quinta-feira, 9 de abril de 2015

Compartilhe

A NFL está cada vez mais difícil para os RBs. Além de correr com a bola, os atletas da posição precisam saber bloquear bem, quebrar tackles para não ser derrubado e ter características que antes eram exclusivas dos recebedores. Dois exemplos de jogadores que se encaixam nessas características de “novo RB” são Marshawn Lynch (Seattle Seahawks) e Eddie Lacy (Green Bay Packers); jogadores muito fortes que dificilmente são derrubados. Com esse novo pensamento entre as franquias, jogadores com esses atributos são mais procurados e valorizados. É o caso de dois RBs que estarão disponíveis no próximo Draft: Melvin Gordon e Todd Gurley. A dupla está cotada para ser escolhida logo na primeira rodada do evento, que acontece no dia 30 de abril. Logo abaixo, vou apresentar um pouco da carreira e as qualidades desses dois excelentes e talentosos corredores.

Nota: Lembrando que esta série especial NÃO tem a função de comparar os atletas, mas sim apresentar as principais qualidades e um pouco da carreira dos jogadores.

Melvin Gordon (1,85m e 97 kg) – Wisconsin

gordon2

Números na carreira (2011-2014)

Tentativas de corrida: 631

Jardas terrestres: 4915

Touchdowns: 45

Fumbles sofridos: 7

Gordon estudou na Mary D. Bradford, em Kenosha (Wisconsin) e durante a época de escola foi um verdadeiro “monstro”. Olhando para seus números podemos ter uma pequena noção do quão dominante ele era: Em sua última temporada no High School (2010), correu para 2009 jardas e anotou 38 touchdowns (!!!). Melvin recebeu propostas para as universidades de Wisconsin, Iowa, Louisville e Michigan, acabou escolhendo a primeira opção e em 2011 se tornava um novo “Badger”. Devido a uma lesão na virilha, o RB participou apenas de três jogos em sua temporada de calouro. Em 2013, começou como reserva, mas ao longo do ano foi se tornando o titular de Wisconsin; com 1609 jardas terrestres e 12 touchdowns, no fim do ano, era esperado que Gordon se declarasse elegível para o Draft, mas o atleta resolveu voltar para a faculdade e jogar por mais um ano: “Eu amo a Universidade de Wisconsin e sinto que ainda há muito espaço para o meu crescimento”. O RB não poderia ter tomado decisão melhor, 2014 foi o ano da vida do camisa 25 e uma das melhores temporadas já vistas na NCAA. Em 14 jogos, somou 2587 jardas terrestres – a segunda maior marca da história, só ficando atrás do lendário Barry Sanders que em 1988 correu para 2628 jardas – e incríveis 29 touchdowns! Tudo bem que ele teve 343 tentativas, mas ainda sim seus números são assustadores, a média de 184 jardas terrestres POR JOGO em 2014 é algo fora do normal. Sua temporada estelar lhe rendeu o prêmio “Doak Walker” (dado ao melhor RB universitário), um segundo lugar na votação do Heisman Trophy (vencido pelo QB Marcus Mariota) e foi escolhido, de forma unânime, como All-American (a seleção do futebol universitário). Gordon também foi utilizado no jogo aéreo, em 2014 foram 153 jardas recebidas e 3 touchdowns.

Sobre qualidades e defeitos: Melvin tem tudo o que se procura num RB nos dias de hoje. É um jogador de muita força (bem dividida entre pernas, braços e ombros) que quebra tackles com facilidade. Ele é capaz de mudar de direção rapidamente, provando ser ágil, e correndo pela lateral do campo é complicado pará-lo. Sua explosão é mais um diferencial, uma vez passando da linha de scrimmage, o camisa 25 usa toda a sua velocidade para anotar seus touchdowns, que não foram poucos durante a carreira universitária. Muito paciente com a linha ofensiva, ele não tem pressa em esperar os buracos aparecerem para depois castigar a defesa adversária (DeMarco Murray fez isso muito bem em 2014). Gordon melhorou a sua qualidade como recebedor nos anos de faculdade e em sua carreira profissional trabalhará ainda mais esse fundamento. Porém, o RB de Wisconsin também tem alguns pontos fracos: em 2014 foram 6 fumbles sofridos, um número alto. Na NFL, a paciência é muito curta com fumbles sofridos ao longo do ano, Gordon tem que cuidar melhor da bola se quiser ter sucesso; além disso, suas corridas pelo meio da linha precisam ser mais efetivas. A carreira universitária de Gordon não deixa dúvidas de que ele será um baita jogador na liga, é esperado que ele seja o primeiro jogador da posição a ser escolhido e a franquia que selecioná-lo não irá se arrepender.

Equipes que precisam de um jogador para a posição: Jacksonville Jaguars, Oakland Raiders, St. Louis Rams, San Francisco 49ers, San Diego Chargers, Arizona Cardinals, Carolina Panthers e Dallas Cowboys.

Todd Gurley (1,85m e 101 kg) – Georgia

Tennessee v Georgia 

Números na Carreira (2012-2014)

Tentativas: 510

Jardas terrestres: 3285

Touchdowns: 36

Fumbles sofridos: 2

Assim como Melvin Gordon, Gurley também foi absoluto durante sua carreira escolar. Pela Tarboro High School, em North Carolina, foi campeão estadual da segunda divisão por três anos seguidos e anotou assustadores 38 touchdowns (!!!) e 2600 jardas terrestres em seu último ano (2011). Ao escolher a bolsa oferecida pela universidade de Georgia, Todd estava pronto para brilhar rumo à NFL. Logo em seu ano de calouro (2012), o atleta foi um dos melhores RBs da NCAA ao correr para 1385 jardas e pontuar 17 vezes. No ano seguinte, manteve a regularidade e seus bons números, mas começava ali um problema que o acompanharia até o fim de sua carreira universitária; durante 2013, Gurley perdeu 3 jogos por causa de uma lesão sofrida no tornozelo. O ano de 2014 estava sendo mais do que perfeito para o RB de Georgia: nos primeiros 5 jogos da temporada ele correu para 773 jardas (média de 154 jardas terrestres POR JOGO) e anotou 8 touchdowns. Em outubro ele foi suspenso por 4 jogos depois de receber dinheiro para autografar bolas e acessórios (o que é proibido pelas normas da NCAA), justamente no jogo de sua volta, contra Auburn, Gurley sofreu uma grave lesão no ligamento cruzado anterior que terminou com a sua temporada. Durante seus três anos jogando pela faculdade, só fica atrás de Herschel Walker – lenda do futebol americano universitário – em números de touchdowns e jardas de scrimmage (jardas terrestres + jardas recebidas), se colocando como o segundo grande RB da história da universidade de Georgia.

Todd Gurley pode não ser tão explosivo quanto os outros RBs disponíveis no Draft, mas tem todas as qualidades necessárias para ser colocado como um dos principais jogadores da posição. Com muita força nas pernas, dificilmente é derrubado e trabalha muito bem nos bloqueios para proteger o seu QB; Todd usa toda a sua velocidade para quebrar tackles e fugir da marcação. Muito ágil, o atleta tem a combinação perfeita das qualidades procuradas pelas franquias da NFL. Além de tudo isso, Gurley é ótimo recebendo passes: em três anos somou 616 jardas e marcou 6 touchdowns. Não temos nenhuma dúvida no que diz respeito aos atributos positivos do jogador, porém, a única questão para se ficar de olho é: como estará o seu joelho? O camisa 3 não deixou os médicos da NFL realizarem exames durante o Combine, o que pode gerar certa dúvida sobre a real condição da lesão. Tratando-se de um tipo de contusão complicada, é preciso ficar atento com Gurley. Para um RB, não ter um de seus joelhos 100% é algo que pode atrapalhar e até gerar um novo trauma. Segundo fontes ligadas ao jogador, a recuperação está caminhando bem e não será problema para o início da temporada na NFL. Quem escolher Todd Gurley no Draft terá em seu elenco um jogador capaz de mudar partidas e vencer jogos, mas vale sempre ficar de olho em relação a real condição de seu joelho. Por apresentar esse “risco”, o atleta não deve ser o primeiro RB selecionado no Draft, porém, se inteiro, Gurley tem tudo para ser um dos melhores calouros ofensivos da NFL no ano de 2015.

Equipes que precisam de um jogador para a posição: Jacksonville Jaguars, Oakland Raiders, St, Louis Rams, San Francisco 49ers, San Diego Chargers, Arizona Cardinals, Carolina Panthers e Dallas Cowboys.

Compartilhe

Leave A Reply