terça-feira, 28 de junho de 2016

Compartilhe

Muitos torcedores e analistas sempre criticaram a regra do Extra Point na NFL, que durante muito tempo foi considerada uma pontuação “automática”. Qual o motivo de fazer o Kicker tentar um ponto extra se ele sempre é garantido?

LEIA MAIS: Steelers, Saints e Packers falam em tentar mais a conversão de dois pontos

Por muito tempo essa crítica tinha um fundo de razão. Desde 1987, as taxas de sucesso nas conversões de ponto extra na NFL sempre ficaram acima de 97%. Entre 1992 e 2014, nenhum Kicker com mais de 20 tentativas errou mais de 10% deles. Para mudar isso, a liga introduziu uma mudança de regra no ano passado: a bola passou de ser posicionada na linha de duas jardas para a linha de 15 na cobrança de Extra Point. Essas 13 jardas extras surtiram efeito imediato. Em 2015, cinco Kickers que tentaram mais de 20 XPs fizeram menos de 90% deles. A taxa de sucesso na conversão caiu para 94,2%, a pior marca desde 1979. Comparando os números de 2014 para 2015 fica fácil de perceber o resultado da mudança: no ano passado foram 71 chutes errados, uma marca dez vezes maior que o registrado na temporada anterior, de apenas 7 XPs perdidos. Mais do que números, tivemos momentos emblemáticos, como por exemplo quando o “Mr. Automatic”, Stephen Gostkowski, desperdiçou um chute na final da AFC, o que causou a eliminação do New England Patriots.

hi-res-167b1ed6223abac1cb8df5f8b6fecae5_crop_northGostkowski e o Patriots já sentiram a diferença que faz o XP na linha de 15 jardas

Consequentemente, viu-se um aumento no número de tentativas de conversão de dois pontos, com o número subindo de 58 em 2014 para 94 no ano passado. Entretanto, esse valor é ainda bastante baixo, já que gera uma marca de uma tentativa a cada aproximadamente três jogos. Porém, diversos times, entre eles Saints, Packers e Steelers, já sinalizaram que pretendem tentar muito mais conversões de dois pontos na próxima temporada. Esses times têm, contudo, alguns dos melhores QBs da liga. Por isso, a pergunta que fica é: será que vale a pena todos os times tentarem conversões de dois pontos em todos os lances na próxima temporada?

Fazendo um pequeno cálculo verificamos que, em 2015, os times acertaram 1.146 de 1.217 chutes de ponto extra, uma taxa de 94,2% de acerto. Enquanto isso, houveram 94 tentativas de conversão de dois pontos com 45 delas bem sucedidas, uma marca de 47,9% de sucesso. Portanto, cada chute de extra point redeu, em média, 0,942 pontos para os times, enquanto cada tentativa de conversão rendeu 0,958. Ou seja, matematicamente faz sentido ir para a conversão de dois pontos após todos os TDs marcados.

Se considerarmos as últimas quatro temporadas, temos que em média os times da NFL tentaram 8,75 conversões no período e tiveram sucesso em 4,22, uma taxa ainda melhor de 48,2%. Desde 2012, as únicas duas equipes que tentaram mais de 30 conversões de dois pontos foram Steelers e Bears, ambas com uma taxa de sucesso acima de 70%. Para referência, confira quantas tentativas cada time teve nos últimos quatro anos e sua taxa de sucesso:

Untitled

Essas estatísticas porém são cegas e, obviamente, em situações de jogo há muito mais do que o custo benefício da jogadas para ser levado em conta. Se seu time empata o jogo no minuto final, muito mais vale 95% de chances de ter um ponto do que 50% de ter dois. Além disso, fatores como o psicológico dos jogadores, qualidade do elenco e mesmo coragem e tradicionalismo dos treinadores também entra na equação. Obviamente, ambos os lados da bola se prepararão mais também para essas situações. Por isso, só o tempo dirá se continuará sendo vantajoso no futuro a conversão de dois pontos sobre os XPs. Porém, os números não mentem e os times da NFL já fizeram esse cálculo. Portanto, o torcedor pode começar a se acostumar a ver conversões de dois pontos em diversos momentos do jogo.

Compartilhe

Comments are closed.