quinta-feira, 24 de março de 2016

Compartilhe

tyrann mathieu

É neste período do ano que surgem as histórias mais emocionantes, tristes, alegres e curiosas envolvendo o mundo do futebol americano. Dessa vez, vamos falar sobre a história de vida e relação de Tyrann Mathieu, Safety do Arizona Cardinals, com sua avó, que faleceu no início desta semana. O atleta usou seu perfil pessoal no Twitter para contar alguns fatos marcantes de sua difícil infância e postou no Instagram diversas fotos como homenagem.

Assim como Demaryius Thomas e outros jogadores que estão na NFL, a juventude do pequeno Tyrann Mathieu não foi das mais tranquilas. Sua mãe biológica não era presente e após a morte de seu pai em 1997, ele foi morar com os tios em New Orleans, mas nunca andou totalmente na linha e, segundo ele mesmo, foi sua avó quem realmente o criou para torná-lo o que é hoje em dia.

Quando chegou em LSU no ano de 2010, o “Honey Badger” rapidamente se transformou em um dos principais atletas universitários dos EUA, conquistou o “Chuck Bednarik Award” (dado ao melhor atleta de defesa na NCAA) em 2011 e com apenas duas temporadas já era considerado pronto para a NFL. Porém, talvez o sucesso repentino tenha tirado a cabeça de Mathieu do lugar. Ele acabou se envolvendo com as drogas e foi reprovado várias vezes nos testes de antidoping da NCAA. Toda a carreira universitária construída em pouco tempo foi jogada no lixo quando a diretoria decidiu expulsá-lo do programa de futebol americano da faculdade. Ele ainda tentou entrar em uma clínica de reabilitação, mas foi preso por posse de maconha e esgotou de vez as chances de voltar à faculdade.

tyrann-mathieu-gradma

Com ajuda de sua avó fora de campo e Patrick Peterson, seu futuro companheiro de Arizona Cardinals, na preparação dentro de campo, Tyrann Mathieu conseguiu dar a volta por cima e, mesmo ficando uma temporada inteira sem atuar no futebol americano universitário, foi selecionado na terceira rodada do Draft de 2013. Desde então ele vem melhorando a cada ano e parece ter se livrado de vez dos problemas extracampo. Aos poucos ele está se tornando um dos melhores defensores da NFL e pode entrar na conversa para ficar entre os melhores de sua posição.

Em entrevista para a ESPN na semana passada, o atleta disse: “Ela é minha verdadeira mãe. Ela sempre me manteve firme. Quando ninguém me entendia, ela era a única que estava comigo. Acredito que todas as avós são assim, mas para mim ela é muito mais que isso, quando eu chorava ela vinha me balançar para dormir”.

Na madrugada da última segunda-feira, um dia após sua avó falecer, o atleta do Arizona Cardinals usou o Instagram para estabelecer uma meta para a próxima temporada e escreveu como legenda de uma foto: “Vó, quando eu for eleito o Defensive Player of the Year na próxima temporada, saiba que será por você e somente por você”. Além disso, ele postou uma pequena história de vida envolvendo sua avó e detalhes sobre sua infância:

“A vida não é justa…

Vou compartilhar algumas das melhores histórias de minha avó, não porque vocês ligam, mas porque PRECISO que vocês saibam como ela era.

Eu fugia muitas vezes quando era uma criança e não sabia a quem recorrer. Sempre me deparava com a porta da minha avó e ela sempre abriu para mim.

Ela costumava dar cinco dólares para mim e meus 5-10 primos para atravessarmos a rua e trazer um pouco de carne e queijo. Ela nos alimentava com apenas cinco dólares.

Vovó falou mal de cada menina que eu levei para conhecê-la, pois ela sabia que não iam me amar da mesma forma que ela me amava.

Vovó sempre me escutou, nunca me julgou. Ela sempre falou a verdade.

Vovó enterrou três de seus filhos e seu marido, sem mencionar os vários netos.

Eu me estabeleci na casa da minha avó quando tinha 10 anos de idade. Eu era o “bebê” dela e ela era minha mãe, minha força.

Vovó foi engraçada, pois ela sempre falava a verdade.

Todas as pessoas que fugiam de casa minha avó acolhia, e nunca pediu nada por isso.

Eu nunca fui muito difícil para ela.

Eu salvei todas as mensagens de voz que ela me mandava. Até as que ele me xingava e as que ela dizia para eu nunca desistir. Teve uma vez que ela disse que me amava por cinco minutos.

Nós nos falávamos todos os dias de qualquer forma.

O #32 que eu uso é por ela: 2930, 5ª avenida, New Orleans
3 + 2 = 5

Ela nunca teve um trabalho de verdade, carteira de motorista ou coisas materiais. Tudo que ela tinha no coração era amor. Ela criou todos nós, até meus amigos do bairro.

Meu amigo Bob chorou por você vovó, meu amigo Terry chorou por você, meu amigo Todd derramou lágrimas por você. Você tocou os meus companheiros mais próximos.

Quando fui expulso da faculdade e preso, vovó estava lá sorrindo, eu sem entender nada, e ela disse: ‘Você está tomando sua benção para ser concedido’.

Ela costumava me ligar e dizer: ‘Filho, eu sinto falta do meu marido e filhos’. Bem, menina, agora eu sei que o céu está em explosão.

Vovó estava sempre disponível.

Ela sentava na varanda e conversava com todos, até os drogados da região tinham um vínculo legal com ela.

Eu nunca tive a oportunidade de conhecer um santo, até que conheci você.

Minha avó era a mais real, a mais verdadeira, a mais amorosa e eu vou sentir falta do meu primeiro amor!!!”

Compartilhe

Comments are closed.