quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Compartilhe

O Green Bay Packers foi oficialmente eliminado matematicamente de qualquer pretensão para alcançar os playoffs da temporada 2018-2019 após a derrota para o Chicago Bears, no último domingo (16), na Semana 15.

Uma das equipes com maior potencial da liga e uma das instituições mais fortes acabou tendo uma saída precoce nesta temporada. É tempo de reflexão em Green Bay, e este site tentará ajudar o torcedor a entender os principais motivos que levaram ao fracasso desta temporada.

“Nós apenas não fizemos “big plays” suficientes ao longo do ano. É por isso que a porcentagem de acertos é o que é, as jardas por tentativa são o que são, os touchdowns são onde o que são. Isso é decepcionante”

Aaron Rodgers – após a derrota para o Chicago Bears

Leia Mais: Rastreando Draftados – Darnold vai bem contra o Texans

Leia Mais: O colapso do Carolina Panthers

 

1. 0-7: Derrotas em todos os jogos fora de casa

UPI.com

Washington Redskins (17-31), Detroit Lions (23-31), Los Angeles Rams (27-29), New England Patriots (17-31), Seattle Seahakws (24-27) e Chicago Bears (17-24). Variando entre distância no placar e jogos com desempenhos em níveis diferentes, o fato estatístico segue o mesmo: O Green Bay Packers não venceu nenhum jogo disputado fora do Lambeau Field. São seis derrotas em seis jogos fora de casa, representando a fragilidade da equipe quando atua fora de seus domínios. Vale ressaltar a frequência de turnovers cometidos nestes mesmos jogos: contra o Detroit Lions, no dia 7 de outubro (Semana 5), a equipe cometeu três turnovers, recorde de posses perdidas da equipe na temporada até o momento. Agora, já eliminado, a equipe terá apenas um jogo fora de casa restante nesta temporada regular, contra o New York Jets, no próximo dia 23 de dezembro.

A última vitória do Green Bay Packers na NFL atuando fora de seus domínios foi contra o Cleveland Browns, no dia 10 de dezembro de 2017.

 

2. McCarthy e Rodgers: Relação desgastada até a demissão do técnico

Sporting News

Um problema antigo que foi notado pela imprensa norte-americana desde a temporada passada, e que ficou ainda mais evidente após flagras das câmeras da CBS na sideline em 2017. na vitória do Packers contra o Bengals. Após ter sofrido um sack no 3º quarto de jogo, Rodgers olhou para Mike McCarthy e proferiu xingamentos ao técnico, mandando-o “parar com estas chamadas de m…”. Nesta temporada, na Semana 6, contra o San Francisco 49ers, em jogo noturno do Monday Night Football, o quarteback titular confessou que haviam conflitos na visão de jogo entre ele e o técnico principal da equipe. Isto acontece devido a experiência de Aaron Rodgers, cujo acaba dando-lhe “crédito” para ditar parte das jogadas ofensivas de sua equipe durante as partidas, recebendo uma liberdade além do comum do que um quarterback recebe para orientar as ações ofensivas. Segundo reportagem apurada pela Sports Illustrated, a relação entre ambos e mais membros da comissão técnica acabaram desgastando-se a cada semana, e principalmente, a cada nova derrota da temporada atual, até culminar na demissão do técnico Mike McCarthy após a derrota para o Arizona Cardinals (17-20).

 

3. Problema defensivo: Tackles e sacks insuficientes

Packers Wire – USA Today

A parte defensiva do Green Bay Packers também contribuiu para o fracasso da equipe na atual temporada. Após a derrota no último domingo para o Chicago Bears (17-24), a qual sacramentou a eliminação da equipe na pós-temporada, o Packers tornou-se líder em sacks cedidos em 3ªs descidas dentre todos os times da NFL, e esta estatística é um velho problema em Green Bay nos últimos anos. Nas temporadas 2015 (29) e 2017 (23), o time também acabou liderando este ranking negativo, e na temporada 2018, alcançou a marca de 28 sacks cedidos: Segundo levantamento da Packers Wire, dentre estes sacks, 7 foram cedidos contra blitz adversárias, 5 sacks foram de duas jardas ou menos, 7 sacks foram de dez jardas ou mais, 9 sacks foram dentro da linha de 25 jardas e 11 sacks foram cedidos após Aaron Rodgers segurar a bola por muito tempo, sem opções de jogada.

 

4. Aaron Rodgers muito abaixo de seu potencial

O gráfico acima representa a carreira do quarterback Aaron Rodgers em cinco fundamentos, nas suas cinco temporadas mais recentes. Tomando como base o mesmo, nota-se que o mesmo tem apresentado uma queda constante desde desde 2016, e ainda que apresente alguns números superiores em relação à temporada passada, Rodgers falhou no objetivo de levar o Packers para o playoffs e tornar o time competitivo, algo que aconteceu em 2017. Por conta disto, o confiável ESPN Quaterback Rating aponta a temporada 2018 de Rodgers como a pior e sua carreira, com apenas 54.8% de confiança em seu jogo. Na temporada passada, a média de touchdowns conseguidos após 14 passes por campanha foi de 6.7%, número reduzido para 4.3% em 2018. O número que talvez mais chame atenção está na quantidade de sacks sofridos: 44, representando uma das piores temporadas neste fundamento, com dois jogos ainda restantes para serem jogados.

No último dia 17 de dezembro, Leroy Butler, um dos integrantes do Hall da Fama do Green Bay Packers, vencedor do Super Bowl XXXI pela equipe contra o New England Patriots, usou sua conta pessoal do Twitter para criticar a temporada de as atuações de Aaron Rodgers em 2018, e desta vez, o torcedor de Green Bay teve motivos para ficar decepcionado com o seu quarterback titular. Rodgers tem média de 64.8% de passes completados na carreira, mas em 2018, a média está em 61.8%. No jogo decisivo da temporada, contra o Chicago Bears, Rodgers teve desempenho de apenas 59.5% dos passes completados, acertando apenas 25 dos 42 passes lançados, sendo destes dois passes em profundidade nos quais provavelmente terminariam em touchdowns. Nos últimos quatro jogos disputados, a média do quarterback em jardas ganhas por jogada ficou abaixo das 10 jardas, sendo, pelo menos, duas jogadas necessárias em média para conseguir um first down.

 

5. Baixo aproveitamento dos Touchdowns na Redzone

USA Today

O Green Bay Packers está tendo um dos piores aproveitamentos da liga na Redzone, principalmente no ataque: O time marcou pontos em 25 das 42 oportunidades nas quais esteve na zona fatal, um baixo aproveitamento de 59.5%.  Vale ressaltar que, na temporada 2016, o desempenho era acima estatisticamente, mas principalmente, mais estável do que em 2018, com a equipe fechando a temporada com 60.6% pontos marcados na Redzone. Um dos motivos para o problema deste ano está na grande quantidade de terceiras descidas da equipe, por conta do grande volume de passes errados, principalmente nas tentativas de Aaron Rodgers em marcar pontos rapidamente. Ou seja, com menos conversões obtidas, menos chances de pontuar surgiram.

O próprio quarterback titular acabou dando declarações sobre este assunto durante uma coletiva de imprensa realizada no final de outubro;

“A pontuação representa muito a maneira que nós jogamos. Ficamos em desvantagem no meio de alguns jogos e tivemos que passar por adaptações: 11 jogadores, com pouco huddle usado na metade, ou sem huddle em algumas situações. Seria bom ter mais equilíbrio (correr com a bola), e nós queremos, nós realmente queremos, mas temos que começar isto um pouco mais rápido.”

“Temos que nos colocar em melhores situações na primeira e segunda descida. E então, na Redzone, temos que marcar touchdowns. Obviamente, não estamos onde precisamos estar na Redzone, então temos que dar um jeito em algumas coisas, e muito disso é equilíbrio. Temos que encontrar equilíbrio. Temos que correr melhor com a bola, converter mais terceiras descidas e aproveitar mais oportunidades.”

Aaron Rodgers

O quarterback, na entrevista de outubro, citou o problema da equipe quanto às terceiras descidas. Então, vale ressaltar também a fragilidade do time nestas situações: O Packers acumula apenas 36.9% de aproveitamento nestas situações, com apenas 65 das 176 conversões de terceira descida na atual temporada da NFL.

 

6. Irregularidade ofensiva

Para encerrar a sequência dos principais motivos que levaram ao fracasso do Green Bay Packers na temporada 2018-2019, podemos citar a total irregularidade ofensiva da equipe nos jogos disputados até aqui. O gráfico acima ilustra a instabilidade na qual o Packers teve para anotar pontos durante esta temporada. A média de pontos anotados no momento é de 23,7/jogo, estabelecendo apenas a 16ª melhor marca da liga, algo distante do esperado para uma equipe que esperava disputar os playoffs em janeiro. A pior marca ofensiva da equipe foi repetida em cinco oportunidades diferentes: 14 pontos marcados, nas derrotas contra Redskins, Patriots, Vikings, Cardinals e Bears.


Acima foram listados alguns dos principais motivos que fizeram do Green Bay Packers uma das maiores decepções da temporada 2018-2019 da NFL, encerrando precocemente a disputada pelo título. Com 5-8-1, a equipe poderia agora dedicar-se ao Draft para tentar diminuir consideravelmente os problemas em pelo menos um dos pilares da equipe, pois tanto a ofensiva quanto a defensiva, parecem estar comprometidos.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.