quarta-feira, 11 de novembro de 2020

Compartilhe

Neste momento da temporada o Kansas City Chiefs caminha a passos largos para se solidificar como o melhor time não só dá Conferência Americana, como de toda a NFL. Como Mahomes e cia. estão de folga essa semana, decidi analisar quais são os times que dão sinais de poder ameaçar a dominância do Chiefs rumo ao bi campeonato.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 7DP.gif

Buffalo Bills

Muito de um eventual sucesso da equipe passa belo bom desempenho individual do seu quarterback Josh Allen. Como analisei na segunda-feira, Allen deu um salto gigante de produção nas 4 primeiras semanas dessa temporada e parecia jogar em um nível de MVP. No então, sem mais nem menos, ele voltou a apresentar erros grosseiros nos jogos seguintes e só conseguiu ter outra boa atuação no último domingo, quando ele passou sem dó nem piedade pela fraca secundária do Seattle Seahawks.

Leia Mais: Classe de 2018: Como estão os quarterbacks em sua 3ª temporada?

Leia Também: Power ranking Liga dos 32 – Semana 9

Com uma defesa muito mais porosa do que em temporadas passadas, vai ser fundamental que Josh Allen seja capaz de colocar muitos pontos no placar para que o Bills tenha qualquer chance de chegar longe na pós-temporada e até, eventualmente, de destronar o Kansas City Chiefs.

Se tivesse que apostar todo o dinheiro, que eu não tenho, em um time diferente do Chiefs para representar a AFC no Super Bowl LV, hoje eu colocaria minhas economias imaginárias no Buffalo Bills, justamente pelo potencial ofensivo que esse time tem.

As lesões de membros importantes dessa defesa, como Tre’Davious White e Star Lotulelei expuseram essa unidade e além disso, perder John Brown por alguns jogos também não ajudou em nada a produção do ataque.

https://twitter.com/NFL/status/1316168366696984577

No confronto entre Bills e Chiefs dessa temporada, o time de Kansas City explorou com facilidade as deficiências contra o jogo terrestre da defesa da Buffalo, com Clyde Edwards-Helaire correndo para 162 jardas. O time mandante me pareceu realmente inclinado a dificultar a vida de Mahomes lançando a bola e acabou deixando o box desprotegido contra a corrida. Apesar do fracasso no resultado, entendo que direcionar o time de Andy Reid para as corridas seja a melhor maneira de evitar que todo o potencial desse ataque seja colocado em prática.

Outra coisa que pode amenizar a análise desse confronto foi que durante aquele jogo, as condições climáticas não eram as ideias e isso parece ter realmente afetado a capacidade de Josh Allen produzir. Tanto é verdade, que na última partida, com um clima ideal, ele voltou a se destacar positivamente.

https://twitter.com/NFL/status/1325500711480614912

Fico realmente ansioso para acompanhar bem de perto o desenrolar dessa novela Josh Allen, que merece um título bem clichê do tipo “Duas Caras”.

 

Pittsburgh Steelers

O único time invicto até aqui na temporada, o Steelers conseguiu superar jogos não tão bons e mesmo assim levar as vitórias para casa.

Os jogos contra Tennessee Titans e Dallas Cowboys são bons exemplos disso. No primeiro, a equipe começou com tudo, mas com uma queda no desempenho de seu QB, a equipe toda foi se perdendo aos poucos e o jogo só não foi para a prorrogação por um erro inesperado de Stephen Gostkowski num field goal de 45 Jardas.

Contra o time do Texas a história de desenrolou ao contrário. O time visitante começou jogando muito mal, sem consistência no ataque e sofrendo para parar Garrett Gilbert, o 4º quarterback titular do Dallas Cowboys nessa temporada.

Na segunda etapa, apoiado por uma melhora significativa de sua defesa, o time conseguiu anotar os pontos e virar o marcador, mesmo que a vitória tenha se transformado em muito mais dramática do que o esperado antes do confronto.

https://twitter.com/PFF/status/1325569718577745920

Esse tipo de duelo aponta em duas direções, uma positiva e outra negativa.

Pelo lado positivo, mostra a resiliência desse time e a capacidade de fazer o trabalho mesmo em dias em quem as coisas não se desenrolam como o planejando.

Por outro lado, escancara as fraquezas desse elenco e dificulta que eles sejam apontados como os grandes favoritos que a campanha indica. Com Big Ben jogando em bom nível, mas sem ser mais capaz de conduzir o time sozinho, é necessário que as outras peças, como a linha ofensiva, os skills players e principalmente, a defesa, estejam atuando bem para que eles consigam vencer os principais rivais.

Foi assim contra o Baltimore Ravens e se o time da Pensilvânia quiser pensar em algo grande nessa temporada, vai precisar que esse roteiro, de defesa forçando turnovers e um ataque capaz de capitalizar em cima desses erros, se repita.

 

Baltimore Ravens

De melhor campanha da temporada regular em 2019 a incógnita em 2020, o Baltimore Ravens não transmite a mesma segurança que no ano passado.

Boa parte dessa incerteza reside na queda de desempenho desse ataque. Com Lamar Jackson não jogando nem perto do nível de MVP da temporada passada, o ataque não consegue fluir com tanta naturalidade.

As defesas se prepararam melhor para enfrentar a ameaça dupla de Lamar e tem forçado o quarterback a lançar mais a bola do que correr com ela.

Para a sorte dos adversários, ele também não tem sido tão preciso em seus passes como no ano passado e contra defesas minimamente mais seguras, o jogo ofensivo do Ravens tem encontrando muitas dificuldades para progredir no campo.

Do outro lado da bola, a defesa ainda está jogando bem e apesar de não ser a melhor da liga, ainda está na primeira prateleira da NFL. No entanto, esse bom desempenho defensivo não tem sido suficiente para que o time domine os jogos como fez em 2019.

https://twitter.com/Ravens/status/1315376136520687616

Em termos de elenco e potencial, talvez essa seja a equipe mais preparada para bater de frente com o Chiefs, mas isso só vai acontecer se Lamar Jackson melhorar bastante na segunda metade de temporada e se as outras armas ofensivas contribuírem mais. Com um corpo de recebedores ainda bem carente, Marquise Brown e Mark Andrews precisam jogar em altíssimo nível para preocupar as defesas adversárias e auxiliar também no espaçamento para o jogo terrestre, tão importante para Lamar e esse plano de jogo.

Não seria dos mais otimistas com uma transformação completa desse time, mas já vimos no segundo tempo do jogo de domingo o que esse ataque pode fazer, até mesmo contra uma das melhores defesa da liga. Cabe a comissão técnica aprimorar o plano de jogo para extrair o melhor dos seus talentos e principalmente, a Lamar Jackson elevar o seu nível de atuação como corredor e também como passador.


Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Leave A Reply