sábado, 14 de novembro de 2020

Compartilhe

Sábado, além de ser dia de College Football, é sempre o dia de conferir aqui no Liga dos 32 quais calouros foram bem ou mal na rodada da NFL, com o Rastreando Draftados. Vamos então aos principais destaques positivos e negativos da semana 9:

BRILHARAM

Ataque

 QB Tua Tagovailoa (MIA): 20 de 28 passes completos para 248 jardas e 2TDs; 7 tentativas de corrida para 35 jardas.

5ª escolha geral (1ª rodada)

Se em sua primeira partida como titular Tua não precisou mostrar muito diante do Rams, devido à grande atuação da defesa e dos times especiais de Miami, contra o Cardinals foi um cenário bem diferente, onde o quarterback partiu para o embate direto contra Kyler Murray e ambos proporcionaram um grande jogo, com o calouro liderando seu time até a vitória. Mesmo sem um bom apoio de seu jogo terrestre, Tagovailoa teve grande atuação e foi o principal destaque, mostrando que está totalmente recuperado de sua grave lesão no quadril.

O calouro mostrou uma excelente mobilidade, valendo-se dela para navegar no pocket, estender jogadas e também conseguir jardas com as próprias pernas. Além disso, o jogador mostrou uma ótima colocação de bola e capacidade de antecipação, conectando janelas apertadas em vários momentos e mostrando boa sintonia com seus recebedores, sempre consciente em suas tomadas de decisões. Assim, Tua Tagovailoa mostrou tudo aquilo que se espera dele e principalmente o que o Miami Dolphins precisa e buscava para um franchise quarterback, sendo, sem dúvidas, a grande esperança para o futuro do time da Flórida.

QB Justin Herbert (LAC): 28 de 42 passes completos para 326 jardas e 2TDs; 5 tentativas de corrida para 35 jardas.

6ª escolha geral (1ª rodada)

Justin Herbert está agora com 1-6 em seu recorde desde que assumiu de fato a titularidade no Chargers e esse número não diz absolutamente nada sobre seu nível de atuação e performance nesse período. Mais uma vez o QB calouro colocou seu time em posição de ganhar o jogo, mas a vitória não veio, com Mike Williams e Donald Parham dropando passes perfeitos para touchdown, nos instantes finais da partida contra o Raiders.

O novato impressionou mais uma vez com seu braço extremamente talentoso, além de forte, sendo muito agressivo nos passes, distribuindo lasers no meio do campo e explorando muito bem em profundidade, já se tornando um dos principais QBs da NFL nesse quesito. Mesmo sofrendo constante pressão e pancadas, Herbert se manteve firme e produtivo, fazendo jogadas sensacionais e não permitindo que a defesa do Raiders o desestabilizasse. Completando 67% de seus passes, com 17 TDs e 5 interceptações em suas 7 primeiras partidas, o novato produto de Oregon é, sem dúvidas, o grande favorito para o prêmio de calouro ofensivo do ano até aqui.

Menções honrosas: QB Jake Luton (JAX), RB James Robinson (JAX), RB Zach Moss (BUF), RB D’Andre Swift (DET), WR Jerry Jeudy (DEN), WR CeeDee Lamb (DAL), WR Gabriel Davis (BUF), WR Austin Mack (NYG), WR K.J. Hamler (DEN), WR Denzel Mims (NYJ), WR Michael Pittman Jr. (IND), TE Adam Trautman (NO), G Ezra Cleveland (MIN), G Michael Onwenu (NE), T Tristan Wirfs (TB) e T Mekhi Becton (NYJ).

Defesa

CB Jaylon Johnson (CHI): 2 tackles totais e 2 passes desviados.

50ª escolha geral (2ª rodada)

Mesmo num confronto difícil e apesar da derrota do Chicago Bears para o Tennessee Titans, Jaylon Johnson fez mais um excelente jogo, ficando encarregado de marcar o WR Corey Davis pela maior parte do tempo e praticamente o anulando na partida. Dá mesma forma, o CB calouro também lutou e foi muito bem nos momentos em que teve que cobrir o WR A.J. Brown, conseguindo dois passes desviados e chegando a marca de 12 na temporada, segunda maior marca da liga. Silenciosamente, Johnson vem jogando num excelente nível, com uma incrível regularidade para um calouro, algo incomum para essa classe de novatos, o que o coloca com certa folga como o melhor CB dela até aqui. Muito mais do que apenas um titular, o calouro já se tornou peça chave da forte defesa do Chicago Bears e é um dos nomes no radar para o prêmio de calouro defensivo do ano.

CB Jeff Gladney (MIN): 7 tackles totais e 1 TFL.

31ª escolha geral (1ª rodada)

Depois de um início de carreira complicado, com algumas atuações abaixo e lidando com problemas físicos, Jeff Gladney vem se recuperando e jogando bem, desde que pareceu realmente estar saudável, ajudando o Minnesota Vikings a se recuperar na tabela. Contra o Detroit Lions, mais uma partida sólida, onde atuando como nickel, viu 9 bolas lançadas em sua direção, permitindo apenas uma média de 3,1 jardas por alvo, realizando ainda seis tackles nessas situações. Os quarterbacks adversários obtiveram um passer rating de apenas 61.3 nas bolas em que ele estava na cobertura, sendo um ponto de solidez na combalida secundária de sua equipe. Gladney vem evoluindo e começando a mostrar parte do potencial que o fez ser selecionado na 1ª rodada, algo que o Vkings anseia, não apenas no presente, mas para ser parte do futuro da franquia na posição.

Menções honrosas: DT DaVon Hamilton (JAX), DT Neville Gallimore (DAL), DT Derrick Brown (CAR), DE Chase Young (WAS), DE Alex Highsmith (PIT), DE Justin Madubuike (BAL), LB Malik Harrison (BAL), S Kamren Curl (WAS), S Sam Franklin (CAR) e S Ashtyn Davis (NYJ).

DECEPCIONARAM

LB Kenneth Murray (LAC): 4 tackles totais.

23ª escolha geral (1ª rodada)

Se por um lado o cenário é promissor para o Chargers com as atuações do QB Justin Herbert, o mesmo não pode ser dito de sua outra escolha de 1ª rodada, o linebacker Kenneth Murray. O jogador não tem conseguido desempenhar bem e tem sofrido tanto na cobertura, como contra o jogo terrestre, mesmo com todas as suas boas aptidões físicas. Contra o Raiders, sua má atuação chegou ao ponto do HC Anthony Lynn o colocar no banco no meio da partida, diante da falta de instintos na cobertura e dá baixa efetividade parando a corrida, o que estava prejudicando o desempenho defensivo do time. Apesar de ter um bom número de tackles na temporada, boa parte dessas jogadas são ineficazes e vêm após ceder um considerável avanço, o que não é nem de longe o esperado para um jogador que foi selecionado onde foi e que requereu ainda um trade up, para tanto.

CB C.J. Henderson (JAX): 4 tackles totais e 1 passe desviado.

9ª escolha geral (1ª rodada)

Henderson segue de maneira muito irregular na temporada, após ter um início de destaque na renovada defesa do Jacksonville Jaguars. Contra o Texans, dá para dizer que o calouro teve o seu pior joga da carreira até aqui, sendo constantemente batido pelo WR Brandin Cooks e principalmente por Will Fuller, que o bateu e queimou num touchdown de 77 jardas, onde apesar do CB estar numa boa posição, perdeu completamente a colocação de bola e cedeu a big play. Vale também ressaltar que em alguns momentos o jogador pareceu pouco comprometido ou interessado em ajudar contra o jogo terrestre, algo que era uma preocupação antes do draft, mas que até então não havia se manifestado. Não está sendo fácil seu início na NFL, mas o jogador tem muito talento e potencial para ainda desabrochar.

Menções desonrosas: RB Jonathan Taylor (IND), WR Chase Claypool (PIT), CB Jeff Okudah (DET), LB Troy Dye (MIN) e LB Isaiah Simmons (ARI).

Compartilhe

Leave A Reply