quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Compartilhe

A NFL voltou como o torcedor gostaria. Muitas partidas equilibradas, jogadas inesquecíveis, novos talentos surgindo e equipes surpreendendo ou decepcionando. E uma das franquias mais subestimadas da semana 1 é o Minnesota Vikings. Muito disso pelo desempenho abaixo do esperado na última temporada, que deixaram especialistas e fãs com um pé atrás. Mas o time de Mike Zimmer provou já nesta vitória contra o Falcons, por 28 a 12, que tem qualidade para brigar entre os melhores da NFC.

E nem precisou de um jogo explosivo do QB Kirk Cousins. O atleta passou a bola apenas 10 vezes, completando 8 deles, para 98 jardas e um TD. Pareceu uma partida de pré-temporada ou mesmo que Cousins sofreu uma lesão. A equipe, no entanto, mostrou que não precisa necessariamente de um dia inspirado do camisa 8 para amassar os adversários. 

Leia Mais: Dicas de Fantasy Football – Semana 2

Leia Também: Eli Manning não é o problema do Giants, mas é o freio de mão

A defesa foi fundamental para o triunfo na semana 1. Forçou interceptações, fumble, sacks e todos os jogadores do sistema contribuíram para a vitória. Matt Ryan viu 4 atletas diferentes o derrubando quando estava com a bola: Anthony Barr, Danielle Hunter, Linval Joseph e Everson Griffen. O fumble sofrido por Devonta Freeman foi forçado por Trae Waynes. E as duas interceptações contabilizadas por Anthony Harris.

O que anima ainda mais os torcedores em relação ao sistema defensivo é que o time conseguiu anular as principais peças do bom ataque de Atlanta. Freeman, já citado acima, não conseguiu jogar. Um dos principais WRs da liga, Julio Jones somou apenas 31 jardas e um TD. Calvin Ridley e Mohamed Sanu também tiveram atuações discretas.

MINNEAPOLIS, MN – SEPTEMBER 8: Dalvin Cook #33 of the Minnesota Vikings celebrates with teammate Garrett Bradbury #56 after scoring a touchdown in the third quarter of the game against the Atlanta Falcons at U.S. Bank Stadium on September 8, 2019 in Minneapolis, Minnesota. (Photo by Stephen Maturen/Getty Images)

De fato há muito talento em todos os níveis da defesa. Mas do outro lado da bola também é possível encontrar jogadores produtivos. O RB Dalvin Cook provou que está mais saudável do que nunca e será peça chave para o desenvolvimento da equipe em 2019. O calouro Alexander Mattison também correspondeu quando entrou em campo e deve contribuir em situações específicas. E quando Cousins precisa ser acionado, ele tem um arsenal de opções para escolher. Adam Thielen, Stefon Diggs e Kyle Rudolph são algumas delas. 

A equipe de Minneapolis foi muito criticada na temporada passada por não conseguir vencer jogos contra equipes que tinham mais vitórias do que derrotas. E muito de peso caiu em cima de Kirk Cousins. Agora, com a linha ofensiva reforçada e o QB mais adaptado ao esquema de jogo de Mike Zimmer e cia, o time deve a voltar a brilhar novamente. E o jogador não precisa ser fantástico para isso, apenas não comprometer e contribuir em momentos decisivos.

Se Cousins manter a média de jardas aéreas dos últimos anos, cuidar um pouco mais da bola e conseguir ser efetivo em jogos considerados difíceis, o Vikings vai deslanchar. Muitos ainda desconfiam da capacidade do camisa 8 comandar uma franquia ao Super Bowl, mas esta é a grande oportunidade de sua carreira e ele sabe disso. 

Um fator que o Vikings precisa melhorar, no entanto, é o tempo de posse. E aí o problema passa não apenas por Cousins, mas por todo o sistema e plano de jogo do time. Mesmo com o jogo terrestre estabelecido, o time ficou 29:47 minutos com a bola. Pouco menos do que o Falcons, que somou 30:13. E se comparar com a média da NFL na temporada passada, esse número é ainda maior (31:03). Ou seja, é fundamental ajustar cada vez mais esse fator para que a defesa possa respirar e não voltar a campo com tanta frequência.

O calendário também não ajuda a franquia. Além de estar em uma divisão muito competitiva, o Vikings vai encarar times da AFC oeste e NFC leste, que possuem outros candidatos a playoffs, como Chiefs, Eagles, Chargers e Cowboys. Mas, se manter o alto nível de atuação do duelo contra o Falcons, a equipe pode cavar um espaço na pós-temporada e até mesmo ser campeão da NFC norte. E se isso se confirmar, o time chega fortalecido para a disputa dos mata-matas.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.