sexta-feira, 29 de junho de 2018

Compartilhe

A sensação em San Francisco é de esperança, para não dizer êxtase. Os últimos cinco jogos da temporada de 2017 deixaram a torcida estupefata. A chegada de Jimmy Garoppolo à equipe não melhorou apenas o ataque, até a defesa passou a jogar melhor. Isso tudo chegando no meio da temporada, sem conhecer o livro de jogadas do time e com pouca (para não dizer nenhuma) sinergia com os outros jogadores. Foram 5 finais de semanas mágicos para o torcedor do 49ers. Essa sequência trouxe, além da esperança ao torcedor, um contrato muito gordo ao antigo reserva do Patriots (5 anos e 137,5 milhões de dólares). A expectativa está alta sobre o jogador, sem dúvidas.

Mas tirando toda a empolgação de lado, vamos tentar fazer uma análise um pouco mais fria e com a cabeça no lugar sobre o que Garoppolo fez no final do ano passado.

Se olharmos puramente os números apresentados pelo atleta nos jogos que foi titular, uma pulga pode surgir atrás da orelha dos mais desconfiados. Seus números não são lá muito atrativos. Nestes 5 jogos como titular, foram 1.542 jardas lançadas para 6 touchdowns e 5 interceptações, passer rating de 94, com 176 tentativas de passe e 67,1% de aproveitamento. Uma comparação que surgiu com força foi com os últimos 5 jogos de Colin Kaepernick com a titularidade em San Francisco. Seus números foram até melhores em alguns quesitos que Garoppolo: 164 tentativas de passe completando 64,6%, 1.093 jardas para 9 touchdowns e apenas 2 interceptações, com um passer rating de 96.9. Mas essa análise é completamente superficial, afinal pontuações individuais muitas vezes não refletem o que foi feito dentro de campo.

Existem duas estatísticas bem interessantes que ilustram melhor o que aconteceu nos últimos 5 jogos da temporada passada. A quantidade de jardas por drive conta a média de jardas ganhas por posse de bola do time no ataque. Encabeçando a liga nesta medida está o New England Patriots com um avanço médio de 39,23 jardas por drive de ataque do time, enquanto a lanterna é ocupada pelo Chicago Bears, com média de 25,64 jardas. O San Francisco 49ers está acima da média na lista, na 13ª posição com 30,49 jardas em média por ataque, um pouco abaixo do Jacsonville Jaguars (31,1 de média).

Outra medida interessante é a quantidade de pontos por drive. Seguindo a mesma lógica, é a média de pontos que o time marca por jogada de ataque. Novamente a liderança ficou com com o Patriots, marcando 2,69 pontos em média por posse de bola no ataque. A última posição foi do Cleveland Browns, com 1,24 pontos de média por ataque do time. O 49ers ficou novamente pelo meio da tabela, desta vez um pouco abaixo da média, ocupando a 17ª posição com 1,81 pontos de média.

Podemos concordar que estas duas métricas exibem com muito mais precisão o desempenho do ataque de um time, em comparação a apenas verificar número de pontos, número de jardas e número de jogadas sem aplicar relacionamentos entre eles. Mas OK, se foi explicado aqui que essa análise é sobre o ataque como um todo, o que Jimmy Garoppolo tem a ver com isso? Tudo.

Dividindo a temporada do 49ers entre antes de Garoppolo e depois de Garoppolo a mudança nesses números foi extrema. Lembra da 13ª posição ocupada pelo 49ers na média de jardas por drive de ataque? A média antes de Garoppolo (nos primeiros 11 jogos) foi de 26,64 jardas, ocupando a mísera 26ª posição na liga. Já considerando a média dos últimos 5 jogos, com Garoppolo liderando o ataque, a média de jardas por posse foi de 42,12, passando a do Patriots e assumindo a ponta. No gráfico, em azul destacado está a média do 49ers na temporada regular. Em vermelho e com a legenda de SF (S) o desempenho do time nos 11 primeiros jogos, enquanto em verde e com a legenda de SF (C) o desempenho do time com Garoppolo no ataque.

A diferença na a quantidade de pontos por posse de bola no ataque foi semelhante. Antes do camisa 10 assumir a titularidade, a média foi de 1,41 pontos, posição 28 dentre as 32 franquias. Já nos 5 jogos finais, a média subiu para 2,93 pontos (praticamente um field goal por drive), assumindo a primeira colocação também nesse quesito. O gráfico segue o mesmo padrão do anterior.

Isso quer dizer que o 49ers liderado por Jimmy Garoppolo tem o melhor ataque da liga? Não é bem assim. A média que aponta o 49ers como líder nos dois indicadores é apenas sobre 5 jogos. A amostragem é muito pequena para ser tirada qualquer conclusão. Mas independente disso a evolução é espetacular. Se o time terminou no “meio da tabela” nessas duas métricas grande parte da culpa está nas mãos do quarterback.

Além disso, outros números mostram a evolução do desempenho do time como um todo após a chegada do jogador. Alguns valores mais básicos são mostrados abaixo, com a diferença entre os resultados nos 11 primeiros jogos para os 5 últimos. Novamente, a amostragem da parte final é menor (o que pode mascarar a realidade) mas a evolução é evidente. A tabela abaixo mostra a diferença de desempenho em pontos, jardas, primeiras cedidas, e turnovers, tanto conquistados quanto sofridos.

 

Sem Garoppolo Com Garoppolo
Pontuação 49ers 17,00 28,80
Oponente 25,82 19,80
Ataque Primeiras descidas 18,55 23,40
Jardas totais 321,73 409,60
Jardas aéreas 221,82 297,00
Jardas terrestres 99,91 112,60
Turnovers 1,70 1,50
Defesa Primeiras descidas 22,45 19,20
Jardas totais 374,18 301,80
Jardas aéreas 244,64 214,60
Jardas terrestres 129,55 87,20
Turnovers 1,44 1,75

 

Ou seja, não foi só o ataque que melhorou. Todos os números do time melhoraram. Quando o ataque fica mais tempo em campo a defesa consegue jogar melhor, mais descansada e com menos pressão. Quando existe a preocupação com o jogo aéreo, o time tem mais espaço para correr. Além disso, era visível a mudança do ambiente e da vibração dos jogadores em campo, a mentalidade e a própria energia do time se transformaram (para melhor) com a chegada de Garoppolo. Não é a toa que o quarterback é o jogador mais importante do esporte e sem dúvidas é um momento mágico quando uma franquia encontra o seu para o futuro.

Compartilhe

Leave A Reply