sábado, 24 de outubro de 2020

Compartilhe
Sábado é sempre o dia de conferir aqui no Liga dos 32 quais calouros foram bem ou mal na rodada com o Rastreando Draftados. Vamos então aos principais destaques positivos e negativos da semana 6 da NFL: BRILHARAM Ataque  RB D’Andre Swift (DET): 14 tentativas de corrida para 116 jardas e 2 TDs; 3 recepções para 07 jardas. 35ª escolha geral (2ª rodada) Demorou um pouco para acontecer, mas finalmente veio a grande atuação de D’Andre Swift que todos estavam esperando. Embora o RB já tivesse aparecido bem recebendo passes, pouco havia contribuído no jogo corrido, até pelo seu baixo volume, tanto que, somente nessa partida contra o Jacksonville Jaguars, o jogador teve mais tentativas de corridas do que nos quatro jogos anteriores somados. O resultado disso foi uma explosão de jardas e muita produção correndo com a bola, onde ao todo foram 116 jardas e 02 touchdowns anotados. Swift foi extremamente efetivo e regular em suas corridas, com duas delas sendo para mais de 10 jardas e com seis que resultaram em primeiras descidas. Diante dessa grande exibição, talvez finalmente possamos ver a partir de agora o jogador com mais toques na bola e dominando o backfield do Detroit Lions, algo que já era esperado desde o momento em que foi selecionado no início da 2ª rodada do draft de 2020, mas que foi deixado de lado com a aposta no veterano Adrian Peterson. Aguardemos com expectativa as próximas cenas desse backfield.

Leia Mais: Ep #7 NFL – Tática Liga dos 32

Leia Também: É hora de abrirmos os olhos para a defesa do Tampa Bay Buccaneers

WR Justin Jefferson (MIN): 9 recepções para 166 jardas e 2 TDs. 22ª escolha geral (1ª rodada) É bem verdade que boa parte da produção de Justin Jefferson na derrota para o Atlanta Falcons já veio no modo de desespero do time, estando muito atrás do placar ou já no chamado “garbage time”, contudo, não dá para ignorar a grandiosa atuação do WR calouro, onde teve os seus melhores números em alvos e recepções até aqui. Jefferson continua mostrando todo o seu talento e potencial como ótimo corredor de rotas, fato exemplificado no seu segundo touchdown da partida, onde bateu o CB Kendall Sheffield num belíssimo double move. Sua inteligência e consciência de onde está em campo, somado a um ball skills acima da média, tem o transformado na principal opção de Kirk Cousins e se revelado como tudo aquilo que o Vikings buscava quando o selecionou. Com mais essa grandiosa exibição, o novato atingiu a impressionante marca de 536 jardas recebidas em suas seis primeiras partidas, se tornando o calouro com maior número de jardas aéreas da franquia nesse interim de jogos, superando ninguém menos do que Stefon Diggs que teve 507 (2015) e Randy Moss com 527 (1998). Dessa maneira, Justin Jefferson segue firme como um dos favoritos na disputa pelo prêmio de calouro ofensivo do ano. Menções honrosas: QB Joe Burrow (CIN), RB Clyde Edwards-Helaire (KC), RB Jonathan Taylor (IND), RB James Robinson (JAX), WR Tee Higgins (CIN), WR Chase Claypool (PIT), WR CeeDee Lamb (DAL), WR Brandon Aiyuk (SF), TE Cole Kmet (CHI), G Michael Onwenu (NE), G Kevin Dotson (PIT), G Solomon Kindley (MIA) e T Tristan Wirfs (TB). Defesa CB Michael Ojemudia (DEN): 7 tackles totais, 1 passe desviado e 2 fumbles forçados. 77ª escolha geral (3ª rodada) Ojemudia já vinha jogando bem e sendo uma boa surpresa desse início de temporada do Denver Broncos, mas no jogo contra o New England Patriots, impulsionado pela grande atuação de toda a unidade defensiva, conseguiu fazer o melhor jogo de sua breve carreira até então. O jovem CB foi alvo de passes por sete vezes, permitindo 60 jardas recebidas, estabelecendo uma decente média de 8,57 jardas por alvo. No entanto, o que realmente foi diferencial em sua atuação foram os turnovers, forçando fumbles, principalmente o conseguido sobre o TE Ryan Izzo, após uma boa recepção em que o jogador já cruzava o campo de ataque. Assim, indiscutivelmente o calouro teve excelente parcela de contribuição na surpreendente vitória do Broncos e merece os devidos créditos. S/LB Jeremy Chinn (CAR): 5 tackles totais, 2 passes desviados e 1 interceptação. 64ª escolha geral (2ª rodada) Jeremy Chinn tem se notabilizado nesse início de carreira por ser um jogador que se faz presente por todo o campo, conseguindo fazer jogadas em todos os níveis da defesa. Seguindo essa linha, no embate contra o Chicago Bears conseguiu o que ainda lhe faltava, sua primeira interceptação. O calouro conseguiu interceptar um desastroso passe de Nick Foles já na red zone, num momento em que o adversário buscava abrir duas posses de bola de vantagem. Ainda que a vitória não tenha vindo e que Chinn não tenha tido o mesmo volume habitual de tackles, o novato mostrou que também pode impactar e fazer boas jogadas na cobertura, com perfil de um verdadeiro líder e playmaker para essa renovada defesa do Carolina Panthers. Indiscutivelmente é um dos fortes candidatos ao prêmio de calouro defensivo do ano. Menções honrosas: DT Derrick Brown (CAR), DE Bryce Huff (NYJ), LB Tae Crowder (NYG), LB Krys Barnes (GB), CB A.J. Terrell (ATL), CB Jaylon Johnson (CHI), CB Trevon Diggs (DAL), S Julian Blackmon (IND), S Antoine Winfield (TB), e S Brandon Jones (MIA). DECEPCIONARAM DE K’Lavon Chaisson (JAX): Não teve estatísticas. 20ª escolha geral (1ª rodada) Inoperante! Essa talvez seja a melhor definição para a fraquíssima atuação de K’Lvon Chaisson na derrota contra o Detroit Lions. Jogando em 71% dos snaps defensivos do time, o calouro não conseguiu causar qualquer impacto ou mesmo efetuar um único tackle. Mais preocupante até do que isso, é o fato do jogador não mostrar evolução e seguir praticamente nulo no pass rush, não apresentando outras alternativas ou “counter moves”, além de tentar usar a velocidade para bater os OTs. Incrementar o seu plano de pass rush, assim como trabalhar melhor no uso das mãos, será crucial para que o novato tenha sucesso na NFL e apesar desse início complicado, o produto de LSU possui muito talento a ser ainda lapidado. CB Jeff Gladney (MIN): 8 tackles totais e 1 fumble forçado. 31ª escolha geral (1ª rodada) O Minnesota Vikings segue sofrendo demais com sua secundária e no jogo contra o Atlanta Falcons começou com 3 CBs novatos entre os titulares.  Dessa vez, apesar de Cameron Dantzler até conseguir melhorar seu nível e ter uma atuação um pouco melhor dos que as últimas, quem foi mal foi Jeff Gladney, sendo batido constantemente e de muitas maneiras pelos recebedores do Falcons. O calouro sofreu com o tamanho de Julio Jones, a precisão das rotas de Calvin Ridley e até mesmo com a velocidade de Russell Gage, apresentando-se repetidamente fora de posição e permitindo muitas jardas em sua direção. Nem mesmo um fumble forçado foi capaz de apagar o incêndio causado pela sua má atuação. Como uma escolha de 1ª rodada, Gladney tem de ser mais consistente e tentar aprender com essa atuação para seguir evoluindo seu jogo. Menções desonrosas: T Terence Steele (DAL), T Jedrick Wills Jr. (CLE), WR Laviska Shenault Jr. (JAX) e DE A.J. Epenesa (BUF). Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.
Compartilhe

Leave A Reply