segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Compartilhe

32 por 32 - L32

*Com colaboração de Eduardo Araújo

Há 2 anos o debate acerca de quem seria o melhor cornerback da NFL acontece nos programas especializados em NFL, nos Estados Unidos. O assunto – como toda comparação – é polêmico e já houve até participação ao vivo do Sherman em um desses programas, onde ele discutiu ao vivo com um “comentarista”. O objetivo dessa coluna de hoje não é tentar mostrar quem é melhor, mas sim trazer para nossos leitores um relato que traduza a importância que esses dois terão para que seus respectivos times cheguem ao Super Bowl.

É muito claro que o Seattle Seahawks e o New England Patriots são, há algum tempo, os favoritos a chegar ao Super Bowl, em Arizona. Primeiro, porque são bons times e segundo porque decidem em casa. Acontece que ambos vão enfrentar ataques aéreos consideravelmente fortes – Packers e Colts – e é aí que a ida à grande decisão em fevereiro passa pelo que esses dois jogadores e seus companheiros de secundária fizerem.

Tanto Revis quanto Sherman estão tendo um bom ano e o desempenho dos dois é digno de elogios. Junto com Chris Harris Jr e Vontae Davis, são os melhores cornerbacks da NFL de acordo com o Pro Football Focus. Os dois destaques das suas secundárias são uma área de segurança para suas defesas. A grande diferença entre eles é que Revis é um cara mais versátil e pode ser usado para seguir um jogador independente do lado onde ele se alinhe, já o Sherman joga no lado esquerdo da defesa e cobre quem cair por lá. São dois CBs bem físicos, rápidos e inteligentes – sabem como e quando antecipar, cortar uma rota -, normalmente utilizados para realizar a marcação “man to man” ou homem a homem. É a conhecida marcação individual!

Para se ter ideia da qualidade dos dois, trago alguns números interessantes. Darrelle Revis tem 12 tackles atrás da linha de scrimmage, de 79 passes lançados em sua direção, apenas 41 foram completados, cedeu 557 jardas em toda a temporada regular e conta com 2 interceptações e 2 TDs cedidos.

Richard Sherman conseguiu 16 tackles atrás da linha de scrimmage, de 65 passes lançados em sua direção, apenas 31 foram completados, cedeu 422 jardas na temporada e conta com 4 interceptações e apenas um TD cedido quando era o responsável por cobrir o recebedor visado pelo QB. Um fumble forçado para cada CB.

Sim! Números bem parecidos e considerando que Sherman joga em um esquema bem mais confortável que Revis, são ainda mais próximas as estatísticas. Como disse, Revis se movimenta pelo campo e busca tirar do jogo o WR número um do adversário. Sherman joga em um time que usa a cover 3 em boa parte dos snaps, ou seja, Sherman cobre o lado esquerdo, Earl Thomas cobre o meio em profundidade e o outro CB fica do lado direito. Usam então quatro homens mais à frente cobrindo passes curtos. Sherman, Earl e mais um CB ficam com a prioridade de proteger sua região e evitar passe em profundidade. Ambos os CBs normalmente ganham a cobertura do Safety Earl Thomas. Isso não tira o mérito do Richard Sherman, ele se mostra excelente e faz o seu papel, estou apenas mostrando que o que é pedido ao Revis – no caso, ir atrás do WR1 onde quer que ele esteja no campo – é uma tarefa mais árdua e explica o porquê de seus números serem um pouco piores que do seu rival.

No domingo, provavelmente veremos Darrelle Revis marcando TY Hilton durante todo o jogo, onde quer que seja o lado que TY se alinhe na linha de scrimmage. Sherman vai cobrir o recebedor do Packers que cair pelo lado direito do ataque, seja Nelson, Cobb ou qualquer outro que apareça por lá. E vai ser chave tanto para Seattle quanto New England que esses dois deem conta do recado novamente. A ida de Patriots e Seahawks ao Super Bowl passa pelo desempenho de Revis & Sherman.

Compartilhe

Comments are closed.