os adversários. O Draft do Rams também foi muito bom; o RB Todd Gurley, selecionado na primeira rodada, tem todas as características para ser um dos melhores atletas na posição, será titular e esperamos um grande ano do calouro, mesmo vindo de uma contusão séria no joelho. Além do corredor, a franquia de St. Louis não mediu esforços para investir na proteção ao QB; foram quatro atletas de linha ofensiva escolhidos no Draft para dar profundidade ao setor. Com uma base bem jovem, o Rams pode se tornar uma grande força na NFC Oeste.

Nota: 9,5

San Francisco 49ers

SF

É bem complicado falar sobre a Offseason do San Francisco 49ers. Foram muitas perdas nesse período; o DE Justin Smith e os LBs Patrick Willis e Chris Borland se aposentaram, o OG Mike Iupati foi embora, assim como o RB Frank Gore, os CBs Chris Culliver e Perrish Cox e o WR Michael Crabtree; sobrou até para o Punter Andy Lee, um dos melhores da NFL, que foi trocado para o Cleveland Browns. É impossível um time de futebol americano se reestruturar após tantos nomes importantes deixarem o time, isso fica mais difícil ainda quando o Jim Tomsula, técnico do time, terá a sua primeira oportunidade como Head Coach. Os pontos positivos da Offseason para o 49ers foram as contratações do WR Torrey Smith, que reeditará uma dupla de respeito com Anquan Boldin, e a chegada do DT Darnell Dockett, que pode oferecer alguma pressão aos QBs adversários. Os principais nomes no Draft foram o DT Arik Armstead – jogador que precisa evoluir para ser titular na posição –, o LB Eli Harold e o SS Jaquiski Tartt. A temporada de 2015 será bem difícil para a tradicional franquia de San Francisco.

Nota: 4

Deixe a sua opinião nos comentários e continue acompanhando a melhor cobertura diária da NFL em português aqui na Liga dos 32!!!

Compartilhe

Comments are closed.