sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Compartilhe

tebow

Eu sei, eu sei. Tebow é assunto batido na NFL. Mas pouquíssimos jogadores marcaram tanto a NFL em tão pouco tempo jogado quanto Tim Tebow. Entre críticas ferozes e defesas acaloradas, muito já se falou sobre o polêmico QB. Mas sejamos sinceros, quem não se rendeu ao “tebowing” em 2011? E, fora os torcedores do Steelers, quem não adorou aquele passe para Demaryius Thomas no primeiro lance da prorrogação?

Bom, ao menos uma vez ao ano esse assunto merece uma reflexão. Eu sou um defensor ferrenho de Tim Tebow. Sempre fui. E quando se olha pra uma classe de free agents na posição de QB tão bisonha quanto essa de 2015, não consigo olhar para trás e não pensar: Tebow ainda tem lugar nessa liga. Dias atrás li que Brady Quinn estava pensando em largar seu emprego como comentarista da FOX e retornar à NFL. Na matéria assinada por Dan Hazus no NFL.com, o jornalista até deixa a entender que Quinn pode ter lugar na liga. Se BRADY FUCKING QUINN pode ter lugar na NFL, Tim Tebow TEM que ter. Em uma comparação rápida e simples: Quinn jogou sete anos na NFL e tem 3043 jardas, 12 TDs, 17 interceptações e rating de 64,4. Tebow em dois anos com o Broncos e um com o Jets teve 2422 jardas, 17 TDs, 9 interceptações, 12 TDs terrestres e rating de 75,3.

Antes de mais nada, vejamos os seis melhores QBs free agents segundo o NFL.com: Mark Sanchez, Josh McCown, Brian Hoyer, Jake Locker, Ryan Mallett e Michael Vick. Julgue por você mesmo. Vick em seus tempos áureos foi um bom QB, mas agora simplesmente não dá mais. Sanchez sempre mostrou flashes de talento, mas seus momentos patéticos os transformam em uma lembrança distante. O restante do top 6 nunca venceu um jogo de playoff.

Mas mais do que qualquer free agent disponível, Tim Tebow é um vencedor. E como disse o grande Vince Lombardi: “se vencer não é tudo, por que manter placar?”. Vencer é o que interessa. E Tebow sempre fez isso. Sua carreira no College Football foi gloriosa. Entre números espetaculares estão 2 títulos da SEC, 2 vezes First-Team All-American, Heismann Thophy, 2 vezes campeão nacional e muitos outros prêmios. Ele foi ajudado pelo grande time de Florida? Obviamente. Mas ele se acostumou a vencer. Se acostumou a liderar. Se acostumou a pisar no grande palco, sob os holofotes da América e não tremer. Na NFL, na única temporada em que teve chance, conduziu o Denver Broncos ao título da AFC Oeste após assumir a liderança de um time que parecia fadado ao fracasso. Sua energia reergueu a equipe que conquistou até uma vitória nos playoffs.

Tebow pode ter uma mecânica esquisita? Sim. Ele é um grande QB tecnicamente? Não. Mas ele é um motivador. Ele energiza o elenco, e dada uma equipe com talento ele é capaz de levar o time mais longe do que QBs ditos melhores tecnicamente. Jets e Bills seriam grandes encaixes para Tebow. Equipes talentosas que só precisam de um boost de energia para conquistar senão o título, grandes resultados. Poderia ser uma injeção de ânimo tão necessária para os fãs dessas franquias e para a própria liga. A NFL não precisa de EJ Manuel, Geno Smith, Jake Locker. A liga precisa de Tim Tebow. Afinal de contas, ALL HE DOES IS WIN!

Compartilhe

Comments are closed.