quinta-feira, 14 de abril de 2016

Compartilhe

henry elliot

A expectativa para o Draft só aumenta e com a série “Os Caras do Draft”, nossa missão é te apresentar e comparar os melhores atletas de varias posições para que você fique mais por dentro ainda de todos os detalhes do evento que rola no final desse mês. Na edição de hoje, vamos falar sobre os dois principais RBs desse Draft: Ezekiel Elliott e Derrick Henry. Assim como em 2015, quando apenas Todd Gurley e Melvin Gordon eram considerados para a primeira rodada, nesta temporada temos dois nomes com condições para serem chamados na noite principal do evento que marca a entrada dos atletas universitários na NFL. Esse pequeno número de jovens aptos na posição nos últimos anos pode ser explicado pela desvalorização dos RBs na NFL e, com isso, as franquias estão pensando duas vezes antes de apostar logo na primeira rodada. Pois bem, aqui vamos comparar os dois jogadores, mostrar suas qualidades, defeitos, características e mostrar os números dos dois em suas carreiras na NCAA:

LEIA MAIS: Os Caras do Draft: Joey Bosa e DeForest Buckner

Ezekiel Elliott – Ohio State

ezekiel-elliott

Apontado por muitos como o melhor jogador da posição nesta classe, o ex-jogador de Ohio State chega para a NFL com o objetivo de assumir a titularidade o mais rápido possível na equipe que selecioná-lo. Como calouro na universidade em 2013, Elliott teve que se contentar com o banco de reservas e algumas participações no lugar de Carlos Hyde (atualmente no San Francisco 49ers). Porém, desde que assumiu a titularidade, o atleta ganhou um destaque enorme e mostrou todo o seu talento nas duas últimas temporadas da NCAA. Em seus 37 jogos na faculdade, o RB conseguiu ultrapassar a marca das 100 jardas em 22 partidas, levando em consideração que 12 dessas aconteceram na temporada passada. Além disso, foram cinco aparições onde passou das 200 jardas pelo chão. Ajudou a equipe a levantar o troféu máximo da NCAA em 2014 com um desempenho espetacular na final, que lhe rendeu o prêmio de MVP da grande partida.

Considerado completo para a posição, ele é capaz de receber passes com facilidade e faz um trabalho fora de série correndo com a bola. Possui uma ótima velocidade, consegue mudar de direção sem maiores problemas e tem a agilidade como uma de suas principais características. Como se já não bastasse, é forte o suficiente para conseguir jardas após o primeiro contato e, mesmo não sendo tão grande quanto seu “rival” Derrick Henry, não é um atleta fácil de derrubar. O que pode pesar contra Elliott na hora de avaliá-lo é seu alto número de tentativas durante sua carreira universitária. Com mais de 600 toques na bola em apenas duas temporadas e meia, o atleta foi bastante acionado e, com o alto grau de exigência da posição, isso pode facilitar uma futura lesão. O único ponto que deve ser mais trabalhado na transição para a NFL deve ser seu trabalho de bloqueio, cada vez mais exigido aos RBs na liga profissional. Com todos esses atributos, não existe dúvidas de que Elliott será o primeiro atleta da posição a ser chamado no Draft e, possivelmente, terá uma carreira melhor que Derrick Henry na NFL.

Números da carreira na NCAA (2013-2015):

  • 37 jogos
  • 592 tentativas
  • 3.961 jardas terrestres
  • 58 recepções
  • 449 jardas recebidas
  • 44 Touchdowns

Derrick Henry – Alabama

henry-alabama

Diferente de seu “rival”, Derrick Henry precisou esperar um pouco mais para ser o titular absoluto na posição, mas quando teve essa oportunidade ganhou tudo o que era possível individualmente e coletivamente. Reserva de T.J. Yeldon (atualmente no Jacksonville Jaguars) em 2013 e 2014, Henry apenas dividia carregadas na equipe e não tinha tanto destaque assim na NCAA, porém, no ano passado nenhum RB correu tanto quanto Henry e ninguém teve atuações melhores do que do atleta de Alabama. Ele foi escolhido de forma unânime para o All-American Team (a seleção da NCAA) e simplesmente levou para a casa todos os prêmios que estavam a sua disposição: o Heisman Trophy (dado ao melhor jogador da NCAA), o Maxwell Award (dado ao melhor jogador universitário do país), o Doak Walker Award (dado ao melhor RB da NCAA) e o Walter Camp Award (também dado ao melhor jogador da NCAA). Além das honrarias individuais, Henry também levantou o troféu universitário na temporada passada. Impressionou o mundo do futebol americano com suas 2.219 (5º da história) e 28 TDs (8º da história) em apenas 15 partidas no ano passado. Para fechar a lista de conquistas incríveis de Henry na NCAA, foram quatro partidas onde ele ultrapassou as 200 jardas terrestres.

Mesmo com todos os prêmios e números sensacionais, não se assuste se Derrick Henry não for selecionado na primeira noite do Draft. Mesmo com a labuta de melhor jogador da NCAA na temporada passada, as qualidades do atleta não parecem agradar tanto as franquias da NFL ao ponto de arriscarem uma escolha de primeira rodada. Henry é um verdadeiro trator com uma força e altura fora do normal. Quando ele consegue passar das linhas é bem difícil segurá-lo e a chance é alta de vermos uma grande jogada. Porém, se quiser ser titular na liga profissional, precisa melhorar em alguns pontos. Só na temporada passada foram mais de 400 toques na bola, o que querendo ou não desgastou bastante o atleta. Outro fator que pesa contra Henry é sua falta de habilidade para receber passes, o que na NFL é cada vez mais exigido dos atletas da posição, em sua carreira universitária foram menos de 20 recepções. Além disso, precisa melhorar também sua leitura de espaços, por possuir um estilo que busca o contato o tempo todo, ele precisar transformar isso em jardas, assim como fazia Marshawn Lynch (ex-Seahawks) em seus bons tempos. Por ter essas características, é difícil cravar que Henry será uma atleta de destaque na NFL, até porque os RBs da liga passam por uma mudança onde precisam ser cada vez mais completos ou entram em rotações de dois ou até três jogadores para diferentes tipos de jogadas. Talento ele mostrou que tem e, se escolhido por uma equipe que lhe dê uma boa linha ofensiva, terá a oportunidade de repetir na NFL as grandes atuações que teve em Alabama.

Números da carreira na NCAA (2013-2015):

  • 38 jogos
  • 603 tentativas
  • 3.591 jardas terrestres
  • 17 recepções
  • 285 jardas recebidas
  • 45 Touchdowns
Compartilhe

Comments are closed.