quinta-feira, 9 de maio de 2019

Compartilhe

Tomando conta dos noticiários esportivos americanos nos últimos meses, o Pittsburgh Steelers vive dias sombrios desde a eliminação precoce ainda na temporada regular do ano passado. A equipe, que passou por momentos de turbulência no início da offseason com a polêmica envolvendo Antonio Brown, tenta se reformular para chegar em setembro com alguma chance de retomar o protagonismo na NFL. E a chave para o sucesso começa dentro do vestiário.

“Nós somos as Kardashians” classificou o então TE da equipe, Jesse James, que hoje veste a camisa azul de Detroit. O WR JuJu Smith Schuster também comparou o drama do time da Pensilvânia com a problemática família protagonista de um reality show nos Estados Unidos. O alvoroço começou no ano passado, quando o RB Le’Veon Bell (atualmente no Jets) se recusou a jogar por não ter o contrato que queria. Durante a temporada, no entanto, a novela cresceu e ganhou novos capítulos.

Leia Mais: Apesar de decisão controversa, o Cardinals está construindo algo sólido

Leia Também: As interrogações pós-draft no Rams

O Head Coach, Mike Tomlin, pode ser considerado o grande pilar desta confusão. Tudo isso porque o comandante não soube gerir o grupo. Antonio Brown e Ben Roethlisberger, ambos com egos aflorados, tiveram algumas discussões que acabaram desestabilizando todo o elenco em 2018. Quando Tomlin deveria intervir e tomar alguma providência, se fez de cego e deixou Brown se aproveitar da situação. O resto da história todos conhecem. Hoje, AB veste a camisa 84 do Raiders e continua disparando ofensas contra os ex-companheiros nas redes sociais.

Para piorar a situação aos olhos da mídia, Big Ben ganhou um super contrato de três temporadas, que beira os US$ 80 milhões. A renovação aumenta argumentos de críticos, que classificam o QB como dono do time. A idade avançada de Roethlisberger (37 anos) também é um fator que coloca a decisão do GM, Kevin Colbert, em cheque.

Apesar de encontrar-se em franca decadência, nem tudo está perdido para a franquia. Os últimos drafts serviram não apenas na renovação a equipe, mas também para o surgimento de novas estrelas. Principalmente em 2017, quando o Steelers selecionou o LB TJ Watt, WR JuJu Smith Schuster e RB James Conner. Neste ano, novos calouros chegam para suprir as maiores necessidades do time.

Na primeira rodada, os comandantes de Pittsburgh subiram para pegar o veloz LB Devin Bush. O prospecto de Michigan pode ser o substituto ideal para Ryan Shazier e, sem dúvida, supre a grande carência do elenco, que sofreu demais em 2018 com jogadas de 10/15 jardas no meio do campo. É fato que Colbert gastou muito na troca, mas Bush tem talento para dar conta do recado.

Nas escolhas seguintes, o Steelers draftou WR Diontae Johnson (Toledo) e CB Justin Layne (Michigan State). Johnson é uma verdadeira máquina quando se trata de jardas após a recepção. O garoto compõe perfeitamente o corpo de recebedores que já contava com JuJu, WR Donte Moncrief (contratado na free agency), WR James Washington, WR Ryan Switzer, TE Vance McDonald e o bom prospecto de Michigan TE Zach Gentry (selecionado na quinta rodada). Já Layne é um defensive back que poderia ter sido selecionado antes da terceira rodada e deve ajudar bastante a secundária, outro grande defeito da franquia nas últimas temporadas. Por fim, o RB Benny Snell Jr (Kentucky) é uma excelente aquisição para a 122ª posição. Com muita paciência nas corridas, o atleta faz a torcida de Pittsburgh lembrar de Bell. Ele vai revezar os snaps no backfield com Conner e Jaylen Samuels.

Vale lembrar que o Steelers possui uma das melhores linhas ofensivas da Liga. C Maurkice Pouncey, G David DeCastro e OT Alejandro Villanueva estão sempre no Pro Bowl e protegem Big Ben de forma impecável há anos. Unindo novas e velhas peças, a equipe da Pensilvânia pode ter um time competitivo em 2019.

Neste ponto, fugir das polêmicas é essencial. Com a ascensão de Browns (apontado por muitos como favorito na divisão) e Ravens, o Steelers chega como a terceira força na AFC Norte, o que pode ajudar o time a crescer. Basta Mike Tomlin saber usar o elenco que tem em mãos e fechar o grupo para que não haja novas desavenças e distrações nas redes sociais.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui

Compartilhe

Comments are closed.