sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Compartilhe

Pela segunda semana consecutiva, a Visão Aérea traz a maior zebra da rodada: na semana passada, falamos sobre o Arizona Cardinals vencendo o Green Bay Packers, agora, é hora do triunfo do Oakland Raiders sobre o Pittsburgh Steelers. O que levou o futuro time de Las Vegas a ganhar essa partida por 24 a 21?

Quem está prestando atenção nos jogos mais recentes da temporada talvez não tenha achado essa uma zebra tão grande assim: os Raiders vinham de confrontos equilibrados contra Chiefs e Ravens, com chances reais de vencerem os primeiros, enquanto os Steelers vinham de derrotas para Broncos e Chargers. Assim, o momento do time preto e prata era melhor, ainda mais jogando em casa. Dentro de campo, uma lesão que afastou Ben Roethlisberger da partida por um quarto e meio também colaborou.

Leia Mais: Cidade de Oakland processa Raiders e NFL por mudança para Las Vegas

Leia Também: John DeFilippo foi demitido do Vikings e essa foi a melhor decisão para ambos

Vamos aos lances que contam a história da partida!

Ataque do Raiders x defesa do Steelers

A melhora ofensiva do Oakland Raiders nos últimos jogos passa muito pela evolução de Derek Carr no sistema de Jon Gruden. O quarterback parece muito mais confortável com as jogadas, mesmo não tendo grandes recebedores a seu dispôr – o único nome realmente confiável é o tight end Jared Cook – nem uma linha ofensiva que consiga uma proteção apropriada.

Carr tem sido muito sackado em 2018 e isso tem influência direta da ineficiência do calouro Brandon Parker, right tackle. Sofrendo muito em seu primeiro ano como profissional, ele faz com que seu quarterback apanhe em praticamente todas as partidas.

Veja no lance abaixo a extrema facilidade com a qual o camisa 91, Stephon Tuitt, passa pelo right tackle. Chega a ser constrangedor. Carr tenta fugir do sack, mas escorrega – como o kicker do Steelers, Chris Boswell, perceberia mais tarde, o campo do Coliseu de Oakland é extremamente propício para escorregões.

Além dos problemas com a linha ofensiva, também há dificuldades com recebedores em Oakland. Jordy Nelson não tem mais velocidade e a outra arma principal é o calouro de sétima rodada Marcell Ateman. Carr vem fazendo um ótimo trabalho nas partidas recentes e não lança uma interceptação há oito partidas. Nesse confronto, duas foram dropadas pela defesa de Pittsburgh, mas nenhuma foi culpa dele: uma veio em um escorregão (percebem uma tendência?) de Nelson, outra em uma rota errada de Ateman.

Abaixo, Brandon Parker mais uma vez é facilmente batido pelo pass rusher e cede a pressão, mas dessa vez Carr consegue escapar e sair do pocket. Procura alguém livre na marcação em zona do Steelers e vê Marcell Ateman (assista, no centro da tela, mais um escorregão de um defensor). A inexperiência do wide receiver é clara aqui: esse é um chamado scramble drill e um wide receiver precisa continuar a sua movimentação para dar opção ao quarterback. Ateman corta de volta para a lateral e a bola vai diretamente em direção a Sean Davis, que não consegue ficar com a bola.

O brilho de Carr apareceu mais tarde na partida, com dois lançamentos absolutamente perfeitos. Um para o tight end Derek Carrier, outro para o wide receiver Seth Roberts.

No primeiro, o Raiders usa uma formação com três tight ends e um wide receiver, com Jared Cook depois se movimentando para também ficar aberto. Essa é uma formação pesada de corrida e, com isso, o Steelers usa Cover 1 com marcação homem-a-homem. A primeira leitura é Jordy Nelson, na parte de baixo do vídeo, mas o Carr faz um pump fake para enganar o safety naquela direção e em seguida já faz o lançamento para Derek Carrier, no centro do campo. A janela é muito pequena, mas o lançamento é excepcional.

Na campanha da vitória do Raiders, o maior passe foi um ganho de 39 jardas para Seth Roberts. Mais uma vez, um pump fake de Carr foi decisivo: a jogada é desenhada para Jared Cook, na direita, e o quarterback finge que realmente fará esse passe, movendo um dos safeties da cobertura Tampa 2 naquela direção. Enquanto isso, Roberts vence Morgan Burnett, seu marcador, e consegue um espaço mínimo entre ele e o outro safety. É justamente nesse espaço que o quarterback coloca a bola.

Com tantos buracos no ataque, é formidável como Carr tem atuado nas últimas partidas. Se ele mantiver esse nível até o final da temporada, 2019 será muito promissor com as armas novas que podem chegar via free agency e draft. Na defesa do Steelers, alguns hábitos, como cobrir sempre wide receivers com linebackers, têm sido muito prejudiciais, além do nível de talento também não ser dos mais altos.

Ataque do Steelers x defesa do Raiders

Nessa partida, as duas equipes fizeram ótimos trabalhos contra o jogo terrestre. Pittsburgh limitou Oakland a 2,2 jardas por tentativa, e Oakland permitiu a Pittsburgh apenas 2,1. Muito disso aconteceu por causa do trabalho dos linebackers.

No lance abaixo, o Steelers tenta uma trick play com o rápido wide receiver Darrius Heyward-Bey. É difícil entender qual era a real intenção, já que nem sequer há bloqueadores daquele lado do campo e a defesa não é enganada. Porém, a perda de 7 jardas só acontece por causa do excelente trabalho de Marquel Lee. Repare como desde antes do snap ele já parecia ter a jogada diagnosticada e se posiciona para ficar em excelente situação para o tackle.

Não foi só Derek Carr que teve uma excelente partida. Ben Roethlisberger completou 25 de 29 passes, alguns deles com grande nível de dificuldade. Na terceira descida longa apresentada abaixo, a defesa faz uma cobertura excelente no meio do campo e não deixa nenhuma opção realmente livre, mas o quarterback acha um mismatch de altura entre JuJu Smith-Schuster (1,85m) e o calouro Nick Nelson e coloca a bola apenas onde o recebedor, um pouco atrás do marcador, poderia pegar. Não existiam muitas outras formas de conseguir essa conversão.

Mais tarde, JuJu brilharia recebendo um touchdown de forma acrobática no fundo da endzone em uma falha de comunicação da defesa do Raiders. Ele está alinhado no slot e penetra para o fundo do campo, mas não é acompanhado por ninguém: Tahir Whitehead e Erik Harris parecem se confundir sobre se a marcação é em zona ou individual e ficam comendo mosca no lance. Repare que essa não é a única falha de comunicação defensiva no lance – na parte de cima da imagem, Gareon Conley e Karl Joseph também batem cabeça e deixam Jaylen Samuels muito aberto.

De toda forma, o passe de Big Ben não é tão bom e fica o destaque para a excepcional recepção do camisa 19.

Se JuJu foi tão acionado no jogo, é porque Antonio Brown foi quase que eliminado dele por Gareon Conley. O segundo anista tem sido um dos melhores cornerbacks da liga nas últimas semanas, com 24,3% dos passes lançados em sua direção sendo defendidos ou interceptados, segundo melhor número da NFL.

Com Big Ben fora da partida por um quarto e meio com uma lesão nas costelas, o substituto Joshua Dobbs sofreu muito para conseguir qualquer tipo de avanço. Abaixo, ele busca Antonio Brown, mas a cobertura individual de Conley é perfeita. Ele segue passo a passo com o recebedor e consegue desviar o passe antes que haja qualquer possibilidade de recepção. A bola acaba caindo no colo do linebacker Tahir Whitehead para uma interceptação.

O ataque do Steelers precisará de Big Ben e James Conner saudáveis nas últimas semanas para poder confirmar uma classificação aos playoffs. No caso da defesa do Raiders, é uma boa notícia que pelo menos existam jovens muito talentosos, caso de Gareon Conley.

Acompanhe nosso conteúdo mais de perto e fique por dentro de tudo o que rola na NFL e NCAA: Siga nosso Twitter e curta nossa página no Facebook. Para ganhar DEZENAS de benefícios e se tornar um apoiador do site e do nosso trabalho, clique aqui.

Compartilhe

Comments are closed.