quinta-feira, 21 de abril de 2016

Compartilhe

treadwell, coleman doctson

A série “Os Caras do Draft” tem como missão te apresentar e comparar os melhores jogadores de varias posições para que você fique mais por dentro ainda de todos os detalhes do evento que rola no final desse mês. Na edição de hoje, vamos falar sobre os principais WRs desse Draft: Laquon Treadwell, Corey Coleman e Josh Doctson. Depois de duas classes fantásticas na posição em 2014 e 2015, esse ano temos um nível bem inferior, mas os três apresentados aqui tem potencial para renderem tanto quanto os atletas selecionados nos últimos dois anos. Eles estão cotados para serem escolhidos na primeira rodada e, em uma NFL cada vez mais aérea, os times precisam de WRs de qualidade para terem bons resultados. Aqui vamos compará-los, mostrar suas qualidades, defeitos, características e mostrar os números deles em suas carreiras na NCAA:

LEIA MAIS: Os Caras do Draft: Jalen Ramsey e Vernon Hargreaves
LEIA MAIS: Os Caras do Draft: Ezekiel Elliott e Derrick Henry
LEIA MAIS
: Os Caras do Draft: Joey Bosa e DeForest Buckner

Laquon Treadwell – Ole Miss

laquon tredwell

Dos três jogadores que vamos analisar, Treadwell é o que menos teve destaque na NCAA, mas é o que mais pode ter sucesso na NFL, graças a sua combinação de altura, força e mãos confiáveis. Desde 2013 na universidade, ele não foi tão acionado quanto os outros dois dessa matéria. Com 1,88 e apenas 21 anos de idade quando a temporada começar, o recebedor é um grande talento que pode ser trabalhado para render ainda mais no nível profissional. Após um ano de calouro discreto, ele vinha muito bem em 2014 até sofrer uma fratura na fíbula que o tirou do restante daquela temporada. Sem deixar a lesão o desanimar, Treadwell voltou com tudo em 2015, mostrou que estava recuperado, ganhou mais confiança ainda e teve o melhor ano de sua carreira universitária com 82 recepções, mais de 1.100 jardas recebidas e 11 TDs. Com características que lembram Anquan Boldin, o jogador provavelmente será o primeiro WR selecionado no Draft.

Como já falado, o atleta tem o tamanho perfeito para a posição. Além disso, tem agilidade para se livrar da marcação, faz um ótimo trabalho de bloqueio e corre rotas com perfeição. Qualquer bola lançada em sua direção pode virar um passe completo, já que tem um bom porte físico, não desiste fácil das jogadas e suas mãos são extremamente confiáveis. Quando colocado em marcação individual leva vantagem graças ao seu tamanho. O que pesa contra o atleta é sua velocidade e explosão assim que a jogada começa, ele não consegue ganhar na corrida de CBs mais atléticos em rotas longas e isso pode acabar virando uma grande dificuldade para ele na NFL. Mesmo assim, não há dúvidas que Laquon Treadwell é o melhor da classe em sua posição.

Números da carreira na NCAA (2013-2015):

  • 35 jogos
  • 202 recepções
  • 2.393 jardas recebidas
  • 21 TDs

Corey Coleman – Baylor

corey-coleman-tds2

Corey Coleman é o típico recebedor que os times da NFL adorariam ter em seus elencos. Sem o mesmo tamanho dos outros dois aqui em questão, ele compensa a estatura mais baixa com muita velocidade, agilidade e explosão, sendo um perigo constante de grandes jogadas. Após perder sua temporada de calouro inteira, teve um papel secundário no ataque da equipe em 2013 e trabalhou também como retornador de chutes. O ano de 2014 começou difícil para atleta, que ficou fora dos três primeiros jogos por causa de uma lesão, mas ele deu a volta por cima e terminou a temporada com mais de 1.000 jardas recebidas e 11 TDs. Porém, nada foi tão bom quanto seu último ano na universidade. Coleman participou de todas as partidas, somou incríveis 20 TDs em apenas 12 jogos e suas 1.363 jardas recebidas lhe renderam o “Fred Biletnikoff Award” (prêmio dado ao melhor WR da NCAA) e um lugar no All-American Team.

Trata-se de um atleta extramente ágil que consegue a separação logo na linha de scrimmage, além de fazer rotas muito bem. Como já mencionado, Corey Coleman é uma verdadeira máquina de TDs e pode fazer uma grande jogada a qualquer momento, graças a sua velocidade e explosão para conseguir jardas após a recepção. Seu trabalho de bloqueio contra CBs do seu tamanho é aceitável, mas se encarar um adversário maior pode ter problemas nisso. As franquias estão com um pé atrás, pois o atleta passou por uma cirurgia de hérnia em dezembro e isso pode atrapalhar diretamente seu estilo de jogo, mesmo os médicos dizendo que ele está livre para atuar normalmente. Coleman não tem tamanho para ser o tão sonhado recebedor principal das equipes, mas pode fazer um trabalho parecido com o que Jarvis Landry faz no Miami Dolphins, sendo um WR que garante as jardas no meio do campo e é sempre buscado pelo QB em momentos de pressão. Quando chegar na NFL, o jogador vai precisar melhorar suas mãos e não vai poder deixar tantos passes escaparem, só na última temporada na universidade foram 10 drops, um número que preocupa e precisa diminuir bastante.

Números da carreira na NCAA (2012-2015):

  • 32 jogos
  • 173 recepções
  • 3.009 jardas recebidas
  • 33 TDs

Josh Doctson – TCU

joshdoctson

Diferente dos outros dois já analisados, Josh Doctson ficou na universidade por todos os anos que teve direito. Por esse motivo foi um pouco mais acionado do que a dupla acima, mas vem jogando em alto nível nas duas últimas temporadas e chega com moral para o Draft. Depois de duas temporadas apenas como reserva e sem tanto destaque, o jogador assumiu a titularidade e ajudou a faculdade a ter grandes desempenhos dentro de campo. Em 2014 ele passou das 1.000 jardas recebidas pela primeira vez e teve 11 TDs, mas suas estatísticas foram ainda melhores na temporada passada, quando recebeu para mais de 1.300 jardas e somou 14 TDs, números que o colocaram no All-American Team ao lado de Corey Coleman de forma unânime. Mesmo não sendo titular em toda sua carreira universitária, Doctson bateu alguns recordes de TCU e será lembrado por um bom tempo pelos seus companheiros.

Ele não chega para ser um recebedor principal logo de cara e acabar com os problemas do time que selecioná-lo, mas com paciência e trabalho necessário pode se tornar esse atleta. Com a mesma altura de Laquon Treadwell, o jovem recebedor também tem grande capacidade de receber passes altos e é uma grande opção para QBs que gostam de arriscar passes em profundidade. Pelo seu tamanho, não é tão veloz nem muito ágil, o que torna o trabalho dos CBs um pouco mais fácil. Ele compensa a falta de velocidade com seus braços longos que ajudam na hora da separação. Altura não é tudo, então Doctson precisa ganhar um pouco mais de força para enfrentar os vários CBs físicos que estão na NFL, se não será facilmente anulado. Precisa melhorar também seus bloqueios para o jogo terrestre, característica valorizada pelos times da liga profissional. Atualmente, ele é 3º WR da classe, mas, se cair no time certo e trabalhar seus defeitos, pode ser tornar o melhor deles.

Números da carreira na NCAA (2011-2015):

  • 45 jogos
  • 215 recepções
  • 3.178 jardas recebidas
  • 34 TDs
Compartilhe

Comments are closed.