quinta-feira, 18 de abril de 2019

Compartilhe

O mês do Draft está aqui e este se trata de um dos eventos mais importantes de toda a pré-temporada, com a possibilidade de reabastecer os times com talentos jovens e que poderão fazer a diferença no curto a médio prazo. Desta forma, continuamos a nossa sequência de prévias e necessidades das 32 equipes separadas por suas respectivas divisões. Sem mais delongas, hoje é dia de falar sobre a NFC Sul.

Atlanta Falcons

Necessidades: DT, EDGE, CB, iOL

Escolhas:14, 45, 79, 117, 137, 152, 172, 186, 230

O Atlanta Falcons sofreu com uma série de lesões em sua defesa e viu a temporada ruir. Agora, precisará fazer alguns ajustes em um elenco que já tem muitas qualidades. Os principais pontos de atenção normalmente apontados estão na linha defensiva. Pelo meio, Grady Jarrett recebeu a Franchise Tag e ainda pode ir embora no fim do próximo campeonato e não existe uma grande opção para atuar ao seu lado. Isto torna as especulações de Christian Wilkins (Clemson) e Ed Oliver (Houston) fortes na primeira rodada. Além disso, Vic Beasley não se desenvolveu da forma desejada e, com seu contrato próximo do fim, pode forçar o time a buscar seu substituto e fortalecer a rotação com Takk McKinley e Adrian Clayborn atrás de uma peça capaz de fazer a diferença.

Leia Mais: Prévia do Draft 2019: AFC Sul

Leia Também: Mock Draft – 5 opções para cada time

Além disso, a queda de rendimento e posterior corte de Robert Alford deixou um buraco no grupo de CBs da equipe. Com o ótimo Desmond Trufant e a escolha de segunda rodada do Draft do ano passado Isaiah Oliver, o Falcons provavelmente já tem seus titulares de base, mas ainda faltam opções de profundidade e que sejam capazes de entrar em campo sem comprometer. Entre algumas opções estão Julian Love (Notre Dame), Amani Oruwariye (Penn State), Sean Bunting (Central Michigan), David Long (Michigan), Trayvon Mullen (Clemson).

Por fim, o ataque no geral está bem definido e não deve ser a grande prioridade da franquia nesse Draft. De qualquer forma, ainda existe algum espaço para melhorias, como na busca por um TE mais dinâmico e também de peças de maior nível para preencher o interior da linha ofensiva.

Carolina Panthers

Necessidades: EDGE, OL, RB, S

Escolhas: 16, 47, 77, 100, 115, 154, 187

O Carolina Panthers viveu um final tenebroso na temporada de 2018, com Cam Newton atuando no sacrifício e o time sofrendo uma série de derrotas para encerrar o ano. Após mais uma cirurgia de seu QB, a franquia tem que focar em protegê-lo para o futuro. Por isso, investir na OL como um todo é um aspecto importante nesse momento. Para o próximo campeonato, o OG Trai Turner, o OT Daryl Williams e o OG/OT Taylor Moton são os titulares garantidos da unidade. Caso um LT como Andre Dillard (Washington State) ou Jonah Williams (Alabama) seja escolhido no Draft, Moton deve ser movido para o interior da linha e assim o time fica com proteção fortalecida.

Outro ponto forte da equipe em 2018 foi a ascensão de Christian McCaffrey como uma arma de elite. No entanto, seu porte físico pode tornar difícil que aguente o ritmo muito intenso de utilização que teve para o futuro. Assim, um RB no dia 3 parece uma pedida interessante para o Panthers.

Já do lado defensivo, o pass rush da equipe carece de talento jovem, uma vez que o principal nome atualmente é o sólido Mario Addison. Por isso, a adição de um ou mais jogadores capazes de gerar pressão no QB adversário se torna um ponto focal para os planos da franquia para o próximo campeonato, Além disso, encontrar um parceiro para Eric Reid entre os safeties parece uma opção sensata, uma vez que Rashaan Gaulden não deve ser a solução.

New Orleans Saints

Necessidades: EDGE, DB, LB, WR

Escolhas: 62, 168, 177, 202, 231, 244

Um dos elencos mais completos da NFL, o New Orleans Saints está pronto para competir de imediato com o intuito de aproveitar o final da carreira de Drew Brees. Isto é evidenciado pela ausência de uma escolha de primeira rodada nesse ano, usada no Draft passado para subir e adquirir Marcus Davenport. Mesmo assim, encontrar novos nomes para contribuir ao lado de Cam Jordan ainda é um ponto importante.

Na secundária, apenas Marshon Lattimore pode ser qualificado como um CB confiável, enquanto Eli Apple, Patrick Robinson e PJ Williams vivem de altos e baixos. Por isso, procurar um parceiro de teto maior para Lattimore seria interessante. Além disso, faltam peças de rotação entre os safeties para oferecer profundidade e a oportunidade para que Marcus Williams e Vonn Bell descansem. Nestes cenários, Amani Hooker (Iowa), Darnell Savage (Maryland) e Julian Love (Notre Dame) podem ser algumas opções quando o Saints fizer sua primeira escolha nesse Draft.

Nessa mesma linha de buscar melhorias em um grupo com peças sólidas, mas que não farão a diferença, investimentos entre os LBs podem ser uma opção. Entre os WRs, encontrar alguém que possa tirar um pouco do peso das costas de Michael Thomas e produzir com a bola nas mãos também deve estar na lista de prioridades da equipe.

Tampa Bay Buccaneers

Necessidades: EDGE, S, CB, RB, LB

Escolhas: 5, 39, 70, 107, 145, 208, 215

Depois de mais um ano decepcionante, o Tampa Bay Buccaneers trouxe Bruce Arians para ser seu novo treinador. Isto representa uma última chance para que Jameis Winston se prove o futuro da franquia na posição de quarterback. Ele terá um grupo forte de WRs e TEs como alvos, mas o ataque ainda precisa de alguma ajuda na OL e pode buscar um RB confiável para assumir o posto em definitivo após o desastroso ano de calouro de Ronald Jones.

Entretanto, a defesa é onde o time mais precisa de sangue novo. No front seven, o pass rush necessita de uma presença imponente de forma urgente para fazer dupla com Jason Pierre-Paul. Além disso, um LB para suprir a saída de Kwon Alexander é uma escolha muito simulada para a franquia, com Devin White (LSU) sendo o principal alvo.

Já na secundária, um safety para atuar ao lado de Justin Evans é muito necessário. Entre os CBs, a maior parte é muito jovem e não teve um bom desempenho ao longo da carreira, o que faz com que encontrar um nome capaz de começar a estabilizar a posição seja tão importante. Este provavelmente é o setor mais pobre da equipe em termos de desempenho passado, mas como os jogadores ainda não inexperientes, é possível que a comissão técnica e a diretoria tentem dar mais algum tempo para que evoluam.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.