terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Compartilhe

Com o começo da offseason, as preparações dos times para a próxima temporada começam a acelerar. O primeiro passo está na definição do elenco, o que é feito através de renovações, novos contratos para free agents e do Draft. Tudo isso tem seu momento inaugural quando é aberto o período a partir do qual as franquias podem designar a Franchise Tag.

A Franchise Tag é um mecanismo poderoso para as diretorias das equipes. Ela permite que um contrato de um ano – totalmente garantido – seja oferecido a apenas um jogador da franquia que esteja em final de contrato. O atleta então terá a opção apenas de assinar com este time para a temporada, a não ser que seja trocado.

Leia Mais: Sejam todos bem-vindos à offseason!

Leia Também: Qual a maior dinastia da história da NFL?

Outro aspecto relevante da Franchise Tag está no valor. Ao passo que tira a autonomia do jogador na tomada de decisão, ela também o recompensa financeiramente. As cifras são calculadas ao se determinar o máximo entre 120% do salário do jogador e a média dos cinco maiores vencimentos da posição para a temporada. Caso um time queira utilizar a tag por dois anos seguidos em um mesmo jogador, ela poderá fazê-lo, mas o valor saltará para 120% do que foi pago no campeonato anterior. Para 2019, os valores projetados estão na tabela abaixo, disponibilizada pela CBS Sports.

Posição Valor Projetado (em US$)
Cornerback $16,175,000
Defensive End $17,291,000
Defensive Tackle $15,355,000
Linebacker $15,591,000
Offensive Line $14,201,000
Punter/Kicker $5,018,000
Quarterback $25,103,000
Running Back $11,322,000
Safety $11,256,000
Tight End $10,486,000
Wide Receiver $16,948,000

Com o salário para cada posição na Franchise Tag tendo uma projeção definida, é hora de começar a pensar como os times irão agir com essa ferramenta. O primeiro dia para utilizar a tag é 19/02, enquanto a data final é 05/03. Assim, vamos a algumas das principais possibilidades e narrativas desse período.

Jadeveon Clowney (Houston Texans)

A primeira escolha geral do Draft de 2014 não se tornou a estrela dominante que se esperava. De qualquer forma, Jadeveon Clowney virou um jogador acima da média, excelente contra a corrida e um forte pass rusher secundário para um Houston Texans que também conta com JJ Watt e Whitney Mercilus para pressionar os QBs adversários. Como Clowney ainda não atingiu todas as expectativas, mas deve exigir uma renovação massiva, o Texans pode usar a Franchise Tag como ferramenta de negociação ou como maneira de forçar o atleta a provar que merece um contrato enorme com uma temporada na qual dá um passo a mais.

Frank Clark (Seattle Seahawks)

Na reformulação de elenco que o Seattle Seahawks passou, Frank Clark é, sem dúvidas, uma das principais peças jovens. Com a função de ocupar de maneira definitiva o espaço deixado por Cliff Avril e Michael Bennett, ele correspondeu e entregou uma ótima temporada em 2018, com 13 sacks. Como ainda é um jogador de uma posição muito valiosa e ainda jovem, Clark deve receber um contrato elevado, o que o torna uma forte opção para a Franchise Tag.

Dee Ford (Kansas City Chiefs)

Depois de sofrer com lesões em 2017, Dee Ford teve o melhor ano de sua carreira na última temporada. Foram 13 sacks e 7 fumbles forçados, assumindo o manto de principal pass rusher do Chiefs. Dono de um primeiro passo muito rápido, ele é uma das peças mais importantes da defesa do time, que teve um ano ruim no geral, mas foi bem-sucedida pressionando quarterbacks. Como Ford já lidou com lesões antes e essa explosão veio justamente no ano final do seu vínculo de calouro, é possível que a diretoria da equipe opte por ver se ele é capaz de reproduzir o desempenho em um contrato de um ano fornecido pela Franchise Tag.

Trent Brown ou Trey Flowers (New England Patriots)

O atual campeão não é um time que costuma utilizar a Franchise Tag com frequência. No entanto, em 2019, pode ser obrigado a tomar uma decisão. Com o LT Trent Brown e o DE Trey Flowers em contratos expirantes, o Patriots possui duas opções de posições muito relevantes e que atrairão forte interesse no mercado. A expectativa é que Flowers tenha mais chances de ser o escolhido, uma vez que é o principal pass rusher da equipe há alguns anos e a franquia já selecionou Isaiah Wynn na primeira rodada do último Draft com a possibilidade de atuar na posição de Brown.

Grady Jarrett (Atlanta Falcons)

Um dos melhores DTs da NFL, Grady Jarrett é um dos jogadores de elite no elenco do Atlanta Falcons. Além disso, certamente é o principal free agent que a equipe tem para essa offseason. Após uma série de movimentos que liberaram uma boa porção de espaço na folha salarial, é esperado que Jarrett siga atuando pela franquia em 2019. O grande mistério é se aceitará um contrato longo antes ou se a Franchise Tag entrará em jogo.

Le’Veon Bell (Pittsburgh Steelers)

Uma das histórias mais marcantes da temporada de 2018 foi a recusa de Le’Veon Bell de atuar sob a Franchise Tag por um segundo ano seguido. Com o desejo ser absurdamente bem pago como o melhor RB e um WR de segundo escalão na liga, Bell optou por não jogar no campeonato passado e esperar seu contrato acabar. No entanto, o Steelers ainda pode tentar utilizar a Transition Tag como última cartada. Com ela, o time assina um contrato de um ano por “apenas” US$14,5 milhões, mas pode negociar com outros times. Caso alguém ofereça um contrato e Bell aceite, Pittsburgh terá o direito de igualar a oferta e manter o jogador ou recusar e deixá-lo ir.

Nick Foles (Philadelphia Eagles)

O MVP do Super Bowl LII é um caso interessante. O Philadelphia Eagles decidiu aceitar a opção que ativava um ano extra por mais de US$20 milhões no contrato de Nick Foles, mas o QB optou por pagar um cláusula que o tornava free agent. Assim, a franquia tem uma decisão a tomar se ainda deseja receber algo em retorno pelo jogador. Para isso, terá que usar a Franchise Tag e torcer para que alguém faça uma oferta de troca. Se isto não acontecer, o Eagles terá dado um tiro no pé e precisará arcar com o salário do jogador, o que comprometerá a folha salarial severamente. Por isso, o movimento não é tão provável, a não ser que já exista alguma negociação avançada.

Landon Collins (New York Giants)

Para finalizar a lista, Landon Collins é um caso relativamente simples para o Giants. Como o melhor jogador da defesa e um dos safeties mais promissores da liga, ele é o alvo mais importante para a franquia nessa Free Agency. Caso um contrato longo não seja alcançado, a Franchise Tag entrará em ação para manter o jogador na equipe para 2019 e fornecer mais tempo para que exista um acordo nos termos por uma renovação.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.