sexta-feira, 6 de novembro de 2020

Compartilhe

Ser o atual campeão da NFL, com o melhor QB da liga, ter discutivelmente o melhor TE e contar com o recebedor mais rápido do país. É difícil imaginar que o ataque do Kansas City Chiefs possa ainda ter cartas na manga para melhorar nesta temporada. No entanto, Andy Reid achou uma fórmula melhorada para avançar a bola após ter ganho o Super Bowl, e não vamos falar dos screens (que já foram parte de um artigo sensacional aqui do site, e que vale a pena conferir antes de continuar para esse texto). Vamos analisar que fórmula é essa.

O jogo corrido no ano passado era muito mais uma descida de “descanso” do que uma chamada para punir as defesas. Esse ano a situação mudou, e dá para notar em um ponto muito interessante. A equipe está se utilizando do jogo terrestre para vencer jogos importantes, como foi o caso contra o Denver Broncos na neve e a boa defesa do Buffalo Bills. Onde Patrick Mahomes não precisou fazer grandes números para adicionar a vitória no calendário.  No fio abaixo, é mostrado um resumo do porquê a equipe de Nova Iorque sofreu 245 jardas. Mas muito pelo fato de Kansas City possuir excelentes armas aéreas, mas acima de tudo, ter colocado seu jogo corrido para vencer jogos.

Resumindo, o foco da defesa de Buffalo estava em parar os recebedores, e assim, esses jogadores acabaram ficando em posições desfavoráveis para defender e tacklear no jogo terrestre. A linha ofensiva só precisou bloquear de fato a linha defensiva do Bills, e os atletas de segundo nível eram “bloqueados” pelos recebedores correndo rota ou abertos pelo campo.

Depois de 8 jogos, são 222 tentativas de corrida para 993 jardas. No ano passado todo, foram 378 tentativas no jogo terrestre. A adição de Clyde Edwards-Helaire, que foi um Running Back que trabalhou em um sistema muito semelhante em LSU, com várias leituras em corridas por zona e bloqueios duplos, e a melhora na linha ofensiva nessas corridas por zona, vem se apresentando como a principal melhora do time do Missouri em 2020.

 

 

 

Ter esse jogo corrido melhorado, acaba por criar melhores situações no RPO (Run-Pass-Option), pois de nada adianta ter esse conceito de ameaça nos dois tipos de jogada, se a equipe não consegue correr com a bola de fato. Mas possuir uma arma pelo chão que renda, é uma oportunidade de potencializar o braço de Mahomes no RPO e a de armas no meio do campo como Travis Kelce, e no perímetro em Tyreek Hill e Mecole Hardman.

Antigamente, vários defensores após o snap eram instruídos a darem passos para trás com o intuito de fechar o passe e somente depois focar em algum estímulo de corrida (ficando a cargo dos DLs esse primeiro combate, apenas), graças ao pobre jogo corrido de Kansas City. E isso matava alguns conceitos como a rota over de Kelce que era dobrado com um LB e um safety na marcação. Agora com a ameaça real do jogo terrestre, esses defensores não podem se dar ao luxo de apenas recuar e deixar a DL para parar o corredor (como bem mostrado no tweet sobre a partida contra o Buffalo Bills).

Kelce se aproveitou de vários espaços e na movimentação da defesa de Nova Iorque para construir quase uma campanha só sua, finalizando com o TD recebendo um shovel pass. Parece até que Andy Reid e Eric Bienemy seguraram esse touchdown para coroar o belo drive do camisa 87 dentro do que eles esperavam da defesa de Greg Williams em se organizar para parar o jogo corrido.

A contratação de Le’Veon Bell é mais um indício que a equipe está querendo correr melhor com a bola. E contra o Jets ele já começou a ser acionado junto com vários RPOs e movimentações diferentes no backfield Além desse jogador ser uma arma recebendo os famosos screens.

Devido ao fato de algumas equipes terem percebido que Andy Reid está correndo mais com a bola, as defesas estão instruindo seus Linebackers a serem mais agressivos nos estímulos pós snap, e assim, cria-se espaços para atacar com rotas mais uma ação de corrida. E essa partida contra o Jets mostrou um futuro para quem estiver disposto a parar esse jogo corrido.

O vídeo acima mostra perfeitamente o RPO com corrida em zona mais a rota stick (que é um gancho que se posiciona no espaço no meio da defesa, a depender de onde abra) de Kelce, se aproveitando do espaço deixado pelos LBs que foram combater o estímulo de corrida. Adicione a mágica de Mahomes conseguir esses passes olhando para um lado e lançando para o outro e aí temos boas jardas.

Travis Kelce deve se tornar ainda mais importante no ataque com a evolução do jogo corrido

Começaremos a ver um ataque talvez mais perigoso que o do ano passado, pois Mahomes continua sendo Mahomes e Andy Reid está mais criativo do que nunca e agora temos um jogo corrido perigoso e sendo construído para dar certo. Agora cabe as defesas saírem do “fazer a mesma coisa” e procurar variar seus alinhamentos e movimentações para trazer decisões erradas, tanto de Reid, quanto de Mahomes. Caso contrário, veremos a equipe destruir defesas em um caminho para a final de conferência.

Compartilhe

Leave A Reply